A apreensão sensível da natureza em Goethe e Humboldt

Palavras-chave: Johann Wolfgang von Goethe, Alexandre von Humboldt, Natureza, Paisagem, Pintura, Poesia

Resumo

O texto busca interpretar as noções de natureza e paisagem em certas obras de Johann Wolfgang von Goethe e Alexandre von Humboldt. Para ambos, enquanto que a natureza seria a totalidade dos fenômenos naturais, a paisagem seria um fragmento dessa totalidade enquadrada pela experiência do olhar constantemente treinado. Assim, a paisagem, tanto para Goethe como para Humboldt, é formulada pelo desejo de apresenta-la segundo a dimensão estética, isto é, seria necessário sensibilidade e imaginação para perceber a natureza em sua completude. No início do ensaio mostra-se a noção goetheana de natureza e paisagem lançando luz sobre alguns de seus romances e doutrinas científicas, tais como Os sofrimentos do jovem Werther, Novela ou história de uma caçada e Metamorfose das Plantas. Em seguida, apresenta-se o entendimento humboldtiano sobre ambas as categorias assimiladas segundo poesia e ciência. Finalmente, analisa-se algumas afinidades e diferenças conceituais que há entre o poeta e o naturalista prussiano. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Esdras Araujo Arraes, Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Pesquisador de pós-doutorado no departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo.

2017 - Doutorado em Arquitetura e Urbanismo na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

2012 - Mestrado em Arquitetura e Urbanismo na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

2006 - Graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Pernambuco

Referências

ARNALDO, Javier et al. Johann Wolfgang von Goethe: paisajes. Madrid: Círculo de Bellas Artes; Weimar: Klassik Stiftung Weimar, 2008.

ARRAES, Esdras. A paisagem e sua dimensão estética. Revista Princípios. Natal: v. 24, nº 45, set. – dez. 2017, p. 37-57. DOI: http://dx.doi.org/10.21680/1983-2109.2017v24n45ID12634

ARRAES, Esdras. Além de nuvens e montes: a paisagem de Goethe antes da Itália. In: Encontro do GT de Estética, 9, 2018, Instituto Moreira Salles, Rio de Janeiro. A estética alemã e suas aplicações. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: http://www.fil.puc-rio.br/gtestetica/. Acesso em: 25 maio 2018.

BELUZZO, Ana Maria de Moraes. O Brasil dos viajantes. 4 ed. Vol. II. Rio de Janeiro: Fundação Odebrecht, 2000.

BESSE, Jean-Marc. Ver a Terra: seis ensaios sobre a paisagem e a geografia. Tradução Vladimir Bartalini. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BUTTIMER, Anne. Beyond humboldtian Science and Goethe´s way of Science: challenges of Alexander von Humboldt´s Geography. Erdkund. Kleve, v. 55, n. 2, p. 105-120, june 2001.

CAUQUELIN, Anne. A invenção da paisagem. Tradução Marcos Marcionilo. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

CORRESPONDENCES between Schiller and Goethe from 1794 to 1805. Vol. 1. Translated by George H. Calvert. New York and London: Wiley and Putnam, 1845.

ECKERMANN, Johann Peter. Conversações com Goethe nos últimos anos de sua vida: 1823-1832. Tradução Mario Luiz Frungillo. São Paulo: Editora Unesp, 2016.

GALÉ, Pedro Fernandes. Em torno do olhar: a formação do método morfológico de Goethe. 2009. 106 f. Dissertação (mestrado em Filosofia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

GOETHE, Johann Wolfgang von. A metamorfose das plantas [1790]. Tradução de Maria Filomena Molder. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1993.

GOETHE, J. W. Sobre a arquitetura alemã [1772]. In: Escritos sobre a Arte. Tradução de Marco Aurélio Werle. São Paulo: Humanitas; Imprensa Oficial, 2005. p. 39-49.

GOETHE, J. W. Resenha sobre as belas artes de Sulzer [1772]. In: Escritos sobre a Arte. Tradução de Marco Aurélio Werle. São Paulo: Humanitas; Imprensa Oficial, 2005. p. 51-57.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Os sofrimentos do jovem Werther [1774]. Tradução Erlon José Paschoal. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

GOETHE, J. W. O jogo das nuvens. Tradução João Barrento. Lisboa: Assírio & Alvim, 2012.

