As estruturas da reificação em curso: Walter Benjamin e Guy Debord, leitores de História e Consciência de Classe

  • Deni Rubbo Universidade de São Paulo
Palavras-chave: reificação, mercadoria, metrópole moderna, espetáculo, marxismo.

Resumo

Partindo dos pressupostos da centralidade do fetichismo da mercadoria, lançados em História e Consciência de Classe, Lukács aqueceu alguns estudos posteriores, no âmbito do marxismo, tanto nos desdobramentos da teoria como na propulsão de reescrever a história. Em um primeiro momento, o foco será a relação desigual entre Marx e Lukács, no que concerne ao fenômeno da reificação. Depois, serão destacados os estudos de Walter Benjamin, em sua análise sobre a metrópole parisiense no século XIX, e Guy Debord, em uma explanação sobre um novo grau do fenômeno reificado, implicando uma imagem-espetáculo da vida social humana. Para ambos, as tensões temporais do mundo capitalista industrial e moderno se caracterizam em um “tempo prisioneiro” e para o qual tal rompimento incidiria sobre a negatividade do mundo do capital, atualizando, assim, em outros níveis, os postulados sobre fenômeno da reificação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deni Rubbo, Universidade de São Paulo
Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de São Paulo; bolsista Capes
Publicado
2010-06-01
Como Citar
Rubbo, D. (2010). As estruturas da reificação em curso: Walter Benjamin e Guy Debord, leitores de História e Consciência de Classe. Plural, 17(1), 9-34. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2010.74551
Seção
Artigos