A institucionalização do ensino de Arquitetura Paisagística no Rio de Janeiro

  • Alda Azevedo Ferreira Universidade Federal do Rio de Janeiro. Programa de Pós-Graduação em Arquitetura
  • Fernando Pedro Carvalho Ono Universidade Federal do Rio de Janeiro. Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes
  • Claudia Carvalho Leme Nóbrega Universidade Federal do Rio de Janeiro. Programa de Pós-Graduação em Arquitetura
Palavras-chave: Arquitetura paisagística. Ensino superior. ENBA. Attílio Corrêa Lima.

Resumo

O ensino de arquitetura paisagística foi instituído pela primeira vez no Rio de Janeiro na década de 1930. Iniciado na Escola Nacional de Belas Artes a partir de reforma promovida por Lucio Costa entre os anos 1930 e 1931 a disciplina foi introduzida junto com a de urbanismo, originando a cátedra ‘Urbanismo e Arquitetura Paisagística’. Este artigo objetivou entender esse processo a partir de informações colhidas em fontes primárias, fundamentado pelos conceitos de campo e habitus, de Pierre Bourdieu. Descobriu-se que o arquiteto e urbanista Attílio Corrêa Lima foi o primeiro professor da disciplina e que o ato da inclusão disciplinar estava inserido na construção de um campo paisagístico na cidade do Rio de Janeiro naquele momento, propagado não só no campo da arquitetura, como articulado às esferas política, econômica, e social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alda Azevedo Ferreira, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Programa de Pós-Graduação em Arquitetura


Referências

ABREU, Maurício de A. Evolução urbana do Rio de Janeiro. 4 ed. Rio de Janeiro: IPP, 2013.

ACKEL, L. G. M. Attílio Côrrea Lima: uma trajetória para a modernidade. 2007. 342 f. Tese (Doutorado em Projeto de Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. Doi: 10.11606/T.16.2007.tde-17092010-164414

ACTA da Sessão da Congregação da Escola Nacional de Bellas Artes, realizada em 22 de Abril de 1931, sob a presidência do Sr. arquiteto Lucio Costa, Diretor. Pag. 194 – 196. Acervo do Museu D. João VI. Disponível em: < http://www.docvirt.com/docreader.net/docreader.aspx?bib=MuseuDJoaoVI&pasta=Encadernados&pesq=

>. Acesso em: 11 out. 2013.

AMARAL, A. A. Artes plásticas na Semana de 22. 5 ed. São Paulo: Editora 34, 1998.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. 11 ed. São Paulo: Papirus, 2011.

BRASIL. Decreto nº 14.343, de 7 de Setembro de 1920. Institui a Universidade do Rio de Janeiro. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Seção 1, Rio de Janeiro, DF, 10 de Setembro de 1920, p. 15115.

BRASIL. Decreto nº 19.850, de 11 de Abril de 1931. Cria o Conselho Nacional de Educação. Diário Official [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, DF, 15 de Abril de 1931, p. 5799.

BRASIL. Decreto nº 19.851, de 11 de Abril de 1931. Dispõe que o ensino superior no Brasil obedecerá, de preferência, ao sistema universitário, podendo ainda ser ministrado em institutos isolados, e que a organização técnica e administrativa das universidades é instituída no presente Decreto, regendo-se os institutos isolados pelos respectivos regulamentos, observados os dispositivos do seguinte Estatuto das Universidades Brasileiras. Diário Official [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, DF, 15 de Abril de 1931, p. 5800.

BRASIL. Decreto nº 19.852, de 11 de Abril de 1931. Dispõe sobre a organização da Universidade do Rio de Janeiro. Diário Official [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, DF, 4 de junho de 1931, p. 9219.

BRASIL. Decreto nº 22.897, de 6 de julho de 1933. Altera disposições do decreto n. 19.852, de 11 de abril de 1931, na parte referente à organização do ensino artístico ministrado pela Escola Nacional de Belas Artes, e dá outras providencias. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, DF, 8 de jul. de 1933. Seção 1, p. 13532.

BRASIL. Decreto nº 22.897, de 12 de Fevereiro de 1935. Programa da cadeira do curso de Architectura. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, DF, 12 de fev. de 1935, p. 3186-3187. Disponível em: <http://www.docvirt.com/docreader.net/docreader.aspx?bib=MuseuDJoaoVI&pasta=&pesq=urbanismo%20architectura%20paisagista>. Acesso em: 1 jul. 2016.

BRASIL. Lei 452, de 5 de julho de 1937. Organiza a Universidade do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, DF, 5 de jul. de 1937, p. 14830.

BRASIL. Decreto-Lei nº 7.918, de 31 de Agosto de 1945. Dispõe sobre a organização da Faculdade Nacional de Arquitetura da Universidade do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo. Rio de Janeiro, DF, Seção 1, 3 de ago. de 1945, p. 14409.

IV CONGRESSO Pan-Americano de Architectos. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 2 jul. 1930, p. 8.

CONGRESSO Regionalista do Nordeste. O Paiz, Rio de Janeiro, 7 fev. 1926, p. 7.

DRUMMOND, J. A.; FRANCO, J. L. de A. Proteção à natureza e identidade nacional no Brasil, anos 1920-1940. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009.

LOS RIOS FILHO, A. M. Instituto Central de Architectos: posse da nova directoria. Revista de Architectura. Rio de Janeiro. Ano I, nº 4, Setembro 1929, p. 22-23.

DRUMMOND, J. A. Regulamento do IV Congresso Pan-Americano de Architectos. Revista de Architectura. Rio de Janeiro. Ano I. nº 4. Setembro 1929, p. 26-27.

MAGNOLI, M. M. Paisagem: pesquisa sobre o desenho do espaço. Paisagem e Ambiente: ensaios. São Paulo: FAUUSP, n. 21, 2006, p. 223-236.

ODUM, E. P. Fundamentos de ecologia. 6 ed. Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

PARTIDO Economista do Brasil. Diario da Noite, Rio de Janeiro, 12 nov. 1932, p. 2.

PÉCAUT, Daniel. Os intelectuais e a política no Brasil: entre o povo e a nação. São Paulo: Ática, 1990.

PEREIRA, S. G. Arte brasileira no século XIX. Belo Horizonte: C/Arte, 2008.

PINHEIRO, M. L. B. Lucio Costa e a Escola Nacional de Belas Artes. In: SEMINÁRIO DOCOMOMO, 6, 2005, Niterói. Anais... Niterói: ArqUrb/UFF, 2005.

ROTHEN, J. C. A universidade brasileira na reforma Francisco Campos de 1931. Revista Brasileira de História da Educação. Maringá: SBHE, UEM, v. 8, nº 2, 2008, p. 140-160.

SAMPAIO, A. J. A flora do Rio de Janeiro, ao tempo da fundação. Correio da Manhã. Rio de Janeiro, 19 jan. 1930, p. 3.

SAMPAIO, A. J. Florística em architectura-paysagista. Correio da Manhã. Rio de Janeiro, 9 mar. 1930, p. 1.

ZANINI, W. Arte contemporânea. In: ZANINI, W. História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 1983, p. 499-820.

Publicado
2017-12-15
Como Citar
Ferreira, A., Ono, F. P., & Nóbrega, C. (2017). A institucionalização do ensino de Arquitetura Paisagística no Rio de Janeiro. Paisagem E Ambiente, (40), 133-148. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i40p133-148
Seção
História