Diagnóstico do sistema de gestão dos parques naturais municipais do norte do Rio Grande do Sul

  • Carmem Fátima Casanova Universidade de Passo Fundo, Faculdade de Engenharia e Arquitetura. Passo Fundo, RS.
  • Adalberto Pandolfo Universidade de Passo Fundo, Faculdade de Engenharia e Arquitetura. Passo Fundo, RS.
  • Natalia Hauenstein Eckert Universidade de Cruz Alta, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Cruz Alta, RS.
  • Ritielli Berticelli Universidade de Cruz Alta, Centro de Ciências da Saúde e Agrárias. Cruz Alta, RS.
  • Naira Barbacovi Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai. Faculdade IDEAU, Curso de Administração. Passo Fundo, RS.
  • Marcele Salles Martins Instituto de Desenvolvimento Educacional do Alto Uruguai. Faculdade IDEAU, Curso de Arquitetura e Urbanismo. Passo Fundo, RS.
  • Aline Pimentel Gomes Universidade de Passo Fundo, Faculdade de Engenharia e Arquitetura. Passo Fundo, RS.
Palavras-chave: Preservação. Gestão. Unidades de Conservação. Parques.

Resumo

A grande maioria dos parques brasileiros continua irregular, mesmo depois de anos da criação da primeira Unidade de Conservação. As novas regras e leis vigentes ainda não garantem as melhores formas de gestão dessas áreas, que atualmente se apresentam ineficientes na administração e repassadas à população com qualidade ínfima de uso. O objetivo desta pesquisa se baseou em avaliar o sistema de gestão das Unidades de Conservação do tipo Parques Naturais Municipais no norte do Rio Grande do Sul, visando proporcionar um levantamento do seu atual gerenciamento através de um diagnóstico por meio da avaliação de quatro fatores: ambientais, sociais, econômico-financeiros e institucionais. A metodologia de abordagem utilizou questionários aplicados aos gestores e visitas às áreas. Os pontos positivos e negativos em cada um dos parques foram pontuados como forma de compreensão dos problemas, para que ações futuras possam ocorrer de forma eficiente na preservação das áreas protegidas do norte do estado do Rio Grande do Sul.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Lei Nº 9985 de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm >. Acesso em: 21 set. 2013.

CALANDINO, D. Influência da participação social na conservação da biodiversidade em Unidades de Conservação Brasileiras. 2016. 243 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de

Brasília, Brasília, 2016.

CHAPE, S. et. al. Measuring the extent and effectiveness of protected areas as an indicator for meeting global biodiversity targets. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, v. 360, n. 1.454, 2005, p. 443-455.

ERVIN, J. Protected areas assessments in perspective. BioScience, 53, 2003, p. 819-822.

GALVÃO, J. M. et al. Gestão ambiental: aplicação de biodigestores. In: SIMPÓSIO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, XIII, Bauru, São Paulo. Anais do XIII SIMPEP. Bauru: Unesp, 2006, p. 1-5.

HOCKINGS, M. Systems for assessing the effectiveness of management in protected areas. BioScience, 53, 2003, p. 823-832.

HOCKINGS, M. et al. HOCKINGS, M. et al. Evaluating effectiveness: a framework for assessing management effectiveness of protected areas. 2ª edition. Ed. Peter Valentine. Gland, Switzerland: IUCN, 2006.

ICMBio. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Planos de manejo. Disponível em: < http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/unidades-de-conservacao/planos-de-manejo.html >.

Acesso em: 11 set. 2013.

LEVERINGTON, F. et. al. Protected area management effectiveness assessments in Europe - Supplementary Report. Nature, 2010.

MEDEIROS, R.; IRVING, M; GARAY, I. A proteção da natureza no Brasil: evolução e conflitos de um modelo em construção. RDE – Revista de Desenvolvimento Econômico, nº V, ano VI, nº 9, 2004, p. 83-93.

OLIVEIRA, D. Avaliação de efetividade de gestão de Unidades de Conservação: o mosaico do Apuí –Amazonas/AM. 2012. 117 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília,

Brasília, 2012.

PARRISH, J.; BRAUN, D. R.; UNNASCH, R. S. Are we conserving what we say we are? Measuring ecological integry within protected áreas. BioScience, 2003, 53, p. 851-860.

RAMOS, A. et al. Gestão de Unidades de Conservação: compartilhando uma experiência de capacitação. Realização: WWF-Brasil, Brasília, 2012. 396 p. Disponível em: < http://www.ipe.org.br/livrogestaoUC.pdf >.

Acesso em: 5 set. 2013.

RODRIGUES, A. S. et. al. Effectiveness of the global protected area network in representing species diversity. Nature, v. 428, n. 6.983, 2004, p. 640-643.

SANTOS, H. et al. Sistema informatizado de gestão de Unidades de Conservação – Gesto. Experiências, oportunidades e desafios do Estado do Tocantins para a excelência na conservação de Áreas Protegidas.

Realização: The Nature Conservancy (TNC) e Governo do Estado do Tocantins. Palmas. Tocantins. 2012. Disponível em: < http://www.nature.org/media/brasil/gesto.pdf >. Acesso em: 4 de nov. 2013.

Publicado
2017-10-20
Como Citar
Casanova, C., Pandolfo, A., Eckert, N., Berticelli, R., Barbacovi, N., Martins, M., & Gomes, A. (2017). Diagnóstico do sistema de gestão dos parques naturais municipais do norte do Rio Grande do Sul. Paisagem E Ambiente, (39), 135-161. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i39p135-161
Seção
Ambiente