Representações identitárias em disputa em um mundo em transformação

uma análise dos filmes A forma da água, Pantera Negra e Uma mulher fantástica

  • Ohana Boy Oliveira Doutoranda em Comunicação na Universidade Federal Fluminense
  • Ana Lucia Enne Docente do curso de Estudos de Mídia e do Programa de Pós-Graduação em Cultura e Territorialidades – PPCULT/UFF.
  • Flávia Lages de Castro Docente do curso de Produção Cultural e do Programa de Pós- Graduação em Cultura e Territorialidades – PPCULT/UFF.
Palavras-chave: Representação, Audiovisual, Identidades, Disputas Culturais, Lugar de Fala.

Resumo

Neste artigo, apresentamos análises sintéticas de três exemplos fílmicos recentes: A forma da água (EUA, 2017), Pantera Negra (EUA, 2018) e Uma mulher fantástica (Chile, 2017), por compreender que todos são narrativas exemplares para pensarmos como, na contemporaneidade, eixos identitários se colocam como centrais nas disputas por representação e práticas sociais. Entendemos que os três filmes possibilitam uma reflexão sobre questões fundamentais no campo cultural, como hibridismos, estereótipos, lugar de fala, silenciamento, exclusão e representatividade, dentre outros tropos. Partilhamos a concepção de que, mesmo dentro de um setor mainstream de produção industrial, é possível disputar, via narrativas, o direito a significar e a construir sentidos para experiências de reapropriação em que a identificação, no que diz respeito ao pertencimento identitário, seja complexificada e positivada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ohana Boy Oliveira, Doutoranda em Comunicação na Universidade Federal Fluminense

Doutoranda em Comunicação, Mestre em Cultura e Territorialidades e Bacharel em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Ana Lucia Enne, Docente do curso de Estudos de Mídia e do Programa de Pós-Graduação em Cultura e Territorialidades – PPCULT/UFF.

Doutora em Antropologia/UFRJ e docente do Curso de Graduação em Estudos de Mídia e do Programa de Pós-Graduação em Cultura e Territorialidades, ambos na Universidade Federal Fluminense (UFF).

Flávia Lages de Castro, Docente do curso de Produção Cultural e do Programa de Pós- Graduação em Cultura e Territorialidades – PPCULT/UFF.

Doutora em Sociologia do Direito/UFF e docente do curso de Produção Cultural e do Programa de Pós-
Graduação em Cultura e Territorialidades, ambos na Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Para educar crianças feministas: um manifesto. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ANZALDÚA, Gloria. Borderlands/la frontera: the new mestiza. 4. ed. San Francisco: Aunt Lute Books, 2012.

ANZALDÚA, Gloria. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 1, jan.-jun. 2000.

ARÁN, Márcia. A transexualidade e a gramática normativa do sistema sexo-gênero. Ágora, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 49-63, jan.-jun. 2006.

ARRAES, Jarid. As lendas de Dandara. São Paulo: Editora de Cultura, 2016.

ARRAES, Jarid. Heroínas negras brasileiras: em 15 cordéis. São Paulo: Pólen, 2017.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero. A experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BENTO, Berenice. O que é transexualidade. São Paulo: Brasiliense, 2008.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Difel, 1989.

BUTLER, Judith. Cuerpos que importan. Sobre los límites materials y discursivos del “sexo”. Buenos Aires: Paidós, 2002.

BUTLER, Judith. Criticamente subversiva. In: JIMÉNEZ, Rafael Mérida (ed.). Sexualidades transgresoras. Una antología de estudios queer. Barcelona: Icaria, 2002.

CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000.

CARNEIRO, Sueli. Negros de pele clara. Geledés, São Paulo, [s.d.]. Disponível em: https://bit.ly/2svjBMQ. Acesso em: 15 fev. 2018.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado, Brasília, DF, v. 31, n. 1, jan.-abr. 2016.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DAVIS, Angela. Mulheres, cultura e política. São Paulo: Boitempo, 2017.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1997.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Rio de janeiro: Graal, 1996.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I. A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: a história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1999.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. Ministério da Educação. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal 10.639/03. Brasília, DF: Edições MEC/BID/UNESCO, 2005. p. 39-62.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Editora PUC-Rio: Apicuri, 2016.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade?. In: SILVA, Tomaz Tadeu (org.). Identidade e diferença. Petrópolis: Vozes, 2000.

HERMSDORFF, Renato. A forma da agua. Uma ode aos desajustados. Disponível em: https://bit.ly/2oAzNub. Acesso em: abr. 2018.

hooks, bell. Ensinando a transgredir. A educação como prática da liberdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013.

METZ, Christian. A significação no cinema. São Paulo: Perspectiva, 1972.

PRECIADO, Beatriz. Biopolítica del género. Disponível em: https://bit.ly/2LKaqEW. Acesso em: 15 mai. 2017.

RAMOS, Lázaro. Na minha pele. Rio de Janeiro: Objetiva, 2017.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Campinas: Papirus, 1994.

WITTIG, Monique. La marca del género. La Jornada Semanal, Ciudad de Mexico, 25 out. 1998. Disponível em: https://bit.ly/2VF8BZU. Acesso em: 15 ago. 2015.

Publicado
2019-07-04
Como Citar
Boy Oliveira, O., Enne, A., & Lages de Castro, F. (2019). Representações identitárias em disputa em um mundo em transformação. Novos Olhares, 8(1), 47-60. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2019.150375
Seção
ARTIGOS