Construindo para a (Bio)Diversidade: o planejamento ecológico da paisagem urbana

Palavras-chave: Ecologia de Paisagens. Planejamento ecológico. Paisagem urbana.

Resumo

Este trabalho tem como escopo principal refletir sobre algumas questões presentes no processo de desenvolvimento urbano, principalmente no que se refere aos conflitos entre ações humanas e processos naturais. Essa discussão se mostra pertinente uma vez que entre os diversos conceitos de paisagem existentes dentro dos mais variados campos de conhecimento uma nova perspectiva tem apontado para a necessidade de incorporá-la ao projeto urbano. A cidade do século XXI está diante da necessidade de construção de um novo paradigma e a aplicação dos princípios da ecologia de paisagens no planejamento da ocupação do território pode oferecer um caminho seguro para o enfrentamento dessas questões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADLER, F. R.; TANNER, C. J. Ecossistemas urbanos: princípios ecológicos para o ambiente construído. São Paulo: Oficina de Textos, 2015.

AVALIAÇÃO Ecossistêmica do Milênio / Millenium Ecosystem Assessment (MA), 2005. Disponível em: . Acesso em: 5 jun. 2017.

BONZI, R. S. Emerald Necklace: infraestrutura urbana projetada como paisagem. LABVERDE. São Paulo: FAUUSP, n. 9, dez. 2014, p. 106-127. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i9p106-127

FORMAN, R. T. T. Urban ecology. Cambridge: Cambridge University Press, 2014. (Edição eletrônica: Kindle).

HERZOG, C. P. Cidades para todos: (re)aprendendo a conviver com a natureza. Rio de Janeiro: MauadX; Inverde, 2013.

HOUGH, M. Natureza e cidade. Barcelona: Gustavo Gili S. A., 1998.

JELLICOE, G. A.; JELLICOE, S. The landscape of man. New York: Thames and Hudson Inc., 1995.

LEITE, J. R. A ecologia da paisagem no planejamento ecológico de bacias hidrográficas urbanas. 2008. 156 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

LEITE, J. R. Corredores ecológicos na reserva da biosfera do cinturão verde de São Paulo: possibilidades e conflitos. 2012. 229 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

LOTUFO, J. O. Oikos: reintegrando natureza e civilização. LABVERDE, [S.l.], n. 2, jun 2011, p. 108-127. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i2p108-127

METZGER, J. P. O que é ecologia de paisagem? Biota Neotrópica. Campinas: Biota/Fapesp, vol. 1, n. 1/2, 2001, ISSN 1676-0611, p. 61-69. Disponível em: < http://www.biotaneotropica.org.br/v1n12/pt/fullpaper?bn00701122001+pt >. Acesso em: 5 ago. 2016

NASCIMENTO, N. O. et al. Águas urbanas e urbanismo na passagem do século XIX ao XX: o trabalho de Saturnino de Brito. Revista da Universidade de Minas Gerais, Belo Horizonte: UFMG, v. 20, n. 1, jan./jun. 2013, p.102-133.

PELLEGRINO, P. R. M. Pode-se planejar a paisagem? Paisagem e Ambiente: ensaios São Paulo: FAUUSP, vol. 13, 2000, p. 159-179. (Versão eletrônica disponibilizada pelo autor: < http://www.researchgate.net/publication/292321228_Pode-se_planejar_a_paisagem >. Acesso em: 4 ago. 2016).

ROGERS, Richard. Cidades para um pequeno planeta. Barcelona: Gustavo Gili, 2001.

SPIRN, Anne Whiston. O jardim de granito: a natureza no desenho da cidade. São Paulo: Edusp, 1995.

Publicado
2017-12-15
Como Citar
Freitas, J. (2017). Construindo para a (Bio)Diversidade: o planejamento ecológico da paisagem urbana. Paisagem E Ambiente, (40), 89-103. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i40p89-103
Seção
Fundamentos