Sonnenaufgang am Amazonas. Goethes Farbenlehre und die Brasilianische Moderne

  • Willi Bolle
Palavras-chave: Natureza e civilização, Teoria das cores, Modernismo brasileiro, Johann Wolfgang Goethe, Mário de Andrade

Resumo

Dois tableaux de la nature, duas descrições do nascer do sol no Amazonas, da autoria dos viajantes Carl Friedrich Philipp von Martius (1819) e Mário de Andrade (1927), são comentados à luz da teoria das cores de Goethe (1810). Enquanto o texto de Martius é tributário da tradição naturalista e romântica, Mário, uma das vozes das vanguardas do século XX, expressa uma nova estesia, numa conjunção de materialismo estético e antropológico. O objetivo deste estudo é examinar até que ponto o naturalista Martius, o poeta Mário e o cientista-poeta Goethe apresentam uma visão da natureza em que esta não seja dominada, mas reconhecida como parceira igual pela civilização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Willi Bolle
Der Autor ist Professor für Literaturwissenschaft am Institut für Deutsch der Universität São Paulo.
Publicado
2000-11-05
Como Citar
Bolle, W. (2000). Sonnenaufgang am Amazonas. Goethes Farbenlehre und die Brasilianische Moderne. Pandaemonium Germanicum, (4), 199-222. https://doi.org/10.11606/1982-8837.pg.2000.64194
Edição
Seção
Literatura/Cultura - Literatur-/Kulturwissenschaft