Os descaminhos da alma

Georg Simmel, Henry James e a “tragédia da cultura”

  • Luiza Larangeira Silva Mello Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Georg Simmel, Henry James, modernidade, “a tragédia da cultura”

Resumo

Neste ensaio, pretendo empreender uma análise comparativa entre os modos como o intelectual alemão Georg Simmel e o escritor estadunidense Henry James figuram discursivamente aquilo que Simmel chama de “a tragédia da cultura”. Em ensaios escritos na virada do século XX, como “As Grandes Cidades e a Vida do Espírito” (1903), “Do Ser da Cultura” (1908) e “O Conceito e a Tragédia da Cultura” (1911), Simmel trata do conceito tipicamente alemão de cultura (Kultur), identificando sua dimensão trágica. Conquanto Henry James mostre-se, especialmente no período da 1ª Guerra Mundial, fortemente comprometido com o ideal inglês de “civilização”, pode-se notar, em seus relatos de viagem da virada do século, intitulados The American Scene (1907), uma compreensão semelhante à de Simmel da moderna experiência da tragédia da cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-02-22
Como Citar
Mello, L. (2019). Os descaminhos da alma. Pandaemonium Germanicum, 22(37), 76-101. https://doi.org/10.11606/1982-8837223776
Seção
Dossiê: Literatura e Teoria da História