Da preservação à restauração: políticas e métodos aplicados aos jardins históricos

  • Marianna Gomes Pimentel Cardoso Curso de Arquitetura e Urbanismo. Universidade Federal do Tocantins. Palmas, TO.
Palavras-chave: Patrimônio cultural. Jardins. Patrimônio paisagístico. Restauração.

Resumo

O presente artigo aborda a questão do tratamento dos jardins históricos no âmbito patrimonial internacional e nacional tanto nas políticas patrimoniais quanto nas metodologias de restauração/intervenção nos mesmos. Objetivando expor um panorama de como o jardim foi abordado no domínio do patrimônio e apontar questionamentos atualizados, em um primeiro momento centra-se nas políticas patrimoniais, versando sobre as transformações do conceito de jardim histórico, inicialmente vinculado à noção de monumento e hoje convergindo para o conceito de paisagem cultural. Discute-se também a classificação do jardim pelo Instituto Nacional do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) tanto tombamento quanto nos instrumentos de proteção. Finalmente analisam-se os métodos de restauro dos jardins ressaltando suas especificidades por meio de estudo comparativo de duas metodologias específicas: uma internacional, publicada pelo Comitê Internacional dos Jardins Históricos (ICOMOS-IFLA), de Carmen Añón (1989), e outra nacional, de Carlos Delphim (2005), adotada pelo Iphan.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marianna Gomes Pimentel Cardoso, Curso de Arquitetura e Urbanismo. Universidade Federal do Tocantins. Palmas, TO.

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília (UnB). Mestre em Teoria e História pelo Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da UnB (PPG-FAU). Professora assistente do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Tocantins (UFT). Doutoranda na École doctorale Sciences humaines et sociales, Perspectives européennes (ED SHS-PE) na Université de Strasbourg (França).

Referências

AÑÓN, Carmen. El jardín histórico: notas para una metodología previa al proyecto de recuperación, 1989, p. 312-325. In: ICOMOS-UNESCO, Journal scientifique: jardins et sites historiques, Fundación Cultural Banesto. Ed. Doce Calles, 1993. Disponível em: < www.icomos.org/publications/journal_scientifique1/js1_jardins_historiques.pdf >. Acesso em: 11 nov. 2012.

ARAÚJO, Guilherme Maciel. Paisagem cultural: um conceito inovador. In: CASTRIOTA, Leonardo Barci. Paisagem cultural e sustentabilidade. Belo Horizonte: UFMG: IEDS, 2009. 1 DVD (Arquitetura & Cidade).

BERJMAN, Sonia. Quieren preservar los jardines históricos como patrimonio cultural. Clarín.com. 2001. Disponível em: < http://edant.clarin.com/diario/2001/10/19/s-05201.htm >. Acesso em: 20 out. 2010.

BERJMAN, Sonia. De los jardines históricos a los paisajes culturales: la labor de ICOMOS através del tempo. In: SIMPÓSIO ARQUEOLOGIA NA PAISAGEM: UM OLHAR SOBRE OS JARDINS HISTÓRICOS, 2, 2011, Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Belas Artes, 2011.

BERTRUY, Ramona Pérez. Estudio introductorio a los temas mexicanos. In: CARNEIRO, Rita Sá; BERTRUY, Ramona Pérez (Org.). Jardins históricos brasileiros e mexicanos. Recife: Editora Universitária UFPE, 2009.

BERTRUY, Ramona Pérez (Org.). Jardins históricos brasileiros e mexicanos. Recife: Editora Universitária UFPE, 2009.

BRASIL. Decreto-Lei Nº 25 de 30 de novembro de 1937. Organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional. Diário Oficial da União, 6 dez. 1937, p. 24056.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm >. Acesso em: 10 jul. 2012.

BRASIL. Portaria 217, 2009. Estabelece a Chancela da Paisagem Cultural Brasileira. Diário Oficial da União, nº 83, 5 mai. 2009, Seção 1, p. 17.

