Alegorias do Arbítrio

o Pedestre (1966) em diálogo com Manhã Cinzenta (1969)

Autores

  • Andre Gustavo de Paula Eduardo Universidade Anhembi Morumbi
  • Felipe Abramovictz Universidade Anhembi Morumbi

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2020.164122

Palavras-chave:

Ditadura militar, Cinema brasileiro, O Pedestre, Manhã Cinzenta, Alegorias

Resumo

Este artigo tem como objeto de estudo o curta-metragem O Pedestre (1966), de Otoniel Santos Pereira, trazendo à luz sua situação e importância dentro do cinema brasileiro, e sua relevância especial enquanto um dos filmes que atuam como reação ao Golpe Civil-Militar de 1964. É fundamental destacar seu papel enquanto alegoria, recurso bastante presente no cinema brasileiro em tempos autoritários. Também se pretende colocá-lo, por assim dizer, em diálogo (e comparação) com Manhã Cinzenta (1969), de Olney São Paulo – este, por sua vez, filme-síntese do contexto do Ato Institucional nº 5. Os dois curtas atuariam como um conjunto de alegorias do arbítrio, trazendo elementos essenciais em comum, entre os quais a ambiência da distopia e emblemas da ficção científica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andre Gustavo de Paula Eduardo, Universidade Anhembi Morumbi

Pesquisador de cinema brasileiro e Dou­torando pelo Programa de Pós-gradua­ção em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi – UAM/SP. Mestre em Comunicação pela Unesp-SP e gradu­ado em Jornalismo pela mesma institui­ção.

Felipe Abramovictz, Universidade Anhembi Morumbi

Pesquisador de cinema brasileiro e Mes­tre pelo Programa de Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi – UAM/SP. Bacharel em Comunicação e Multimeios pela PUC-SP.

Referências

ARNS, P. E. Brasil: nunca mais. Petrópolis: Vozes, 1986.
CABRAL; R.; LAPA, R. (org). Desaparecidos políticos: prisões, sequestros, assassinatos. Rio de Janeiro: Edições Opção: Comitê Brasileiro pela Anistia, 1979.
FERREIRA, J. Cinema de invenção. São Paulo: Limiar, 2000.
FERREIRA, J. Jairo Ferreira e convidados especiais: críticas de invenção - os anos do São Paulo Shimbun. Organização Alessandro Gamo. Coleção Aplauso Cinema Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: Cultura – Fundação Padre Anchieta, 2006.
HANSEN, J. A. Alegoria: construção e interpretação da metáfora. São Paulo: Atual, 1986.
JOSÉ, Â. Cinema marginal, a estética do grotesco e a globalização da miséria. ALCEU, vol. 8, n. 15, pp. 155 a 163, jul-dez/2007. Disponível em: http://revistaalceu-acervo.com.puc-rio.br/media/Alceu_n15_Jose.pdf
KOTHE, F. A alegoria. São Paulo: Ática, 1986.
KUCINSKI, B. Abertura: a história de uma crise. São Paulo: Ed. Brasil Debates, 1982.
MACHADO, I. Relações dialógicas no filme Manhã Cinzenta (1969) de Olney São Paulo. In: ARAÚJO, D.; MORETTIN, E. V.; REIA-BAPTISTA, V. (org.) Ditaduras revisitadas: cartografias, memórias e representações audiovisuais. Faro, CIAC/Universidade do Algarve, 2016, pp. 667-687. Disponível em www3.eca.usp/sites/default/files/form/biblioteca/acervo/producao-academica/002801273.pdf. Acesso em 01 de nov., 2019.
NAGIB, L. O cinema da retomada: depoimentos de 90 cineastas dos anos 90. São Paulo: Editora 34, 2002.
PERDIGÃO, P. O domínio da ficção científica. In: Filme Cultura: edição fac-similar 01-12. Rio de Janeiro: Ministério da Cultura, CTAv, 2010, pp. 595-602
RAMOS, F. Cinema marginal (1968/1973): a representação em seu limite. São Paulo: Brasiliense; Embrafilme/ Ministério da Cultura, 1987.
REIS FILHO, D. A. A revolução faltou ao encontro: os comunistas no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1990.
ROCHA, G. Revolução do Cinema Novo. Rio de Janeiro: Alhambra/Embrafilme, 1981.
SANTOS, M. D. Olney São Paulo: maldição e esplendor em Manhã Cinzenta. 2013, 147f. Dissertação (Mestrado em Literatura e Diversidade Cultural), Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2013. Disponível em: http://tede2.uefs.br:8080/handle/tede/223
SHOTAT, E.; STAM, R. Crítica da imagem eurocêntrica: multiculturalismo e representação. São Paulo: Cosac Naify, 2006.
SILVA NETO, A. L. Super-8 no Brasil: um sonho de cinema. São Bernardo do Campo: Editora do Autor, 2017.
SIMÕES, I. Roteiro da intolerância: a censura cinematográfica no Brasil. São Paulo: Ed. Terceiro Nome/SENAC, 1999.
SUPPIA, A. L. P. O. Limite de Alerta! Ficção Científica em Atmosfera Rarefeita: uma introdução ao estudo da FC no cinema brasileiro e em algumas cinematografias off-Hollywood, 2007, 450p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Artes, Campinas, SP. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/285029
VIANA, A. P. G. Cinema e ditadura militar brasileira: manhã cinzenta e o cinema engajado de Olney são Paulo. Encontro estadual de história (ANPUH), 9, Santo Antônio de Jesus (Bahia), 4-7/set/2018. Anais.... Associação Nacional de História -Seção Bahia, 2018. Disponível em: http://www.encontro2018.bahia.anpuh.org/resources/anais/8/1535594543_ARQUIVO_TrabalhoAnpuh-AnaPaula.pdf
XAVIER, I. Do golpe militar à Abertura: a resposta do cinema de autor. In: BERNARDET, J.; PEREIRA, M.; XAVIER, I. (org.) O desafio do cinema: a política do Estado e a política dos autores. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985, pp. 7-46
XAVIER, I. Alegorias do subdesenvolvimento: cinema novo, tropicalismo, cinema marginal. São Paulo: Brasiliense, 1993.
XAVIER, I. O momento do golpe, as primeiras reações e o percurso do cinema de oposição no período da ditadura. In: ALONSO, A. e DOHLNIKOFF, M. (org.). 1964 – do Golpe à Democracia. São Paulo: Hedra, 2015.
Filmografia
MANHÃ Cinzenta. Dir.: Olney São Paulo. Rio de Janeiro: B&P, 1969, 22 min.
PEDESTRE, O. Dir.: Otoniel Santos Pereira. São Paulo: B&P, 1966, 15 min.

Downloads

Publicado

2020-07-13

Como Citar

Eduardo, A. G. de P., & Abramovictz, F. (2020). Alegorias do Arbítrio: o Pedestre (1966) em diálogo com Manhã Cinzenta (1969). Novos Olhares, 9(1), 230-244. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2020.164122

Edição

Seção

ARTIGOS