Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Análise da percepção ambiental dos moradores de área de várzea urbana de uma pequena cidade do estuário do Rio Amazonas

Ivan Gomes Oliveira, Sandra Maria Fonseca da Costa

Resumo


O processo de urbanização da Amazônia se intensificou principalmente a partir da década de 1960. Nesse processo de crescimento urbano, áreas ambientalmente frágeis foram ocupadas, entre elas, a várzea, ambiente usualmente encontrado nas cidades amazônicas ribeirinhas. Este artigo visa à análise da percepção dos moradores que vivem em uma área de várzea numa pequena cidade tipicamente amazônica: Ponta de Pedras, no estado do Pará. Os resultados demostraram que mais de 70% dos entrevistados nasceram na região e apresentam forte identidade com o local onde vivem (topofilia). Observou-se também que mais de 78% dos entrevistados descartam esgotos sanitários diretamente nos rios, não considerando tal prática um problema ambiental.


Palavras-chave


Percepção ambiental. Várzea urbana. Pequena cidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ABNT. Associação Brasileira De Normas Técnicas. Resíduos sólidos – classificação – NBR 10004. Rio de Janeiro: ABNT, 2004.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 31 ago. 1981. Seção 1, Página 16509.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei. nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2 ago. 2010. Seção 1, Página 3.

CEMPRE. Compromisso Empresarial para a Reciclagem. Radiografando a coleta seletiva. Disponível em: < http://cempre.org.br/ciclosoft/id/2 >. Acesso em: 20 nov. 2014.

COSTA, S. M. F.; BRONDÍZIO, E. S. Inter-urbandependencyamongAmazoniancities: Urbangrowth, infrastructuredeficiencies, andsocio-demographic networks. Redes, Santa Cruz do Sul: UNISC, v. 14, n. 3, 2009, p. 211-234.

DEL RIO, V. Cidade da mente, cidade real: percepção ambiental e revitalização na área portuária do Rio de Janeiro. In: Percepção ambiental: a experiência brasileira. São Carlos: Studio Nobel: UFSCar, 1999, p. 3-22.

FAGGIONATO, S. Percepção ambiental. Materiais e Textos, n. 4, 2005. Disponível em: < http://educar.sc.usp.br/biologia/textos/m_a_txt4.html >. Acesso em: 20 out. 2015.

FREITAS, V. P. Direito administrativo e meio ambiente. 3. ed. Curitiba: Juruá, 2001.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010 online. Disponível em < http://www.ibge.gov.br >. Acesso em: 15 maio 2014.

LOCKE, J. Ensaio acerca do entendimento humano. Tradução de Anoar Aiex. São Paulo: Cortez, 2001.

MARCZWSKI, M. Avaliação da percepção ambiental em uma população de estudante do Ensino Fundamental de uma escola municipal rural: um estudo de caso. 2006. 188 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) – Instituto de Biociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

MILARÉ, E. Direito ambiental. 9 ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014.

RANGEL, J. de A. O Programa “Minha Casa Minha Vida” e seus desdobramentos no local: um estudo da pequena cidade de Ponta de Pedras, Pará. 2011. 166 f. Dissertação (Mestrado em Planejamento Urbano e Regional) – Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento, Universidade do Vale do Paraíba, São José dos Campos, 2011.

ROSENDAHL, Z.; CORRÊA, R. L. Matrizes da geografia cultural. Rio de Janeiro: Eduerj, 2001.

SAINT-HILAIRE, E. G. Études progressives d'un naturaliste: pendant les années 1834 et 1835. Roret, 1835.

SANTOS, L. D.; MARTINS, I. A. Qualidade de vida urbana: o caso da cidade do porto. Investigação – Trabalhos em Curso. Porto: Universidade do Porto, n. 116, 2002, p. 1-25.

SILVA, J. A. Direito ambiental constitucional. 5 ed. São Paulo: Malheiros, 2004.

STRUMINSKI, E. A Ética no montanhismo. Desenvolvimento e Meio ambiente. Curitiba: UFPR, n. 7, p. 121-130, 2003.

TUAN, Y. F. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Tradução de Lívia de Oliveira. São Paulo: Difel, 1980.

TUAN, Y. F. Espaço e lugar: a perspectivada experiência. Tradução de Lívia de Oliveira. São Paulo: Difel, 1983.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamentos e métodos. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i40p151-167

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

 

Informamos a todos os autores que quando forem registrar sua produção científica referente aos artigos publicados em nossa revista devem colocar o ISSN ELETRÔNICO E O ISSN DO IMPRESSO.

Lembramos que a colocação de somente um dos dois pode resultar em INCONSISTÊNCIA nos procedimentos de avaliação institucional CAPES, etc. resultando na não pontuação desta produção.

Dr. Silvio Soares Macedo

Editor

 

INDEXAÇÃO: 

       

Índice de Arquitetura Brasileira

ISSN 2359-5361 (Online)

ISSN 0104-6098 (Impresso)