Disputas ideológicas, cultura negra e jornalismo cultural

A crítica musical carioca e os bailes de soul dos anos 1970

  • Luciana Xavier de Oliveira Universidade Federal do ABC
Palavras-chave: Identidade Negra, Cultura Popular, Crítica Musical, Jornalismo Cultural, Racismo

Resumo

O Movimento Black Rio se consolidou como uma importante cena musical nos anos 1970 nos subúrbios do Rio de Janeiro, mobilizando um grande mercado consumidor formado especialmente por uma juventude negra. Os bailes de soul foram alvo de críticas veiculadas em órgãos da imprensa ligados tanto ao governo militar quanto a setores da esquerda. O objetivo deste artigo é discutir como o jornalismo cultural e a crítica musical carioca da época encaravam o fenômeno, apresentando uma reflexão sobre disputas em torno da defesa da tradição e autenticidade em oposição a discursos de modernidade e cooptação nas dinâmicas da cultura popular. Nesse sentido, esse artigo apresenta ainda interpretações possíveis sobre processos alternativos de identificação racial, consumo cultural e estratégias político-culturais desenvolvidas em consonância com uma produção afro-diaspórica global.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Xavier de Oliveira, Universidade Federal do ABC

Professora adjunta do bacharelado em Ciências e Humanidades e do bacharelado em Planejamento Territorial da Universidade Federal do ABC (UFABC). Doutora em Comunicação Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Possui graduação em Comunicação Social- Jornalismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e mestrado em Comunicação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Referências

ALBERTO, P. When Rio was black: soul music, national culture, and the politics of racial comparison in 1970s Brazil. Hispanic American Historical Review, Durham, v. 89, n. 1, p. 3-39, 2009.

BAHIANA, A. M. Nada será como antes: MPB nos anos 70, 30 anos depois. Rio de Janeiro: Senac Rio, 2006.

BLACK Rio. Veja, São Paulo, p. 156-160, 24 nov. 1976.

BLANC, A. Safari. O Pasquim, Rio de Janeiro, p. 5, ago. 1977.

CUNHA, M. C. Sociedade e cultura nos anos 1970: esvaziamento cultural e experimentalismo. Dobras, São Paulo, v. 3, n. 5, p. 80-91, 2009.

DE LEVE, I. Black Power no Brasil. O Globo, Rio de Janeiro, 1 out. 1977.

DUNN, C. Brutalidade jardim: a tropicália e o surgimento da contracultura brasileira. Tradução de Cristina Yamagami. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

ESSINGER, S. Batidão: uma história do funk. Rio de Janeiro: Record, 2005.

FIGUEIREDO, A. Novas elites de cor: estudo sobre profissionais liberais negros de Salvador. Rio de Janeiro: Annablume, 2002.

FRIAS, L. Black Rio: o orgulho (importado) de ser negro no Brasil. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 17 jul. 1976. Caderno B, p. 1, 4-6.

GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

GILROY, P. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo: Editora 34; Rio de Janeiro: Universidade Candido Mendes, 2001.

HANCHARD, M. Orfeu e poder: movimento negro no Rio e São Paulo. Rio de Janeiro: Uerj, 2001.

HEBDIGE, D. Subculture: the meaning of style. Florence, KY: Routledge, 1979.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 5. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

MCCANN, B. Black Pau: uncovering the history of Brazilian soul. Journal of Popular Music Studies, Oakland, n.14, p. 33-62, 2002.

MIDANI, A. Música, ídolos e poder: do vinil ao download. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

MORAES, S. Soul mais samba: movimento Black Rio e o samba nos Anos 1970. 2014. 111 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

MOTTA, M. S. Guanabara, o estado-capital. In: FERREIRA, Marieta de Moraes (coord.). Rio de Janeiro: uma cidade na história. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2000. p. 79-116.

MOURA, R. Carta aberta ao Black-Rio. O Pasquim, Rio de Janeiro, p. 2-8, set. 1977.

MR. FUNKY SANTOS. Black Rio: o orgulho (importado) de ser negro no Brasil. [Entrevista cedida a] Lena Frias. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 17 jul. 1976. Caderno B, p. 4.

OSTENDORF, B. Celebration or pathology? Commodity or art? The dilemma of african-american expressive culture. Black Music Research Journal, Champaign, p. 217-236, v. 20, n. 2, 2000.

OLIVEIRA, F. Ditadura perseguiu até bailes black no Rio de Janeiro. O Globo, Rio de Janeiro, 11 jul. 2015. Disponível em: https://glo.bo/2VQ7f3y. Acesso em: 7 jan. 2018.

OLIVEIRA, L. X.. A cena musical da Black Rio: estilos e mediações nos bailes soul dos anos 1970. Salvador: Edufba, 2018.

OS CRÍTICOS musicais segundo Caetano Veloso. O Globo, Rio de Janeiro, p. 41, 31 jan. 1979.

PALOMBINI, C. Soul brasileiro e funk carioca. Opus, Goiânia, v. 15, n. 1, p. 37-61, jun. 2009.

PELEGRINI, S.; ALVES, A. P. Tornado black e musical. Revista de História da Biblioteca Nacional, São Paulo, 13 abr. 2011.

PIRES, T. R. O. Colorindo memórias e redefinindo olhares: Ditadura Militar e racismo no Rio de Janeiro (Relatório de Pesquisa). Rio de Janeiro: Comissão da Verdade do Rio, 2015. Disponível em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2015/12/Pires-T-Colorindo-memorias-e-redefinindo-olhares-Ditadura-militar-e-racismo-no-Rio-de-Janeiro-2.pdf. Acesso em: 7 jan. 2018.

RACISMO. O Globo, Rio de Janeiro, 26 abr. 1977. Estado do Rio, p. 10.

RISÉRIO, A. Carnaval Ijexá: notas sobre afoxés e blocos do novo carnaval afro-baiano. Salvador: Corrupio, 1981.

SANTOS, A. Black Rio assusta maestro Júlio Medaglia. Folha de São Paulo, São Paulo, 10 jun. 1977. Ilustrada, p. 32.

SOCIÓLOGO já alerta sobre o Black Rio. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 17 maio 1977. 1. Caderno B, p. 14.

SOUZA, T. Soul: sociologia e mercado. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 27 ago. 1976, Caderno B, p. 10.

SOUZA, T. Rebobagem. Veja, São Paulo, p. 116, 20 jun. 1977.

THAYER, A. Black Rio – Brazilian soul and DJ culture’s lost chapter. Waxpoetics, New York, n. 16, p. 88-106, 2006.

TINHORÃO, J. R. Protesto “Black” é fonte de renda “White”. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 14 jun. 1977. Caderno B, p. 2.

TURISMO vê só comércio no Black Rio. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 15 mai. 1977. 1. Caderno B, p. 20.

VIANNA, H. O mundo funk carioca. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.

VICENTE, E. Música e disco no Brasil: a trajetória da indústria nas décadas de 80 e 90. 2002. 335 f. Tese (Doutorado em Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

Publicado
2019-07-04
Como Citar
Oliveira, L. (2019). Disputas ideológicas, cultura negra e jornalismo cultural. Novos Olhares, 8(1), 33-46. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2019.150341
Seção
ARTIGOS