Seriam as fake news mais eficazes para campanhas de direita?

– uma hipótese a partir das eleições de 2018 no Brasil

  • Eugenio Bucci Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Campanha Eleitoral Brasileira (2018), Pós-verdade, Redes Sociais, Verdade Factual, Fake News

Resumo

A campanha presidencial brasileira de 2018 mostrou forte desgaste de imagem da política tradicional (partidos e políticos). Trouxe evidências – que já tinham sido observadas nos Estados Unidos – de que os seguidores da extrema-direita seriam mais propensos a propagar notícias fraudulentas nas redes sociais. O presente artigo revisita várias pesquisas sobre as eleições de 2018 no Brasil e as de 2016 nos Estados Unidos e anota que, ao menos pelos dados disponíveis, o populismo de viés conservador (de direita) dá sinais de ser mais eficaz no uso das fake news, tirando mais vantagens da ruptura entre o debate político e aquilo a que Hannah Arendt deu o nome de “verdade factual”. Resta saber, a partir de agora, se novos estudos confirmarão a maior aptidão do conservadorismo político para o uso das notícias fraudulentas e quais consequências sobrevirão para a ordem democrática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eugenio Bucci, Universidade de São Paulo

Professor titular da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Membro do Conselho Científico-Cultural do Instituto de Estudos Avançados da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), do Conselho Administrativo do Colégio Santa Cruz de São Paulo, do Conselho Consultivo da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (Osesp) e do Conselho Editorial da revista Pesquisa Fapesp.

Referências

ARENDT, H. Verdade e Política. Tradução de Manuel Alberto. [São Paulo]: Abdet, 2014. Disponível em: https://bit.ly/2lSKI4A. Acesso em: 20 maio 2017.

BULLA, B. Estudo associa polarização a “notícias distorcidas”. O Estado de S.Paulo, São Paulo, 5 out. 2018, 05:00. Disponível em: https://bit.ly/2BZqE6X. Acesso em: 6 jun. 2019.

COMPROVA: É falso vídeo de multidão em ato “pela saúde” de Bolsonaro. Band, São Paulo, 20 set. 2018, 14:17. Disponível em: https://bit.ly/2kyybmX. Acesso em: 7 jun. 2018.

DATAFOLHA: 6 em cada 10 eleitores de Bolsonaro se informam pelo WhatsApp. Veja, São Paulo, 3 out. 2018, 09:16. Disponível em: https://bit.ly/2lL55Rw. Acesso em: 6 jun. 2019.

DIAS, M. Uso de Whatsapp para divulgar fake news “talvez não tenha precedentes”, diz chefe de missão da OEA. Folha de S.Paulo, São Paulo, 25 out. 2018, 12:44. Disponível em: https://bit.ly/2Sb9lob. Acesso em: 6 jun. 2019.

DZIKES, P. Study: On Twitter, false news travels faster than true stories. MIT News, Cambridge, mar. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2toeBNS. Acesso em: 6 jun. 2019.

GRAGNANI, J. Bolsonaro presidente: processos no STF serão suspensos após a posse. BBC News, Londres, 30 out. 2018. Disponível em: https://bbc.in/2kiXtoW. Acesso em: 28 jun. 2019.

GUESS, A.; LYONS, B.; MONTGOMERY, J.M.; NYHAN, B.; REIFLER, J. 2018. Fake news, Facebook ads, and misperceptions: Assessing information quality in the 2018 U.S. midterm election campaign. Hanover: Dartmouth College, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2mfEZ9z. Acesso em: 6 jun. 2019.

JUNK news dominating coverage of US midterms on social media, new research finds. Oxford Internet Institute, Oxford, 1 nov. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2DpzRGX. Acesso em: 6 jun. 2019.

KAISER, A. J. Woman who Bolsonaro insulted: “Our president-elect encourages rape”. The Guardian, São Paulo, 23 dez. 2018, 08:00. Disponível em: https://bit.ly/2lJGM6l. Accesso em: 6 jun. 2019.

MACEDO, I. Das 123 fake news encontradas por agências de checagem, 104 beneficiaram Bolsonaro. Congresso em foco, Brasília, DF, 26 out. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2kx80wZ. Acesso em: 6 jun. 2019.

MARINI, L. Em 27 anos de Câmara, Bolsonaro prioriza militares e ignora saúde e educação. Congresso em foco, Brasília, DF, 7 ago. 2018, 08:00. Disponível em: https://bit.ly/2xkNGC5. Acesso em: 6 jun. 2019.

MELLO, P. C. Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp. Folha de S.Paulo, São Paulo, 18 out. 2018, 20:00. Disponível em: https://bit.ly/2NKhptj. Acesso em: 6 jun. 2019.

MEYER, R. The grim conclusions of the largest-ever study of fake news. The Atlantic, Boston, 8 mar. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2ukl0a4. Acesso em: 6 jun. 2019.

NOTÍCIAS falsas sobre a “lava jato” repercutem mais que verdadeiras. Conjur, São Paulo, 22 nov. 2016, 18:12. Disponível em: https://bit.ly/2kuzZgJ. Acesso em: 28 jun. 2019.

POMPEU, A. Bolsonaro, o mito de pés de barro. Congresso em foco, Brasília, DF, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2OoCLkD. Acesso em: 6 jun. 2019.

PREITE SOBRINHO, W. PSL elege mais de 50 deputados e 4 senadores. UOL, São Paulo, 8 out. 2018, 03:24. Disponível em: https://bit.ly/2SRwhtu. Acesso em: 7 jun. 2019.

SALTO no escuro. O Estado de S.Paulo, São Paulo, 29 out. 2018, 00:00. Disponível em: https://bit.ly/2ACq7H3. Acesso em: 6 jun. 2019.

SATURNINO, L. Conheça os manipuladores macedônios por trás das “fake news”. Mundobit, Recife, 13 jul. 2018, 09:03. Disponível em: https://bit.ly/2kuAMhH. Acesso em: 28 jun. 2019.

SCHRADIE, J. The revolution that wasn’t: how digital activism favors conservatives. Cambridge: Harvard University Press, 2019.

SCHULTZ, A. VELASCO, C. É #FAKE que Haddad disse que criança vira propriedade do Estado aos 5 anos e pode ter seu gênero escolhido. G1, [s. l.], 2 out. 2018, 15:52. Disponível em: https://glo.bo/2C03U6x. Acesso em: 7 jun. 2019.

THE CAMBRIDGE Analytica Files. The Guardian, Londres, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2FUXZz7. Acesso em: 6 jun. 2019.

Publicado
2019-12-06
Como Citar
Bucci, E. (2019). Seriam as fake news mais eficazes para campanhas de direita?. Novos Olhares: Revista De Estudos Sobre Práticas De Recepção a Produtos Midiáticos, 8(2), 21-29. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2019.162062
Seção
ARTIGOS