Vitalidade urbana nos espaços públicos: um estudo na cidade do Porto, Portugal

Palavras-chave: Jardim. Percepção. Morfologia urbana. Espaço público

Resumo

Este artigo se propôs a analisar a relação entre a morfologia espacial e a percepção dos usuários. O intuito foi o de compreender, que aspectos indicados pela literatura são percebidos pelos usuários e como isso influencia a vitalidade de um espaço público. O estudo de caso, contou com o uso de mapeamentos comportamentais centrados no lugar, levantamentos físicos in loco, além de registros fotográficos. Os resultados mostraram que espaços para sentar, o estado de conservação e manutenção, a presença de arborização e paisagismo, a estética do lugar, além das características de uso do solo do entorno, são percebidos pelos usuários e se refletem nas maneiras de utilização do lugar. Considera-se que, embora os elementos projetuais e a combinação desses seja um potencializador nos usos, a percepção que as pessoas têm do espaço e do entorno em que ele se encontra deve ser tomado como um referencial na proposição dos espaços públicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Trícia Caroline Santana, Universidade Federal Rural do Semi-Árido- UFERSA

Prof. Adjunta do curso de Arquitetura e Urbanismo
Universidade Federal Rural do Semi-Árido- UFERSA

Graduação em Arquitetura e Urbanismo- Unama

Especialização em Gestão Ambiental-UFRN

Mestrado em Arquitetura e Urbanismo- UFRN

Doutorado em Arquitetura e Urbanismo-UFRN

 

Referências

ALEXANDER, Christopher; ISHIKAWA, Sara; SILVERSTEIN, Murray; JACOBSON, Max; FIKSDAHL-KING, Ingrid; ANGEL, Shlomo. A pattern language: towns, buildings, construction.Nova York: Oxford University Press, 1977.

ANDRESEN, Teresa; MARQUES, Teresa Portela. Jardins Históricos do Porto. Lisboa: Inapa, 2001.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1991.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Editora 34: Edusp, 2000.

CARR, Stephen; FRANCIS, Mark; RIVLIN, Leanne G.; STONE, Andrew M. Public space. New York: Cambridge University Press, 1992. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=pjo4AAAAIAAJ&printsec=frontcover&dq=Carr+Public+Places&hl=pt-BR&sa=X&ei=082iVLwDwteDBIyMhMAO&ved=0CB4Q6AEwAA#v=onepage&q=Carr%20Public%20Places&f=false. Acesso em: 21 abr. 2019.

CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 1994.

COOPER MARCUS, Clare; FRANCIS, Carolyn (ed.). People places: design guidelines for urban open space. New York: Van Nostrand Reinhold, 1990.

D’AGOSTINI, Luiz Renato; CUNHA, Ana Paula Pereira. Ambiente. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

FERRARI, Célson. Planejamento municipal integrado. São Paulo: Pioneira, 1997.

GEHL, Jan. La humanización del espacio urbano: la vida social entre los edificios. Barcelona: Reverté, 2006.

GEHL, Jan; GEMZØE, Lars. Novos espaços urbanos. São Paulo: Gustavo Gilli, 2002.

GOFFMAN, Erving. Behavior in public places. New York: Free Press, 1966.

GOMES, Paulo César da Costa. A condição urbana: ensaios de geopolítica da cidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

HALL, Edward T. A dimensão oculta. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

HOLANDA, Frederico Rosa Borges de. O espaço de exceção. Brasília, DF: Editora UnB, 2002.

HOLANDA, Frederico Rosa Borges de. A determinação negativa do movimento moderno. In: HOLANDA, Frederico Rosa Borges de (org.). Arquitetura e Urbanidade. 2. ed. Brasília, DF: FRBH Edições, 2011. p. 19-37.

JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

JODELET, Denise. A cidade e a memória. In: DEL RIO, Vicente; DUARTE, Crisitiane Rose;

RHEINGANTZ, Paulo Afonso. Projeto do Lugar: colaboração entre psicologia, arquitetura e urbanismo. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2002. p. 31-43.

LIBERALINO, Cintia Camila. Praça: lugar de lazer: relações entre características ambientais e comportamentais na Praça Kalina Maia – Natal RN. 2011. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2011.

MARTINS, Luis Paulo Saldanha. Do passeio público ao “jogo de cartas”: apontamentos sobre os espaços ajardinados do Porto. COLÓQUIO IBÉRICO DE GEOGRAFIA, 6., 1992, Porto. Anais […]. Porto: Universidade do Porto, 1992. p. 627-640.

NETTO, Vinicius M. O efeito da arquitetura: Impactos sociais, econômicos e ambientais de diferentes configurações de quarteirão. Arquitextos, São Paulo, ano 7, n. 079.07, 2006. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/07.079/290. Acesso em: 21 abr. 2013.

PINHEIRO, José Q.; ELALI, Gleice A.; FERNANDES, Odara S. Observando a interação pessoa-ambiente: vestígios ambientais e mapeamento comportamental. In: PINHEIRO, José Q.; GÜNTHER, Hartmut (org.). Métodos de pesquisa nos estudos pessoa-ambiente. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008. p. 75-104.

SENNETT, Richard. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SERPA, Angelo. O espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto, 2007.

SILVA, Eduardo Alexandre Ribeiro da. Interação social e envelhecimento ativo: um estudo em duas praças de Natal/RN. Tese (Doutorado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2014.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.

YURGEL, Marlene. Urbanismo e lazer. São Paulo: Nobel, 1983.

WHYTE, William H. The social life of small urban spaces. New York: Project for Public Spaces, 1980.

Publicado
2019-08-21
Como Citar
Santana, T., & Ragazzi, G. (2019). Vitalidade urbana nos espaços públicos: um estudo na cidade do Porto, Portugal. Paisagem E Ambiente, 30(43), e159243. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.paam.2019.159243
Seção
Planejamento da Paisagem