GOETHE, J. W. Doutrina das cores [1810]. 4 ed. São Paulo: Nova Alexandria, 2013.

GOETHE, Johann Wolfgang von. De minha vida: poesia e verdade. Trad. Maurício de Mendonça Cardozo. São Paulo: Editora Unesp, 2017a.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Viagem à Itália. Tradução Wilma Patrícia Maas. São Paulo: Editora Unesp, 2017b.

GOETHE, Johann Wolfgang. Novela ou a história de uma caçada. Sintra: Colares Editora, s.d.

HACKERT, Jacob Philipp; GOETHE, Johann Wolfgang von. Lettere sulla pintura di paesaggio. A cura di Paolo Chiarini. Roma: Artemide, 2002.

HUMBOLDT, Alexander von. Cosmos, o ensayo de una descripción física del mundo. Traducido por Francisco Dias Quintero. Tomo II. México: Vicente Garcia Torres, 1852.

HUMBOLDT, Alexander von. Cuadros de la naturaleza [1808]. Madrid: Imprenta y Libreria de Gaspar, 1876.

HUMBOLDT, Alexander von. Sítios de las cordilleras y monumentos de los pueblos indígenas de América [1810]. Traducción Bernardo Giner. Madrid: Imprenta y Libreria de Gaspar Editores, 1878.

HUMBOLDT, Alexander von. Essay on the Geography of plants [1807]. The Chicago University Press, 2009.

LUKÁCS, Georg. Goethe y su época. Barcelona: Ediciones Grijalbo, 1968.

MEDINA, Juan Antonio Ortega y. El ensayo politico de Humboldt. In: ZEA, Leopoldo; MAGALLÓN, Mario (comp.). La huella de Humboldt. México: Fondo de Cultura Económica, 2000. p. 99-141.

MATTOS, Cláudia Valadão. A pintura de paisagem entre a arte e a ciência: Goethe, Hackert, Humboldt. Terceira Margem: Revista do Programa de Pós-graduação em Ciência da Literatura. Rio de Janeiro, v. 10, p. 152-169, 2004.

MILANI, Raffaele. Estética y crítica del paisaje. In: NOGUÉ, Joan (ed.). El paisaje en la cultura contemporánea. Madrid: Biblioteca Nueva, 2008. p. 45-66.

MILLER, Gordon L. Introduction. In: GOETHE, Johann Wolfgang. The metamorphosis of plants. Cambridge: MIT Press, 2009. p. 16-32.

MOLDER, Maria Filomena. O pensamento morfológico de Goethe. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1995.

REVISTA do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. Rio de Janeiro: tomo XXV, 1862.

RITTER, Joachim. Paisagem: sobre a função do estético na sociedade moderna. In: SERRÃO, Adriana Veríssimo (coord.). Filosofia da paisagem. Uma antologia. 2 ed. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2013.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Os devaneios de um caminhante solitário. Tradução Julia da Rosa Simões. Porto Alegre: L&PM, 2017.

SILVEIRA, Roberison Wittgenstein Dias da. O Gênio Ródio de Alexander von Humboldt. Sociedade e Natureza. Uberlância, v. 27, n. 1, p. 7-20, jan./abr., 2015.

VITTE, Antonio Carlos; SILVEIRA, Roberison Wittgeistein Dias da Silveira. Natureza em

Alexander von Humboldt: entre a ontologia e o empirismo. Mercartor, v. 9, n. 20, p. 179-195, set./dez., 2010.

WALLS, Laura Dassaw. The passage to cosmos: Alexander von Humboldt and the shaping of America. Chicago: The University of Chicago Press, 2009.

WERLE, Marco Aurélio. Winckelmann, Lessing e Herder: estética do efeito? Trans/Form/Ação. São Paulo, v. 23, n. 1, p. 19-50, 2000.

WERLE, Marco Aurélio. Natureza e sociedade no Werther de Goethe. Artefilosofia. Ouro Preto, n. 22, p. 38-49, 2017.

Publicado
2018-12-19
Como Citar
Arraes, E. (2018). A apreensão sensível da natureza em Goethe e Humboldt. Paisagem E Ambiente, (42), 11-22. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i42p11-22
Seção
Fundamentos