O absurdo impertinente: intersecções filosóficas e fantásticas na obra de José J. Veiga

Palavras-chave: Literatura fantástica, Absurdo, Literatura brasileira

Resumo

Esse artigo visa apresentar duas concepções que apresentam possíveis encontros na análise da narrativa do escritor brasileiro José J. Veiga. Primeiramente, demonstraremos como se desenvolve uma das teorias de análise contemporâneas do fantástico na literatura sob a perspectiva do professor David Roas (2011, 2014). A seguir, através do estudo da obra do filósofo e escritor argelino Albert Camus, em especial seu livro O mito de Sísifo (2019), iremos apontar em linhas gerais as características mais discutidas da chamada filosofia do absurdo defendida pelo escritor. A partir dessas comparações iremos apontar as semelhanças entre os estudos filosóficos de Camus e a teoria da literatura fantástica desenvolvida por Roas e apontar como ambas apresentam pontos de intersecção na literatura do autor brasileiro José J. Veiga, em especial em dois de seus contos “O galo impertinente” e “ Onde andam os didangos?”, ambos do livro A estranha máquina extraviada (2010), conduzindo a uma leitura fantástica-absurda da obra do autor em conexão com uma possível ontologia de mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Vinicius Costa Corrêa, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Graduado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

Referências

CAMPRA, R. Lo fantástico: una isotopía de la transgresion. In: David Roas (ed.), Teorías de lo fantástico, Madrid, Editora Arco/Libros, 2001, p. 265-282.

CAMUS, A. O Mito de Sísifo: ensaio sobre o absurdo. Trad. de Ari Roitman. Rio de Janeiro: Record, 2019.

CAMUS, A. Summer in Algiers. Chicago: Penguin Books, 2005.

CARROL, N. Filosofía del terror o paradojas del corázon. Madrid: Antonio Machado Libros, 2005.

CASTELLO, J. José J Veiga trabalha nos limites da fantasia (Entrevista). O Estado de S. Paulo, 4 out.1997.

COSTA E SILVA, A. Livros de José J. Veiga ganham reedição. Folha de S. Paulo, 31 jan. 2015.

FRANÇA, J. Monstros reais, monstros insólitos: aspectos da Literatura do Medo no Brasil. In: GARCÍA, F.; BATALHA, M. C. Vertentes teóricas e ficcionais do Insólito. Rio de Janeiro: Editora Caetés, 2012.

MATOS, T. dos S.; MACHADO, P. de O. Albert Camus: em defesa da liberdade. CTS IFG Luziânia, v. 1, n. 1. Luziânia, p. 01–07, 2015.

PINHEIRO, Nevinha. José J. Veiga: Realidade ou fantasia? Uma homenagem aos seus 70 anos. Suplemento Literário Minas Gerais, Belo Horizonte, 1 jun. 1985. p.1.

PIRES, M. da S. A pertinácia de Sísifo: e tudo começa de novo. O Marrare - Revista de Pós-graduação em Língua Portuguesa n. 10. Rio de Janeiro, 2009.

ROAS, D. A ameaça do fantástico: aproximações teóricas. Trad. de Julián Fuks. São Paulo: Ed. Unesp, 2014.

ROAS, D. Tras los límites de lo real: Una definición de lo fantástico. Madrid: Ed. Páginas de Espuma, 2011.

TODOROV, T. Introdução à Literatura Fantástica. Trad. de Maria Clara Correa Castello. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

VEIGA, J. J. A estranha máquina extraviada. 10. edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

VEIGA, J. J. Os cavalinhos de Platiplanto. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.
Publicado
2020-07-31
Como Citar
Corrêa, R. V. C. (2020). O absurdo impertinente: intersecções filosóficas e fantásticas na obra de José J. Veiga. Opiniães, (16), 254-277. https://doi.org/10.11606/issn.2525-8133.opiniaes.2020.165844