Tod der Literatur? Die Neuen Medien als Herausforderung

  • Ulrich J. Beil
Palavras-chave: Fim da literatura, Novas Mídias, o Imaginário, Angústia da Influência

Resumo

A "morte da literatura" é questionada como afirmação, mas, por outro lado, é analisada sob o enfoque de uma dinâmica de efeito histórico-literário: face ao "advento das novas mídias" (J. Hörisch) mostra-se, também com referências a J. Derrida, que desde a Antiguidade a literatura orientou-se por um 'imaginário' não apenas fonético, mas também ótico e sempre jogou com a própria auto-superação - mostra-se que, assim, os meios audio-visuais representam um desafio especial, entendidos como uma espécie de 'realização' dessas tendências intraliterárias. Os autores de língua alemã contemporâneos reagem a essa "angústia da influência" (H. Bloom) de pelo menos cinco formas: recolhimento à essência literária (askesis), adotando diversos elementos técnicos das mídias (adaptio), com a historização e 'ultrapassagem' das mídias (reductio), afirmando a 'antecipação' das 'inovações das mídias' por parte da literatura (anticipatio) e, finalmente, numa lutal de igual para igual, utilizando-se de todos os meios (agon).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ulrich J. Beil
Der Autor ist seit Februar 2000 Professor Visitante und Lektor des DAAD am Departamento de Letras Modernas, Área de Alemão, an der Universidade de São Paulo.
Publicado
2001-12-19
Como Citar
Beil, U. (2001). Tod der Literatur? Die Neuen Medien als Herausforderung. Pandaemonium Germanicum, (5), 21-39. https://doi.org/10.11606/1982-8837.pg.2001.64284
Edição
Seção
Literatura/Cultura - Literatur-/Kulturwissenschaft