Estudantes do Prouni na crise do lulismo

  • Henrique Bosso da Costa Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Prouni, Lulismo, Etnografia, Reestruturação produtiva, Precariedade

Resumo

Em 2005, o governo Lula inaugurou o Programa Universidade para Todos (Prouni), uma política de racionalização da gestão pública que serviu para estimular a formação de mão de obra qualificada para uma economia em expansão. No estudo de caso que deu origem a este artigo, desenvolvido em uma grande universidade privada de São Paulo, utilizou-se da abordagem etnográfica, onde bolsistas do Prouni, jovens alunos de cursos de tecnologia foram questionados sobre modos de vida, opiniões e expectativas sobre educação e trabalho, visões de mundo e da política em particular. Em busca de se manterem em condições competitivas no mercado de trabalho com a obtenção do diploma, entre este grupo especialmente incorporado pela reestruturação produtiva e pela alta rotatividade do mercado de trabalho, o diploma aparece como acúmulo de certificados, necessários para a fuga da “condição operária” que marcara a geração de seus pais e para o ingresso na classe média, com repercussões na maneira como se relacionam com a política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Bosso da Costa, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando no Programa de pós-graduação em Ciências Sociais na Universidade Estadual de Campinas, mestre em Ciência Política pela Universidade de São Paulo e bacharel em Ciências Sociais pela mesma instituição.

Publicado
2019-07-12
Como Citar
Costa, H. (2019). Estudantes do Prouni na crise do lulismo. Plural, 26(1), 289-311. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2019.138359