O processo como obra

de Anton Tchekhov a Enrique Diaz e Eduardo Coutinho, caminhos para Moscou

Palavras-chave: Moscou, As Três Irmãs, Work in Progress, Processos de Criação, Estudos Interartes

Resumo

Este artigo propõe uma análise interartes do documentário Moscou (2009), no qual Eduardo Coutinho apresenta o processo de criação de uma montagem da peça As três irmãs, de Anton Tchekhov, com atores do Grupo Galpão dirigidos por Enrique Diaz. O trabalho evoca conexões entre tradição e contemporaneidade ao traçar um percurso desde a escrita da peça – bem como sua primeira montagem – na Rússia do início dos anos 1900 até a cena cultural brasileira da década de 2000. Desta forma, estabelecemos um diálogo entre teóricos do teatro – do drama e da cena –, do cinema e dos processos de criação. Observamos, por fim, que o documentário, ao se contaminar com a manifestação teatral e com a ideia de work in progress, atua como um “caderno de registros” e território de inscrição das poéticas de Tchekhov, de Diaz, de Coutinho e dos atores do Grupo Galpão, circunscritas pela problemática do tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Martins Néia, Universidade de São Paulo

Roteirista, dramaturgo e diretor teatral. Doutorando em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Bacharel em Artes Cênicas pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Pesquisador do Centro de Estudos de Telenovela (CETVN/ECA-USP) e do Observatório Ibero-Americano da Ficção Televisiva (Obitel). Bolsista Capes.

Referências

BARBOSA, T. T. As partituras de Stanislávski para “As três irmãs” de Tchekhov: tradução e análise da composição espacial da encenação. 2012. Dissertação (Mestrado em Literatura e Cultura Russa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

BROOK, P. O ponto de mudança: quarenta anos de experiências teatrais (1946-1987). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1994.

CAVALIERE, A. “A beleza salvará o mundo”: Vladímir Sorókin e os dilemas da cena russa contemporânea. In: SÓROKIN, V. Dostoiévski-trip. Tradução de Arlete Cavaliere. São Paulo: Editora 34, 2014. p. 75-99.

COHEN, R. Work in progress na cena contemporânea: criação, encenação e recepção. São Paulo: Perspectiva, 2004.

ESSLIN, M. O teatro do absurdo. Tradução de Barbara Heliodora. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.

FELDMAN, I.. Moscou: do inacabamento ao filme que não acabou. Revista Cinética, [s. n.], abr. 2009. Disponível em: http://www.revistacinetica.com.br/moscouilana.htm. Acesso em: 5 dez. 2017.

FELDMAN, I. Jogos de cena: ensaios sobre o documentário brasileiro contemporâneo. 2012. Tese (Doutorado em Estudo dos Meios e da Produção Mediática) – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

FERNANDES, S. Teatralidades contemporâneas. São Paulo: Perspectiva, 2010.

GERVAISEAU, H. A. O abrigo do tempo: abordagens cinematográficas da passagem do tempo. São Paulo: Alameda, 2012.

GUINSBURG, J. Stanislávski e o Teatro de Arte de Moscou: do realismo externo ao tchekhovismo. São Paulo: Perspectiva, 2001.

GUZIK, A. A Cia. dos Atores. Rio de Janeiro, 7 jun. 1998. (Programa do espetáculo Cobaias de Satã).

HERRERIAS, P. A poética dramática de Tchekhov: um olhar sobre os problemas de comunicação. 2010. Dissertação (Mestrado em Literatura e Cultura Russa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

JAMESON, F. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. São Paulo: Ática, 2004.

LYOTARD, J.-F. A condição pós-moderna. Rio de Janeiro: José Olympio, 2000.

MOSCOU. Direção de Eduardo Coutinho. Direção teatral de Enrique Diaz. Participação do Grupo Galpão. São Paulo: VideoFilmes, 2009. 1 DVD (78 min.).

NASCIMENTO, R. A. Tchekhov no Brasil: a construção de uma atualidade. 2013. Dissertação (Mestrado em Literatura e Cultura Russa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

PICON-VALLIN, B. O jardim das cerejeiras, encenação de Peter Brook. In: PICON-VALLIN, B.. A cena em ensaios. São Paulo: Perspectiva, 2008. p. 113-140.

RAMOS, L. F.; FERNANDES, S. Diálogo da Gaivota. Revista Sala Preta, São Paulo, v. 7, p. 225-228, 2007.

SALLES, C. A. Gesto inacabado: processo de criação artística. São Paulo: Annablume, 2004.

STANISLÁVSKI, K. Minha vida na arte. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1989.

SZONDI, P. Teoria do drama moderno (1880-1950). São Paulo: Cosac Naify, 2011.

TCHEKHOV, A. As três irmãs: drama em 4 atos. Tradução de Klara Gouriánova. São Paulo: Peixoto Neto, 2004.

TOLMATCHOV, V. O não visual no “drama novo”: Ibsen, Maeterlinck e Tchekhov. In: CAVALIERE, A.; VÁSSINA, E. (org.). Teatro russo: literatura e espetáculo. São Paulo: Ateliê Editorial, 2011. p. 233-248.

WILLIAMS, R. Drama em cena. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

Publicado
2019-12-06
Como Citar
Néia, L. (2019). O processo como obra. Novos Olhares: Revista De Estudos Sobre Práticas De Recepção a Produtos Midiáticos, 8(2), 88-97. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2019.157802
Seção
ARTIGOS