A experiência paulistana em parques lineares

Palavras-chave: Parque Linear, Espaço livre, Espaço público

Resumo

Em 2002, o Plano Diretor Estratégico da cidade de São Paulo instituiu o Programa de Recuperação dos Fundos de Vale com o objetivo de transformar os rios em eixos de estruturação urbana, paisagística e ambiental, por meio de ações de saneamento, recuperação hídrica e implantação dos parques lineares. Os parques lineares foram implantados entre 2008 e 2015, sendo incorporados ao cotidiano da população. Entretanto, diversos deles enfrentam problemas de vandalismo, falta de apropriação, sujeira e abandono, resultado de falhas nos processos de planejamento, projeto, obra e gestão. A análise será concentrada em três parques lineares implantados em zonas distintas de São Paulo: Canivete, Guaratiba e Itaim Paulista, pois tiveram formas de implantação distintas entre si, resultando em diferentes formas de apropriação. Esses parques lineares mostram que a apropriação está relacionada diretamente aos processos de planejamento, projeto e gestão, em que o Estado deve atuar no espaço público de acordo com as peculiaridades locais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wellington Tohoru Nagano, Unversidade São Judas Tadeu, Faculdade de Letras, Artes, Comunicação e Ciências da Educação

Arquiteto (2011), mestrando em arquitetura e urbanismo (FAUUSP), área Paisagem e Ambiente.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2001.

BERGAMASCO, Daniel. Os prefeitos dos parques paulistanos. Revista Veja SP. Disponível em: https://vejasp.abril.com.br/cidades/administracao-parques-paulistanos/. Acesso em 18 set. 2016.

BRASIL. Lei 6.766, de 19 de dezembro de 1979. Dispõe sobre o Parcelamento do Solo Urbano e dá outras Providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 de dezembro de 1979. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6766.htm. Acesso em: 10 ago. 2016.

BRASIL. Lei 7.803, de 18 de julho de 1989. Altera a redação da Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965, e revoga as Leis nºs 6.535, de 15 de junho de 1978, e 7.511, de 7 de julho de 1986. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 20 de julho de 1989. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7803.htm#art4. Acesso em: 17 jul. 2016.

BRASIL. Resolução CONAMA nº 369, de 28 de março de 2006. Dispõe sobre os casos excepcionais, de utilidade pública, interesse social ou baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em Área de Preservação Permanente –APP. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 de março de 2006. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=489. Acesso em: 23 mai. 2016.

DEVECCHI, Alejandra M. IKEDA, Rosélia M. ALEX, Sun. Os parques lineares como estratégia de recuperação ambiental na cidade de São Paulo. São Paulo: Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, 2009.

FRIEDRICH, Daniela. O parque linear como instrumento de planejamento e gestão das áreas de fundo de vale urbanos. 2007. 273p. Dissertation (Master of Architecture and Urbanism) – Faculdade de Arquitetura, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

JACOBS. Jane. Morte e Vida das Grandes Cidades. 3ª Ed. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora, 2011.

LYNCH, Kevin A. A imagem da cidade. 2ª. Ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

PANZINI, Franco. Projetar a natureza: arquitetura da paisagem e dos jardins desde as origens até a época contemporânea. São Paulo: Editora SENAC, 2013.

QUEIROGA, Eugênio F. Dimensões públicas do espaço contemporâneo: resistências e transformações de territórios, paisagens e lugares urbanos brasileiros. 2012. 284p. Thesis (“Livre Docência” in Architecture and Urbanism) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SÃO PAULO (Município). Lei 13.430, de 13 de setembro de 2002. Plano Diretor Estratégico. Diário Oficial do Município de São Paulo. São Paulo, SP, 14 de setembro de 2002. p. 1.

THE EMERALD NECKLACE CONSERVANCY. Emerald Necklace Map. Disponível em: https://www.emeraldnecklace.org/park-overview/emerald-necklace-map/. Acesso em: 18 dez. 2016.

JACOBS. Jane. Morte e Vida das Grandes Cidades. 3ª Ed. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora, 2011.

LYNCH, Kevin A. A imagem da cidade. 2ª. Ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

PANZINI, Franco. Projetar a natureza: arquitetura da paisagem e dos jardins desde as origens até a época contemporânea. São Paulo: Editora SENAC, 2013.

QUEIROGA, Eugênio F. Dimensões públicas do espaço contemporâneo: resistências e transformações de territórios, paisagens e lugares urbanos brasileiros. 2012. 284p. Thesis (“Livre Docência” in Architecture and Urbanism) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SÃO PAULO (Município). Lei 13.430, de 13 de setembro de 2002. Plano Diretor Estratégico. Diário Oficial do Município de São Paulo. São Paulo, SP, 14 de setembro de 2002. p. 1.

THE EMERALD NECKLACE CONSERVANCY. Emerald Necklace Map. Disponível em: https://www.emeraldnecklace.org/park-overview/emerald-necklace-map/. Acesso em: 18 dez. 2016.

Publicado
2018-12-19
Como Citar
Nagano, W., & Gonçalves, F. (2018). A experiência paulistana em parques lineares. Paisagem E Ambiente, (42), 99-115. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i42p99-115
Seção
Espaços Livres