"Ouça sempre o outro lado"

a pluralidade de fontes na perspectiva dos manuais de redação

  • Júlia Capovilla Luz Ramos Universidade Federal de Santa Maria
  • Elise Azambuja Souza Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Fontes Jornalísticas, Pluralidade, Manuais de Redação

Resumo

No presente trabalho analisamos como os manuais de redação dos jornais brasileiros Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo, Zero Hora e Estado de Minas abordam o acionamento de fontes jornalísticas e a ideia de pluralidade de versões como forma de garantir isenção e objetividade às narrativas jornalísticas. Considerando a noção de serviço público exigida do jornalismo e o dever de dar conta de todas as perspectivas do fato noticiado, o objetivo é compreender como esse tipo de material normativo orienta os profissionais sobre o tema. Observamos que as orientações trazidas pelos manuais não refletem a complexidade da questão, reduzindo a discussão sobre a necessária pluralidade de fontes e versões a casos controversos e à máxima “ouvir o outro lado”, contribuindo para a perpetuação de rituais estratégicos (TUCHMAN, 2016) não necessariamente eficazes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlia Capovilla Luz Ramos, Universidade Federal de Santa Maria

Doutora e mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos). Membro
do Grupo de Pesquisa Estudos de Jornalismo (CNPq/UFSM).

Elise Azambuja Souza, Universidade Federal de Santa Maria

Doutoranda e Mestre pela Universidade Federal de Santa Maria. Membro do grupo de pesquisa Estudos de Jornalismo (CNPq/UFSM)

Referências

AMARAL, L. A objetividade jornalística. Porto Alegre: Sagra-Luzzatto, 1996.

BOMFIM, O. A apuração da notícia. Cadernos de Jornalismo e Comunicação, n. 20, Rio de Janeiro, 1969.

BRONOSKY, M. E. Manuais de redação e jornalistas: estratégias de apropriação. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2010.

BUCCI, E. Sobre ética e imprensa. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

COTTA, P. Jornalismo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Rubio, 2005.

ERBOLATO, M. L. Técnicas de codificação em jornalismo: redação, captação e edição no jornal diário. São Paulo: Ática, 1991.

GONÇALVES, J. F. Quem fala no jornalismo. In: LEAL, B. S.; ANTUNES, E.; VAZ, P. B. (org.) Para entender o jornalismo. Belo Horizonte: Autêntica, 2014. p. 89-102.

JORGE, T. de M. Manual do foca: guia de sobrevivência para jornalistas. São Paulo: Contexto, 2008

MANUAL DA REDAÇÃO. Belo Horizonte: Estado de Minas, [s.d.].

MANUAL DA REDAÇÃO: Folha de S. Paulo. 19. ed. São Paulo: Publifolha, 2013.

MANUAL DE ÉTICA REDACIONAL E ESTILO: organização de Zero Hora. Porto Alegre: L&PM, 1994.

MANUAL DE REDAÇÃO E ESTILO. 24. ed. São Paulo: Globo, 1997.

MANUAL DE REDAÇÃO E ESTILO O ESTADO DE S. PAULO. 2. ed. São Paulo: Maltese, 1992.

PATRÍCIO, P. Tirando o manual do automático: do mapa objetivo ao território transubjetivo nos caminhos do Jornalismo, 2002. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

PINTO, A. E. S. Jornalismo diário: reflexões, recomendações, dicas e exercícios. São Paulo: Publifolha, 2009.

PINTO, M. Fontes jornalísticas: contributos para o mapeamento do campo. Comunicação e Sociedade, v. 14, n. 1-2, Braga, 2000, p. 277-294. Disponível em: http://bit.ly/2YzNf1G. Acesso em: 22 mai. 2018.

ROSSI, C. O que é jornalismo. São Paulo: Brasiliense, 1991.

SCHMITZ, A. A. Fontes de notícias: ações e estratégias das fontes no jornalismo. Florianópolis: Combook, 2011.

SIGAL, L. V. Reporters and officials: the organization and politics of newsmaking. Lexington, MA: D.C. Heath and Co, 1973.

SOLOSKY, J. O jornalista e o profissionalismo: alguns constrangimentos no trabalho jornalísticos. In: TRAQUINA, N. Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Florianópolis: Insular, 2016. p. 133-146.

TRAQUINA, N. Teorias do jornalismo: porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular, 2012.

TRAQUINA, N. As notícias. In: TRAQUINA, Nelson. Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Florianópolis: Insular, 2016. p. 233-246.

TUCHMAN, G. A objetividade como ritual estratégico: uma análise das noções de objetividade dos jornalistas. In: TRAQUINA, N. Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Florianópolis: Insular, 2016. p. 111-132.

WOLF, Mauro. Teorias da Comunicação. Lisboa: Editorial Presença, 2001.

Publicado
2019-07-04
Como Citar
Ramos, J., & Souza, E. (2019). "Ouça sempre o outro lado". Novos Olhares, 8(1), 109-119. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2019.155227
Seção
ARTIGOS