Identidades e subjetividades

Legitimidade social e visibilidade pública em coletivos de comunicação de mulheres

Palavras-chave: Cultura audiovisual, Comunicação, Jornalismo periférico, Coletivos juvenis, Mulheres ativistas

Resumo

O artigo tem como objetivo refletir sobre as formas de comunicação presentes nas mídias digitais, especialmente em narrativas audiovisuais e jornalísticas. Por meio da análise de visualidades e visibilidades juvenis, o estudo busca problematizar estigmas, estereótipo e preconceitos em relação às juventudes. Além disso, observa os modos como os jovens se tornam produtores de representações divergentes, interferindo no imaginário social a eles relacionado e instaurando novas subjetividades e práticas de resistência. Para isso, serão observadas produções de coletivos de comunicação audiovisual ou jornalística formados por mulheres ativistas na cidade de São Paulo e voltados para as periferias ou nelas situados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana de Lima Soares, Universidade de São Paulo

Doutora em Comunicação e professora livre-docente na Escola de Comunicações e Artes da USP, foi pesquisadora visitante no King’s College Brazil Institute (Londres, 2014, Fapesp). É uma das coordenadoras do MidiAto – Grupo de Estudos de Linguagem: Práticas Midiáticas e autora, entre outros, de Sutileza e grosseria da exclusão nas mídias (Alameda/Fapesp, 2019). Bolsista de produtividade em pesquisa (CNPq).

Referências

BLOGUEIRAS NEGRAS. A equipe. São Paulo, [S. l.], [20-?]. Disponível em: http://bit.ly/2NYIKLH. Acesso em: 3 nov. 2019.

BORELLI, S. H. S. et al. Jovens urbanos: políticas públicas, ações culturais, políticas e comunicacionais em São Paulo. Relatório de pesquisa. São Paulo: PUC, 2018.

CAPITOLINA. Sobre a Capitolina. São Paulo, 2015. Disponível em: http://bit.ly/2O47Fwd. Acesso em 3 nov. 2019.

CAPITOLINA. Carta das editoras #48: orgulho. São Paulo, 2019. Disponível em: http://bit.ly/2O3UAmQ. Acesso em 3 nov. 2019.

COLETIVO VERMELHA. Quem somos. [S. l.], [20-?]. Disponível em: https://bit.ly/36OteJX. Acesso em: 3 nov. 2019.

EMPODERADAS. Sobre. [S. l.], 2015. Disponível em: https://bit.ly/2Q3XBWO. Acesso em: 3 nov. 2019.

FALA GUERREIRA. Sobre o Fala Guerreira: mulheres e mídias na Quebrada. São Paulo, 2016. Disponível em: https://bit.ly/32yXWmR. Acesso em: 3 nov. 2019.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília, DF: UnB, 2001.

GOFFMAN, I. Estigma. 2. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1978.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

MAZZARA, B. M. Estereotipos y prejuicios. Madri: Acento Editorial, 1999.

NÓS, MULHERES DA PERIFERIA. Missão. São Paulo, 2014. Facebook: nosmulheresdaperiferia/. Disponível em: https://bit.ly/34ScY8R. Acesso em: 3 nov. 2019.

NÓS, MULHERES DA PERIFERIA. “Ah, você não tem cara de quem se relaciona com mulheres”. São Paulo, 2019a. Disponível em: http://bit.ly/34ZBfdj. Acesso em: 4 nov. 2019.

NÓS, MULHERES DA PERIFERIA. Há meses não sei o que é andar de mãos dadas com a minha esposa. São Paulo, 2019b. Disponível em: http://bit.ly/36RBGbc. Acesso em: 4 nov. 2019.

NÓS, MULHERES DA PERIFERIA. Keyty Medeiros: “O armário é solitário e doloroso”. São Paulo, 2019c. Disponível em: http://bit.ly/2Q886bE. Acesso em: 4 nov. 2019.

NÓS, MULHERES DA PERIFERIA. Nunca tivemos tantas referências políticas, sociais e artísticas de LGBT’s+. São Paulo, 2019d. Disponível em: http://bit.ly/2KcuzAj. Acesso em: 4 nov. 2019.

NÓS, MULHERES DA PERIFERIA. Ser LBGT+ na periferia: o medo do pecado falava mais alto do que o prazer. São Paulo, 2019e. Disponível em: http://bit.ly/2X8erFh. Acesso em: 4 nov. 2019.

NÓS, MULHERES DA PERIFERIA. Visibilidade para pessoas trans e não-binárias: reafirmar que a gente existe. São Paulo, 2019f. Disponível em: http://bit.ly/2O56kVV. Acesso em: 14 nov. 2019.

NOSSA HISTÓRIA INVISÍVEL. Sobre. São Paulo, 2017. Disponível em: https://bit.ly/2CIhcDP. Acesso em: 3 nov. 2019.

NUNES, C. Quem somos. Blogueiras Negras, [S. l.], [20-?]. Disponível em: https://bit.ly/2Q42K17. Acesso em: 3 nov. 2019.

OLIVEIRA, D. R. et al. Sustantivo femenino: periferias, luchas, memórias. In: BOTERO GÓMEZ, P.; ITATÍ PALERMO, A.; ALVES DE OLIVEIRA, R (org.). Geraciones en movimientos y movimientos generacionales: colectivos, movimientos y comunidades en resistencias. Manizales: Biblioteca Clacso, 2019. Disponível em: https://bit.ly/2KcgnHB. Acesso em: 3 nov. 2019.

RODOWICK, D. N. Audiovisual culture and interdisciplinary knowledge. Digital essay. Program in Film Studies. Rochester: University of Rochester, 1994. Disponível em: https://at.virginia.edu/2Qvp1ow. Acesso em: 15 nov. 2019.

SILVA, G.; SOARES, R. L. Para pensar a crítica de mídias. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 20, n. 3, p. 820-839, 2013.

SILVA, G.; SOARES, R. L. Possibilidades políticas da crítica em perspectiva teórica. Revista Rumores, v. 14, n. 26, 2019. No prelo.

SOARES, R. L. Culturas juvenis e estigmas sociais: entre reconhecimento e resistência. In: COELHO, C. N. P.; SOARES, R. L. (org.). Produtos midiáticos, práticas culturais e resistências. São Paulo: Cásper Líbero, 2019a.

SOARES, R. L. Sutileza e grosseria da exclusão nas mídias. São Paulo: Alameda, 2019b.

VICENTE, E.; SOARES, R. L. São Paulo na canção: notas para uma geografia musical da metrópole. In: ROZESTRATEN, A.; BECCARI, M.; ALMEIDA, R. (org.). Imaginários intempestivos: arquitetura, design, arte & educação. São Paulo: FEUSP, 2019.

Publicado
2019-12-06
Como Citar
Soares, R. (2019). Identidades e subjetividades. Novos Olhares, 8(2), 7-20. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2019.163906
Seção
ARTIGOS