Um novo conceito para parque urbano no Brasil do século XXI

Palavras-chave: Parque Urbano, Parque Público, Paisagismo, Preservação Ambiental

Resumo

Este artigo visa mostrar que os parques urbanos implantados entre 2000 e 2017 em grandes cidades brasileiras são diferentes dos implantados no século XX, e criaram novos desafios de desenho e de gestão. Os grandes parques do século XX se destinavam ao lazer das massas urbanas e eram feitos em áreas centrais ou de moradia de camadas de rendas mais altas. Os novos parques, em boa parte, foram feitos com menos ênfase na provisão de lazer mas, sobretudo, pensando na conservação ambiental, e estão locados em bairros menos centrais ou de camadas de rendas mais baixas. O artigo se desenvolve a partir do trabalho de Sakata, que identificou os parques existentes em 14 cidades, destacando aqueles criados entre 2000 e 2017. Os parques foram alocados em mapas de distribuição de renda, e dados sobre os mais recentes foram coletados em sites das prefeituras, em imagens do Google Earth, em artigos de jornais, nos relatórios das oficinas realizadas pelo grupo de pesquisa Quadro do Paisagismo no Brasil – Sistemas de Espaços Livres (Quapá-SEL) e em outros trabalhos. Conclui-se que, ainda que os grandes parques tradicionais sejam a referência para os projetistas e a população, a maioria dos novos parques, criados principalmente a partir de demandas pela preservação ambiental, está inserida em contextos muito diferentes daqueles dos parques tradicionais e, por isso, apresenta outras demandas de uso. É conveniente, assim, rever e ampliar o conceito de parque urbano para abarcar essas novas figuras, mas é preciso, principalmente, reavaliar os critérios de desenho para os novos parques e incrementar a gestão de todo o conjunto. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTALINI, Vladimir. Parques públicos municipais de São Paulo: a ação da municipalidade no provimento de áreas verdes de recreação. 1999. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

BRASIL. Casa Civil. Lei nº 12.727, de 17 de outubro de 2012. Altera a Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012, que dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nº s 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; e revoga as Leis nº s 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001, o item 22 do inciso II do art. 167 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973, e o § 2º do art. 4º da Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, p. 1, 18 out. 2012. Disponível em: http://aiba.org.br/wp-content/uploads/2014/10/Lei-12727-2012-Codigo-florestal.pdf. Acesso em: 11 jun. 2019.

COELHO, Leonardo Loyolla. Compensação ambiental: uma alternativa para viabilização de espaços livres públicos para lazer e convívio na cidade de São Paulo. 2008. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

CURITIBA. Mais sete áreas do Município serão transformadas em bosques de conservação. Prefeitura de Curitiba, Curitiba, 1 out. 2014. Disponível em: https://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/mais-sete-areas-do-municipio-serao-transformadas-em-bosques-de-conservacao/34296. Acesso em: 1 jun. 2015.

CUSTÓDIO, Vanderli (org.). Relatório Oficina Quapá-SEL II Rio de Janeiro-RJ 05 e 06 de dezembro de 2016. São Paulo: Quapá, 2016.

FORTALEZA. Decreto nº 13.286, de 14 de janeiro de 2014. Dispõe sobre a criação e regulamentação dos Parques Urbanos das Lagoas de Fortaleza. Diário Oficial de Fortaleza, Fortaleza, 21 jan. 2019. Caderno 1, p. 5.

GALENDER, Fany; CAMPOS, Ana Cecília M. de Arruda. Ações públicas em São Paulo voltadas para recuperação dos corpos d’água: percepção e apropriação. In: SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE O TRATAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM MEIO URBANO E RESTRIÇÕES AMBIENTAIS AO PARCELAMENTO DO SOLO, 3., Belém, 2014. Anais […]. Belém: APPURBANA, 2014. p. 1-20.

IBAMA. Lei da vida: lei dos crimes ambientais: Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 e Decreto nº 6.514, de 22 de julho de 2008. Brasília, DF: Ibama, 2014.

MACEDO, Silvio Soares; SAKATA, Francine. Parques urbanos no Brasil. São Paulo: Edusp, 2001.

PEGORARO, Rafael Lopez. Transformação urbana no Brasil: estudo de cinco centros urbanos. Relatório científico final. São Paulo: Fapesp, 2017.

RIBEIRO, Victória Mendes. Uso e ocupação recente de áreas pouco adensadas e suas áreas livres no espaço urbano brasileiro: o caso das cidades de Anápolis, Uberlândia, Palmas, Brasília, Cuiabá e Goiânia, estudadas pela Rede Nacional de Pesquisa Quapá-SEL. Relatório científico final. São Paulo: FAUUSP, 2018.

RIO DE JANEIRO (Município). Secretaria Municipal de Meio Ambiente. Áreas protegidas. Rio Prefeitura, Rio de Janeiro, 26 jan. 2010. http://alvaraja.rio.rj.gov.br/web/smac/exibeconteudo?id=2812667. Acesso em: 15 jul. 2019.

SAKATA, Francine. Parques urbanos no Brasil 2000-2017. 2018. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

SOUZA, Conrado Blanco de. APPs fluviais urbanas e sistemas de espaços livres: uma análise da influência do Código Florestal na forma das cidades brasileiras. 2015. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

SOUZA, Roberto Sakamoto Rezende de. O papel das leis e das instituições para a conservação da diversidade ambiental e cultural na Baixada Santista. 2018. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

TRIGUEIRO, Aline; LEONARDO, Flavia Amboss Merçon. A gestão política do meio ambiente na cidade de Vitória-ES: reflexões sobre a criação de parques naturais e áreas verdes. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS DA UFES, 1., Vitória. Anais […]. Vitória: UFES, 2011. p. 1-24.

WHATELY, Marussia; SANTORO, Paula Freire; GONÇALVES, Bárbara Carvalho; GONZATTO, Ana Maria. Parques urbanos municipais de São Paulo: subsídios para a gestão. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2008.

Publicado
2019-10-03
Como Citar
Sakata, F., & Gonçalves, F. (2019). Um novo conceito para parque urbano no Brasil do século XXI. Paisagem E Ambiente, 30(43), e155785. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2019.155785
Seção
Espaços Livres