História, literatura e antropologia no Iluminismo tardio alemão

  • André de Melo Araújo Universidade de Brasília
Palavras-chave: Antropologia literária, História universal, Iluminismo tardio alemão, Friedrich Schiller, Os bandoleiros (1781)

Resumo

Ao analisar o drama Os bandoleiros (1781), de Friedrich Schiller, este artigo defende a tese segundo a qual o pensamento antropológico desenvolvido à época do iluminismo tardio alemão serve de fundamento não apenas para os discursos médico e historiográfico, mas também para uma parcela significativa da produção literária do período. Para tanto, na primeira seção deste artigo, investigam-se as bases de formação da cultura letrada e, particularmente, da cultura médica alemã na segunda metade do século XVIII, bem como as discussões à época vigentes em torno do conceito de antropologia. Na segunda e na terceira seções, discutem-se as tendências da pesquisa contemporânea que exploram os pontos de contato entre o conhecimento histórico, o pensamento antropológico e a produção literária no século das Luzes. Esses passos fundamentam a tese aqui defendida e segundo a qual o modo de representação literária operado por Schiller em Os bandoleiros é expressão direta do projeto de compreensão – em termos antropológicos – das totalidades integradas do homem e da história da humanidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-02-22
Como Citar
Araújo, A. (2019). História, literatura e antropologia no Iluminismo tardio alemão. Pandaemonium Germanicum, 22(37), 6-25. https://doi.org/10.11606/1982-883722376
Seção
Dossiê: Literatura e Teoria da História