Transpondo muros: Escritas da violência na República Democrática Alemã

  • Elcio Loureiro Cornelsen
Palavras-chave: Literatura de Testemunho, Literatura Alemã, República Democrática Alemã, Violência, Totalitarismo

Resumo

O objetivo do presente artigo é esboçar, a partir da interpretação das obras “Zeit-Zeugen”. Inhaftiert in Berlin-Hohenschönhausen (1996), organizada por Gabriele Camphausen, Folterzelle 36 Berlin-Pankow. Erlebnisbericht einer Stasihaft (1993), de Timo Zilli, Ein guter Kampf. Fakten, Daten, Erinnerungen 1945-1954 (1998) do político Ewald Ernst, Die Stasi war mein Eckermann: oder mein Leben mit der Wanze (1991), do escritor Erich Loest, e Geboren am 13. August. Der Sozialismus und ich (2004), do jornalista Jens Bisky, um breve estudo sobre as diversas formas e fases da violência enquanto instrumento de poder, praticada pelo Estado do SED na República Democrática Alemã nos 40 anos de sua existência, e discutir especialmente alguns aspectos teóricos sobre o conceito de “literatura de testemunho”. Os cinco relatos analisados, de caráter memorialista e autobiográfico, se pautam por um tom decididamente crítico frente aos desmandos num Estado totalitário. “Transpor muros” nos 20 anos após a Queda do Muro de Berlim, desse ponto de vista, implica um olhar memorialista de denúncia contra o esquecimento frente a um passado traumático.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elcio Loureiro Cornelsen
Professor adjunto da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais.
Publicado
2009-06-06
Como Citar
Cornelsen, E. (2009). Transpondo muros: Escritas da violência na República Democrática Alemã. Pandaemonium Germanicum, (13), 25-57. https://doi.org/10.11606/1982-8837.pg.2009.74826
Seção
Literatura/Cultura - Literatur-/Kulturwissenschaft