As assimetrias de gênero no mercado de trabalho em jornalismo

um estudo sobre a participação feminina em redações do Amapá

  • Paula Melani Rocha Universidade Estadual de Ponta Grossa
  • Abinoan Santiago dos Santos Universidade Estadual de Ponta Grossa
Palavras-chave: Mulheres Jornalistas, Jornalismo Regional, Feminização do Jornalismo, Relações de Trabalho, Gênero

Resumo

O movimento de feminização no jornalismo brasileiro acentuou-se após a segunda metade do século XX, impulsionado pelo processo de profissionalização − sobretudo com a implementação de cursos de graduação e obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão −, bem como pelas instabilidades do mercado profissional e das relações de trabalho. Esse movimento caracterizou-se de forma desigual nas ocupações de funções, cargos, remuneração, nos segmentos do mercado e em regiões geográficas. Esta reflexão analisa a participação das mulheres no jornalismo regional e suas assimetrias nas redações do Amapá. Aplicou-se survey online, durante o mês de maio de 2017. O estudo apontou relações desiguais de trabalho entre os gêneros com relação a salário, funções, qualificação profissional e tratamento tanto pela chefia quanto pelos pares. A maior parte das respondentes informou sofrer assédios moral e sexual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Melani Rocha, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Pós-doutora em Jornalismo pela Universidade Fernando Pessoa. Mestre e doutora em Sociologia pela Ufscar. Professora do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo e do curso de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Pesquisadora colaboradora do LabJor (Unicamp). Coordena os grupos de pesquisa Conhecimento no Jornalismo e Jornalismo e Gênero, ambos cadastrados no CNPq.

Abinoan Santiago dos Santos, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Mestrando em Jornalismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), bolsista Capes e Bacharel em Jornalismo pela Universidade Federal do Amapá (Unifap).

Referências

ALDRIDGE, M. The Paradigm contingent career? Women in regional newspaper journalism. Sociological Research Online, [S. l.], v. 6, n. 3, 2001.

BONELLI, M. G. As ciências sociais no sistema profissional brasileiro. Boletim Informativo e Bibliográfico de Ciências Sociais, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 31-62, 1993.

BUITONI, D. S. Mulher de papel: a representação da mulher pela imprensa feminina brasileira. 2. ed. São Paulo: Summus, 2009.

CANAVILHAS, J. Webjornalismo: considerações gerais sobre jornalismo na web. Biblioteca Online de Ciências da Comunicação, Lisboa, p. 1-7, 2001. Disponível em: https://bit.ly/1iwjV6v. Acesso em: 13 jun. 2017.

CARVALHO, K. A imprensa feminina no Rio de Janeiro, anos 20: um sistema de informação cultural. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 24, n. 1, p. 1-11, 1995.

COSTA, N. Lugar de mulher é na redação: o jornalismo performático e o destaque alcançado por repórteres mulheres. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 10., 2013, Florianópolis. Anais eletrônicos […]. Florianópolis: UFSC. Disponível em: https://bit.ly/2kGK0aN. Acesso em: 18 set. 2019.

DUARTE, C. L. Imprensa feminina e feminista no Brasil: século XIX − dicionário ilustrado. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

HIRATA, H. Globalização e divisão sexual do trabalho. Cadernos Pagu, Campinas, v. 17-18, p. 139-156, 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua). Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: https://bit.ly/2kEWgsl. Acesso em: 13 jun. 2017.

LATIF, O. A. A. Assédio sexual nas relações de trabalho. Âmbito Jurídico, Rio Grande, n. 41, 2007. Disponível em: https://bit.ly/2klNLSz. Acesso em: 17 jul. 2017.

LEITE, A. T. B. Profissionais da mídia em São Paulo: um estudo sobre profissionalismo, diferença e gênero no jornalismo. 2015. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) − Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

LEITE, A. T. B. O processo de feminização do jornalismo em São Paulo: uma análise dos aspectos objetivos e simbólicos das diferenças de gênero na profissão. In: BONELLI, M. G. (org.). Profissões republicanas: experiências brasileiras no profissionalismo. São Carlos: Udufscar, 2016. p. 53-82.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e poder. Petrópolis: Vozes, 1997.

