Efêmero Cênico - Eterna Continuidade no Trabalho Trabalho do Ator

  • Marlene Fortuna Universidade Estadual de Campinas - Unicamp
Palavras-chave: Ator, Interpretação, presentidade, acaso, efemeridade

Resumo

A arte do ator, diferente do que muitos supõem, não tem fim. Está atrelada ao Princípio de Continuidade, correspondendo assim à Semiótica de Charles Sanders Peirce. Seu percurso é um trilhar estético em constante mutação. Uma cadeia contínua que não termina, mesmo depois da estreia. A questão se difere com relação à atividade do dramaturgo, que, enquanto produtor de linguagem “fixa, passiva, inerte e surda”, tem seu texto pousado, horizontalmente, nas prateleiras das bibliotecas, sujeito a uma simples leitura até que seja (ou não) vitalizado pelos Poetas de Dioniso. A lida do Errante de Baco é vertical e já nasce morrendo. É efêmera, deslocável, seqüencial e líquida. Assim sendo, temos evanescência para o intérprete e durabilidade para o autor; imediatismo-mediatismo; instantaneidade-espera; presentidadeeternidade, respectivamente. Nenhum artista tem tão plena certeza de que suas operações de “manufatura” são trilhas de volatizações constantes como o ator, portador de um método artístico residido no inacabado.  Ele sofre um confronto perturbável com o tempo, sem deixar lugar para o absoluto. Espetáculo pronto, não quer dizer findo, porque o que é cinético, o que é dinâmico e o que está na contemporaneidade de si mesmo, pela própria natureza, está sujeito a modificações permanentes. Ora, o mesmo personagem que energizado estava ontem em cena, hoje, já é outro, porque nós somos também outros a cada dia, em suporte perecível, como a vida. Por outro lado, não estamos nos referindo a fazer uma atuação a cada noite. Isto é caos e tende a enlouquecer o elenco, induzindo a montagem ao naufrágio. Propagamos a reiteração da mesma partitura, com recriações consecutivas. É ser capaz de tornar o “antigo conhecido” em “original desconhecido”. Um jogo! Uma estratégia! Um golpe de mestre! Se há engano certo naquele intérprete que julga ter chegado, na estreia, ao final de seu Processo de Criação, há engano também naquele que entende não precisar de tanto trabalho, de uma vez que sua atividade é fluida. Ao contrário, quanto mais liquidez, mais investimento em estudos, pesquisas de campo e bibliográficas, leituras,   exercícios, formação requintada e exaustiva da aparelhagem técnica, da construção de um repertório que dê conta de tamanha volatilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlene Fortuna, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp
Pós-Doutora em Artes Cênicas pela UNICAMP/SP. Mestre e Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP. Ministra cursos, palestras, oficinas, workshops sobre teatro com enfoque em: dramaturgia, interpretação e a voz poética do ator. Maiores detalhes consultar: http://lattes.cnpq.br/4317517456147470
Publicado
2013-05-30
Como Citar
Fortuna, M. (2013). Efêmero Cênico - Eterna Continuidade no Trabalho Trabalho do Ator. PesquisAtor, 1(2). https://doi.org/10.11606/issn.2238-7838.pesquisator.2013.44970
Edição
Seção
Artigos