CARDOSO, Marianna Gomes Pimentel. O jardim como patrimônio: a obra de Burle Marx em Brasília. 2012. 189 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

CARTA DA SERRA DA BODOQUENA. 2007. Disponível em: < http://portal.iphan.gov.br/portal/baixaFcdAnexo.do?id=1112 >. Acesso em: 10 jul. 2012.

CARTA DE ATENAS. (1931). In: CURY, Isabelle (Org.). Cartas Patrimoniais. Iphan. Rio de Janeiro: Edições do Patrimônio, 2000.

CARTA DE CRACÓVIA. Princípios para a conservação e o restauro do património construído. 2010. Disponível em: < http://www.igespar.pt/media/uploads/cc/cartadecracovia2000.pdf >. Acesso em: 10 jul. 2012.

CARTA DE FLORENÇA. (1981). In: CURY, Isabelle (Org.). Cartas Patrimoniais. Iphan. Rio de Janeiro: Edições do Patrimônio, 2000.

CARTA DE VENEZA. (1964). In: CURY, Isabelle (Org.). Cartas Patrimoniais. Iphan, Rio de Janeiro. Edições do Patrimônio, 2000.

CARTA DOS JARDINS HISTÓRICOS. CARTA DE JUIZ DE FORA. 2010. Disponível em: < http://portal.iphan.gov.br/baixaFcdAnexo.do;jsessionid=3D52CDFD271ACC123EEBD3C8E284FDB1?id=2510 >. Acesso em: 20 fev. 2010.

CASTRIOTA, Leonardo Barci. Paisagem cultural e sustentabilidade. Belo Horizonte: UFMG: IEDS, 2009. 1 DVD (Arquitetura & Cidade).

CASTRIOTA, Leonardo Barci. Patrimônio cultural: conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume, 2010.

CAUQUELIN, Anne. A invenção da paisagem. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

CHOAY, Françoise. As questões do património. Lisboa: Edições 70, 2011.

DELPHIM, Carlos Fernando de Moura. Manual de intervenções em jardins históricos. Brasília: Iphan, 2005.

FARIELLO, Francesco. La arquitectura de los jardines: de la antigüedad al siglo XX. Barcelona: Reverte, 2008.

ICOMOS. Conselho Internacional de Monumentos e Sítios. Jardins et Sites historiques, Journal Scientifique, 1993. Disponível em: < www.icomos.org/publications/journal_scientifique1/js1_jardins_historiques.pdf >. Acesso em: 26 mar. 2011.

ICOMOS. Conselho Internacional de Monumentos e Sítios. Carta de Bagé ou Carta da Paisagem Cultural. 2007. Disponível em: < http://www.icomos.org.br/cartas/Carta_de_Bage_PaisagemCultural >. Acesso em: 20 fev. 2010.

IPHAN. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Lista de Bens Tombados e Processos em Andamento (1938 - 2015). Disponível em: < http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Lista%20Bens%20Tombados%20Dez%202015.pdf >. Acesso em: 12 jan. 2015.

MARCKE, Annie van. Presente en la creación. Disponível em: < http://www.icomos.org/landscapes/Presente%20en%20la%20Creaci%F3n.pdf >. Acesso em: 12 mar. 2012.

MARCONDES, Maria José de A. Modernismo e preservação: jardins históricos e valor documental. In: CARNEIRO, Ana Rita Sá; BERTRUY, Ramona Pérez (Org.). Jardins históricos brasileiros e mexicanos. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2009.

RIBEIRO, Rafael Winter. Paisagem cultural e patrimônio. Brasília: Iphan, 2007.

VIEIRA, Daniel de Souza Leão. Paisagem e imaginário: contribuições teóricas para uma história cultural do olhar. Revista de História e Estudos Culturais, vol. 3, ano 3. Disponível em: < http://www.revistafenix.pro.br/PDF8/DOSSIE-ARTIGO7-Daniel.Souza.Leao.Vieira.pdf >. Acesso em: 20 fev. 2011.

Publicado
2016-12-19
Como Citar
Cardoso, M. (2016). Da preservação à restauração: políticas e métodos aplicados aos jardins históricos. Paisagem E Ambiente, (38), 147-163. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i38p147-163
Seção
Paisagem