O discurso da felicidade no contexto das organizações

considerações introdutórias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2019.160861

Palavras-chave:

Felicidade, Estratégias, Organizações

Resumo

À luz do “pensamento complexo”, este artigo objetiva refletir, mesmo que provisoriamente, sobre a perspectiva de felicidade na contemporaneidade, bem como identificar a presença (ou não) de elementos que remetam ao discurso da felicidade, enquanto “estratégias sensíveis”, nos portais e nas fanpages das cinco organizações eleitas no Brasil como as melhores empresas para se trabalhar segundo o Great Place to Work.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Buksztejn Gomes, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutoranda e mestre no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social – PPGCOM/PUCRS. Membro do Grupo de Pesquisa em Estudos Avançados em Comunicação Organizacional – Geacor/CNPq. Bacharel em Comunicação Social – Relações Públicas (PUCRS).

Referências

ANDRADE, M. F. M. O poder económico da felicidade organizacional. 2013. Dissertação (Mestrado em Gestão) ¬– Universidade Portucalense, Porto. Disponível em: https://bit.ly/2oyiFZI. Acesso em: 20 set. 2017.

BAUMAN, Z. A arte da vida. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BIRMAN, J. Muitas felicidades?! O imperativo de ser feliz na contemporaneidade. In: FREIRE FILHO, J. (org.). Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro: FGV, 2010. p. 27-47.

CASTRO, G. G. S. Entretenimento, subjetividade e consumo nas redes digitais: mobilização afetiva como estratégia de negócios. In: BARBOSA, M.; MORAIS, O. J. de. Comunicação em tempos de redes sociais: afetos, emoções, subjetividades. São Paulo: Intercom, 2013. p. 177-195.

DAMÁSIO, A. A estranha ordem das coisas: a vida, os sentimentos e as culturas humanas. Lisboa: Temas e Debates, 2017.

FREIRE FILHO, J. A felicidade na era de sua reprodutibilidade científica: construindo “pessoas cronicamente felizes”. In: FREIRE FILHO, J. (org.). Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro: FGV, 2010a. p. 49-82.

FREIRE FILHO, J. Fazendo pessoas felizes: o poder moral dos relatos midiáticos. In: ENCONTRO DA COMPÓS, 19., 2010b, Rio de Janeiro. Anais […]. Belo Horizonte: Compós, 2010. Disponível em: https://bit.ly/2plrO8h. Acesso em: 8 mar. 2018.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GOUVEIA, T. M. A.; TAVARES, F. O imperativo das emoções positivas na comunicação das empresas na internet. Esferas, Brasília, n. 5, 2014, p. 115-125. Disponível em: https://bit.ly/2n0V7wj. Acesso em: 25 set. 2018.

HAN, B.-C. Psicopolítica: neoliberalismo e novas técnicas de poder. Lisboa: Relógio D’Água, 2015.

HAN, B.-C. Psicopolítica: neoliberalismo e novas técnicas de poder. Tradução: Maurício Liesen. Belo Horizonte: Áyinè, 2018.

HELLIWELL, J. F.; LAYARD, R.; SACHS, J. D. World Happiness Report 2018. Nova York: United Nations, 2018.

ILLOUZ, E. La ética comunicativa como espíritu de la empresa. In: ILLOUZ, E. Intimidades congeladas: las emociones en el capitalismo. Madrid: Katz, 2007. p. 47-62.

LIMA, F.; OLIVEIRA, I. L., O discurso e a construção do sentido no contexto organizacional midiatizado. In: MARCHIORI, M. (org.). Contexto organizacional midiatizado. São Caetano do Sul: Difusão; Rio de Janeiro: Editora Senac-RJ, 2014. (Coleção faces da cultura e da comunicação organizacional, v. 8).

MATURANA, H. R. O mistério da consciência: do corpo e das emoções ao conhecimento. Tradução: Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

MATURANA, H. R.; VARELA, F. J. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. Tradução: Humberto Mariotti e Lia Diskin. São Paulo: Palas Athena, 2001.

MORIN, E. Amor, poesia, sabedoria. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2008.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 3. ed. Lisboa: Instituto Piaget, 2011.

MORIN, E. O Método 1: a natureza da natureza. 3. ed. Porto Alegre: Sulina, 2013.

MORIN, E. O Método 3: o conhecimento do conhecimento. 5. ed. Porto Alegre: Sulina, 2015.

SCHNEIDER, E. Dia Internacional da Felicidade é celebrado neste 20 de março. ONU News Genebra, 20 mar. 2018. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2018/03/1615052. Acesso em: 5 mar. 2019.

SCROFERNEKER, C. M. A. et al. As organizações brasileiras e a (re)significação das ouvidorias virtuais: as interações no Facebook. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 40., 2017, Curitiba. Anais […]. São Paulo: Intercom, 2017. Disponível em: https://bit.ly/2VwbNso. Acesso em: 5 mar. 2019.

SODRÉ, M. As estratégias sensíveis: afeto, mídia e política. Petrópolis: Vozes, 2006.

Downloads

Publicado

2019-12-06

Como Citar

Gomes, L. B. (2019). O discurso da felicidade no contexto das organizações: considerações introdutórias. Novos Olhares, 8(2), 121-129. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2019.160861

Edição

Seção

ARTIGOS