O jardim de objetos: introduzindo a questão

Palavras-chave: Jardim, Cultura, Objeto de consumo, Simulacros

Resumo

Tornou-se comum no jardim brasileiro, especialmente naquele cultivado pelos próprios moradores, o emprego de enfeites e elementos como fontes, bichos de porcelana e anõezinhos de jardim. Nesse sentido, pode-se falar em um “jardim de objetos”, às vezes com um significado lúdico, outras vezes com um significado místico, e outras vezes ainda com um significado de memória ou um significado afetivo para os seus proprietários. Um jardim que, inevitavelmente, integra o panorama atual da sociedade de consumo, embora sua origem remonte, no Brasil, ao século XIX. O objetivo aqui é colocar e discutir algumas questões relacionadas a esse jardim, como a questão do kitsch, a questão da cultura de massa e a questão do simulacro, a partir de leituras e análises de alguns exemplares. A intenção é instigar questões acerca desse jardim, partícipe da paisagem da capital paulista e de outras cidades brasileiras, e apresentar algumas asserções sobre o tema. De um modo geral, observa-se nesse jardim a criação de cenários emoldurados pela vegetação e protagonizados pelos objetos que os constituem, o que acaba por conferir a esses espaços uma complexidade maior em seu arranjo se comparados a outros jardins, mais simples, cultivados pelos próprios moradores. Seus proprietários, ao introduzir fontes, sinos do vento, cores e texturas, trabalham também a percepção sensorial daqueles que os observam, despertando sua curiosidade e sua imaginação

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMERICANO, Jorge. “Sobre arquitetura”. São Paulo atual: 1935-1962. São Paulo: Melhoramentos, s.d.

BAUDRILLARD, Jean. Simulacres et simulation. Paris: Éditions Galilée, 1981

BO BARDI, Lina. “Solar do Unhão”. In: FERRAZ, Marcelo (org.). Solar do Unhão. São Paulo: SESC: IPHAN, 2015.

BOSI, Ecléa. Cultura de massa e cultura popular. Petrópolis: Vozes, 1972.

CRESTIN-BILLET, Frédérique. Les nais de jardin: nous voici, nous voilà. Paris: De Borée Éditions, 2005.

ECO, Umberto, Apocalittici e Integrati, apud BOSI, Ecléa. Cultura de massa e cultura popular. Petrópolis: Vozes, 1972.

FERRAZ, Marcelo (org.). Lina Bo Bardi. São Paulo: SESC: IPHAN, 2015.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e mucambos (1936). 16.ed. São Paulo: Global, 2006.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O suplício do Papai Noel [1952]. São Paulo: Cosac Naify, 2008.

MARX, Murillo. Cidade brasileira. São Paulo: Edusp, 1980.

MELO, Hygina Bruzzi. A cultura do simulacro: filosofia e modernidade em Jean Baudrillard. São Paulo : Loyola, 1988.

MOLES, Abraham. O kitsch – a arte da felicidade. 2.ed. São Paulo: Perspectiva, 1975.

NORMAND, J. “La revanche du nain de jardin contre le mépris de la culture populaire”. Le Monde, Paris, 31 mai. 1997.

SALLES, Daniel. “Des pygmées antiques aux nains de jardin, sur les traces du nain dans la tradition satirique”. s.d. Disponível em: http://www.crdp.ac-grenoble.fr/clemi/file/ Des_Pygmees_antiques_ aux _nains_de_jardin.pdf.

TELLES, Lygia Fagundes. “Anão de Jardim”. A noite escura mais eu. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995.

Publicado
2019-11-27
Como Citar
Aragão, S., & Sandeville Jr., E. (2019). O jardim de objetos: introduzindo a questão. Paisagem E Ambiente, 30(44), e156470. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2019.156470
Seção
Espaços Livres