A desconstrução da educação iluminista em Heinrich von Kleist

Palavras-chave: Heinrich von Kleist, pedagogia iluminista, Immanuel Kant

Resumo

A pedagogia iluminista procurou debater os meios de se educar o ser humano para o bem e para a independência intelectual, fundando os pressupostos dessa formação nas leis morais do bem supremo. Para tanto, a filosofia da época usou como parâmetro de sua pedagogia a total responsabilidade do ser humano por seus atos, o que acarretou na imprescindibilidade de uma formação que operasse na natureza humana uma transformação positiva, pautada na máxima do bem moral. Inicialmente adepto a esta proposta, Heinrich von Kleist, logo após sua famosa “crise kantiana”, passou a contestar o modelo de educação iluminista a partir de um viés cético, pois, para o autor, a nova visão de realidade aberta pelo criticismo kantiano evidenciou os fracassos dessa pedagogia. Sob este novo ponto de vista, as noções de liberdade e de moralidade ganharam uma nova caracterização, já que se tornou impossível para Kleist determinar quais seriam os resultados desses projetos educacionais na conduta humana. Diante deste cenário, analisaremos, neste artigo, dois textos exemplares de como esta discussão foi transposta pelo autor para a literatura: em Allerneuster Erziehungsplan, Kleist inverte a lógica desta educação ao propor uma “escola de vícios”, enquanto que, em Der Findling (1811), o autor contesta os valores morais burgueses da família e do bem supremo, desembocando em um texto repleto de violência e de maldade.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-02-02
Como Citar
Silva, C. (2020). A desconstrução da educação iluminista em Heinrich von Kleist. Pandaemonium Germanicum, 23(39), 158-185. https://doi.org/10.11606/1982-88372339158
Seção
Artigos