MAZOTTE, N.; TOSTE, V. (coord.). Mulheres no jornalismo brasileiro. São Paulo: Abraji, 2017. Disponível em: https://bit.ly/2ANG2C5. Acesso em: 8 abr. 2018.

MICK, J.; LIMA, S. Perfil do jornalista brasileiro: características demográficas, políticas e do trabalho jornalístico em 2012. Florianópolis: Insular, 2013.

MOSCHKOVICH, M.; ALMEIDA, A. M. F. Desigualdades de gênero na carreira acadêmica no Brasil. DADOS, Rio de Janeiro, v. 58, n. 3, p. 749-789, 2015.

PONTES, F. S. Desigualdades estruturais de gênero no trabalho jornalístico: o perfil das jornalistas brasileiras. In: COLÓQUIO NACIONAL DE ESTUDOS DE GÊNERO E HISTÓRIA, 2., 2016, Guarapuava. Anais […]. Guarapuava: Unicentro, 2016. p. 1-11. Disponível em: https://bit.ly/2mk5P00. Acesso em: 10 jun. 2017.

RAGO, M. Adeus ao feminismo? Feminismo e (pós)modernidade no Brasil. Cadernos AEL, Campinas, n. 3-4, p. 11-43, [1995 ou 1996].

RAMOS, R. H. P. Mulheres jornalistas: a grande invasão. São Paulo: Faculdades Cásper Líbero: Imprensa Oficial, 2010.

RIBEIRO, J. H. Jornalistas: 1937 a 1997 − história da imprensa de São Paulo vista pelos que batalham laudas (terminais) câmeras e microfones. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1998.

ROCHA, P. M. A mulher jornalista no estado de São Paulo: o processo de profissionalização e feminização da carreira. 2004. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) − Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2004.

ROCHA, P. M. O processo de profissionalização do Jornalismo no Brasil e seus embates ao longo do século XX e XXI. In: BONELLI, M. G. (org.). Profissões republicanas: experiências brasileiras no profissionalismo. São Carlos: Edufscar, 2016. p. 33-52.

ROCHA, P. M.; SOUSA, J. P. O mercado de trabalho feminino em jornalismo: análise comparativa entre Portugal e Brasil. Impulso, Piracicaba, v. 21. n. 51, p. 7-18, 2011.

RUBIN, G. The traffic in women. In: REITER, R. (ed.). Towards an anthropology of women. Tradução Edith Piza. New York: Monthly Rewiew Press, 1975. p. 157-210.

SAFFIOTI, H. I. B. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SANTOS, A. S.; ROCHA, P. M. Jornalismo regional e glocal na Amazônia: as características do Diário do Amapá. In: SEMINÁRIO DE INVERNO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO, 20., 2017, Ponta Grossa. Anais […]. Ponta Grossa: UEPG.

SCHEIBE, R.; AUGUSTO, I. R. Por uma conversão do olhar: desbravações epistemológicas no Amapá. Jornal Alcar, Porto Alegre, v. 2, n. 9, p. 1-11, 2013.

SCOTT, J. Gênero, uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação e Realidade. v. 15, n. 2, p. 5-22,1990.

SINDICATO DOS JORNALISTAS DO DISTRITO FEDERAL. Pesquisa desigualdade de gênero no jornalismo. Brasília, DF: SJPDF, 22 set. 2017. Disponível em: https://bit.ly/2klAsS6. Acesso em: 13 jun. 2018.

STREIT, M.; LONGO, I. Machismo em pauta: jornalistas na mira do assédio. Revista Fórum, Santos, 24 jul. 2016. Disponível em: https://bit.ly/2mmPfwF. Acesso em: 14 jun. 2017.

TRAVERSO-YÉPEZ, M. A.; PINHEIRO, V. S. Gender socialization and adolescence. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 147-162, 2005. Disponível em: https://bit.ly/2mfpRZx. Acesso em: 17 jul. 2017.

Publicado
2019-12-06
Como Citar
Rocha, P., & Santos, A. (2019). As assimetrias de gênero no mercado de trabalho em jornalismo. Novos Olhares, 8(2), 30-42. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2019.153971
Seção
ARTIGOS