Os romances de Sérgio Sant'Anna e de Osman Lins: respostas ficcionais à "morte do autor", de Barthes e Foucault?

  • Enéias Farias Tavares Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: crítica literária, morte do autor, Sergio Sant’Anna, Osman Lins

Resumo

O ápice das discussões que colocaram em xeque a importância autoral na obra literária ocorreu na década de 1960, quando as reflexões de Roland Barthes e de Michel Foucault, em textos como A morte do autor e O que é o autor?, resultaram numa reavaliação crítica da figura autoral bem como promoveram uma maior valorização do texto literário e da interpretação do leitor. O objetivo deste artigo é contrastar as idéias dos dois pensadores sobre a problemática do autor com os romances brasileiros Confissões de Ralfo, de Sergio Sant’Anna, e A rainha dos cárceres da Grécia, de Osman Lins, textos nos quais a oposição à morte do autor se apresenta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Enéias Farias Tavares, Universidade Federal de Santa Maria

Mestre em Letras pela Universidade Federal de Santa Maria. Atualmente é doutorando pela mesma instituição.

Publicado
2010-12-17
Como Citar
Tavares, E. (2010). Os romances de Sérgio Sant’Anna e de Osman Lins: respostas ficcionais à "morte do autor", de Barthes e Foucault?. Opiniães, 1(1), 53-67. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2010.108641
Edição
Seção
Artigos