Entre o individual e o coletivo: uma análise acerca da trajetória de Vera Sílvia Magalhães e José Roberto Spiegner na esquerda armada brasileira (1966-1970)

Palavras-chave: Esquerda armada, Brasil, Guerrilha, Ditadura

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar a trajetória de Vera Sílvia Magalhães e José Roberto Spiegner na luta armada contra a ditadura civil-militar brasileira. Objetivando transcender a compreensão da opção e, sobretudo, manutenção da luta armada através do prisma das organizações políticas, que reivindicavam a legitimidade do caminho armado a partir de perspectivas conjunturais socioeconômicas e políticas, buscamos compreendê-la através da investigação da trajetória de dois indivíduos que partilharam desta escolha. Por intermédio desta trajetória, que amalgamou amor e revolução, discutiremos outros panoramas presentes em uma organização de esquerda armada brasileira, como a ruptura com os costumes, a vida na clandestinidade e o compromisso com o projeto revolucionário e com os companheiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Higor Codarin, Universidade Estadual de Campinas

Graduado em História pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Mestre em Sociologia pela mesma universidade. Atualmente é doutorando em História Contemporânea pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

Aarão Reis Filho, Daniel. A revolução faltou ao encontro. Os comunistas no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1990.

Acselrad, Henri. Sinais de fumaça na cidade: uma sociologia da clandestinidade na luta contra a ditadura no Brasil. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

Baran, Paul; Sweezy, Paul. Capitalismo monopolista: ensaio sobre a ordem econômica e social americana. Rio de Janeiro: Zahar, 1966.

Becker, Jean-Jacques. “O handicap do a posteriori”. In: Amado, Janaína; Ferreira, Marieta. (Orgs.) Usos & Abusos da História Oral. 8ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p. 27-32.

Benjamin, Cid. Gracias a la vida: Memórias de um militante. Rio de Janeiro: José Olympio, 2013.

Bnm (Brasil: Nunca Mais). Pasta-Processo: 076 e 603. Disponível em: http://bnmdigital.mpf.mp.br/pt-br/. Acesso em 24 de outubro de 2019.

Borges, Vavy Pacheco. “Desafios da Memória e da biografia: Gabrielle Brune-Sieler, uma vida (1874-1940)”. In: Bresciani, Maria Stella; Naxara, Marcia. (Orgs.) Memória e (Res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. 2ª ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2004, p. 287-312.

Brasil. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Direito à verdade e à memória: Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2007.

Carvalho, Luiz Maklouf. Mulheres que foram à luta armada. São Paulo: Globo, 1998.

Chain, Arnaldo. Entrevista concedida a Daniel Aarão Reis e Vera Sílvia Magalhães. In: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro. Fundo Vera Sílvia Magalhães, 1988.

Debray, Regis. Revolução na Revolução?. São Paulo: Centro Ed. Latino Americano, s.d.

Dosse, François. O desafio biográfico: escrever uma vida. 2ª ed. São Paulo: Edusp, 2015.

Elias, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

Fico, Carlos. Como eles agiam. Os subterrâneos da Ditadura Militar: espionagem e polícia política. Rio de Janeiro: Editora Record, 2001.

Frank, André Gunder. “A agricultura brasileira: capitalismo e mito do feudalismo”. In: Stedile, João Pedro (Org.) A questão agrária no Brasil: o debate na esquerda (1960-1980). Vol. 2. São Paulo: Expressão Popular, 2012, p. 35 - 100.

Furtado, Celso. Dialética do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1964.

Gabeira, Fernando. O que é isso, companheiro?. Rio de Janeiro: Codecri, 1979.

Guevara, Ernesto “Che”. Obra revolucionaria. Organização Roberto Fernandez Retamar. 2ª ed. México, DF: Era, 1968.

Guevara, Ernesto “Che”. Guerra de Guerrilhas (1960), 10ª ed. São Paulo: edições populares, 1987

Laborie, Pierre. “1940-1944. Os franceses do pensar-duplo”. In: Quadrat, Samantha; Rollemberg, Denise. (Orgs.). A construção social dos regimes autoritários: Europa, volume I. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, p. 31-44.

Lênin, Vladimir. Obras escolhidas, tomo I. 3ª ed. São Paulo: Alfa-Ômega, 1986

Levi, Giovanni. “Usos da biografia”. In: Amado, Janaína; Ferreira, Marieta. (Orgs.) Usos & Abusos da História Oral. 8ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p. 167-182.

Loriga, Sabina. “A biografia como problema”. In: Revel, Jacques. (Org.) Jogos de escala: A experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1998, p. 225-250.

Magalhães, Vera Sílvia. Entrevista concedida a Marcelo Ridenti. In: Arquivo Edgar Leuenroth. Militância Política e Luta Armada, 1986.

Magalhães, Vera Sílvia. Provisórias Memórias. In: Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro. Fundo Vera Sílvia Magalhães, s.d.

Martinho, Francisco Carlos Palomanes. A monografia de um tempo português. Tempo, v. 17, n. 31, p. 313-316, 2011.

Martins Filho, João Martins Movimento estudantil e ditadura militar: 1964-1968 Campinas, SP: Papirus, 1987.

Marx, Karl. Manuscritos Econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

Motta, Rodrigo Patto Sá. As universidades e o regime militar: cultura política brasileira e modernização autoritária. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

Polari de Alverga, Alex. Inventário de cicatrizes. 2ª ed. Rio de Janeiro: Comitê Brasileiro pela Anistia, 1978.

Pollak, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Revista Estudos Históricos, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

Prado Júnior, Caio. A revolução brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1987.

Priore, Mary Del. Biografia: quando o indivíduo encontra a história. Topoi, v. 10, n. 19, p. 7-16, jul-dez 2009.

Reich, Wihelm. A revolução sexual. 8ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

Ricoeur, Paul. Tempo e narrativa, tomo I. Campinas: Papirus, 1994.

Ridenti, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. 2ª ed. São Paulo: Editora da UNESP, 2010.

Ridenti, Marcelo. The Debate over Military (or Civilian-Military?) Dictatorship in Brazil in Historiographical Context. Bulletin of Latin American Research, v. 37, n. 1, p. 33-42, 2016. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/blar.12519/full. Acesso em 24 de outubro de 2019.

Sarlo, Beatriz. Tempo Passado: Cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

Publicado
2019-12-23
Como Citar
Codarin, H. (2019). Entre o individual e o coletivo: uma análise acerca da trajetória de Vera Sílvia Magalhães e José Roberto Spiegner na esquerda armada brasileira (1966-1970). Plural, 26(2), 340-362. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2019.143135