O parque agroambiental como nova categoria de sistema de espaços livres

Autores

  • Alessandra Natali Queiroz Universidade de São Paulo
  • Eugênio Fernandes Queiroga Universidade de São Paulo
  • José Roberto Merlin

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v22i37p116-132

Palavras-chave:

Parque agroambiental. Planejamento paisagístico e ambiental. Espaços livres. Desenvolvimento regional.

Resumo

O presente artigo tem como tema o estudo de sistemas de espaços livres e a urbanização contemporânea na região de Limeira, integrante da Região Administrativa de Campinas - SP. De especial atenção é a configuração do território, como unidade de projeto para um “parque regional contemporâneo” ou, como se propôs chamar, “parque agroambiental”. O “parque agroambiental” não é uma solução simples, mas uma possibilidade de pensar e agir. Pode-se, por meio dele, ajustar o foco de leitura da realidade local, buscando-se mecanismos mais coerentes para nela atuar. Diferentemente de outras regiões de importantes recursos naturais, como a região metropolitana de São Paulo, o conceito do parque objetiva trabalhar uma área econômica e socialmente uniforme, onde a fauna e a flora são quase inexistentes, visto terem sido substituídas pela urbanização e pelas áreas destinadas à produção agrícola para o mercado global. O desafio aqui proposto é tornar o parque regional contemporâneo objeto de debate para políticas públicas de atendimento às necessidades sociais e ambientais. Podem ser práticas de lazer, esportes e/ou contemplativas, atividades culturais de identidade regional, de produção agrícola ou florestal, de conservação de ecossistemas, por meio das quais se definem diferentes níveis e escalas de intervenção e de acessibilidade aos lugares. Propõe-se o conceito de “parque agroambiental” como instrumento de planejamento regional e ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Natali Queiroz, Universidade de São Paulo

Arquiteta e urbanista pela Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep); Licenciatura Plena pela Faculdade de Educação da Unimep; mestre em Arquitetura e Urbanismo pela FAUUSP; doutora em Paisagem e Ambiente pela FAUUSP, doutorado sanduíche na IUAV de Veneza. Atualmente desenvolve projetos na área de Arquitetura, Paisagem, e Cidadania.

Eugênio Fernandes Queiroga, Universidade de São Paulo

Possui graduação, mestrado, doutorado e livre-docência em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP). Professor Associado da Graduação e professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP. Vice-coordenador do LAB-Quapá da FAUUSP e vice-coordenador do Grupo de Pesquisa Quadro do
Paisagismo no Brasil. Integrante da Coordenação da Rede Nacional de Pesquisa Quapá-SEL. Vice-coordenador do Projeto Temático de Pesquisa “Os sistemas de espaços livres na constituição da forma urbana contemporânea no Brasil: produção e apropriação - Quapá-SEL II”, apoios Fapesp e CNPq. Bolsista de Produtividade em Pesquisa 2 do CNPq. Membro dos conselhos editoriais das revistas: Óculum Ensaios (PUC-Campinas), PARC (Unicamp) e Paisagem e Ambiente (USP). Assessor ad hoc do CNPq e da Fapesp.

José Roberto Merlin

Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (USP); mestre em Tecnologia do Ambiente Construído pela USP de São Carlos; doutor em Estruturas Ambientais Urbanas pela FAUUSP. Professor doutor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo e pesquisador do Grupo de Requalificação Urbana da PUC-Campinas. 

Referências

BARCELOS, V. Q. Os parques: velhas ideias e novas experiências, Paisagem e Ambiente: Ensaios, São Paulo, n. 13, 2000, p. 49-71.

BRASIL. CONAMA. Resolução n. 10, de 14 de dezembro de 1988.

BRASIL. Lei Federal n° 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências.

BRASIL. Decreto Federal, n° 6.017, de 17 de janeiro de 2007. Regulamenta a Lei no 11.107, de 6 de abril de 2005, que dispõe sobre normas gerais de contratação de consórcios públicos.

BRASIL. Decreto Federal, n° 4.340, de 22 de agosto de 2002. Regulamenta artigos da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza - SNUC, e dá outras providências.

CUSTODIO, V. et al. (2010a), O ensino de paisagismo na FAUUSP e as questões ambientais: a compreensão dos sistemas de espaços livres como fundamento didático. In: 10° Encontro Nacional de Ensino de Paisagismo em Escolas de Arquitetura e Urbanismo no Brasil, Porto Alegre, RS, 15-17 de setembro, 10° ENEPEA, FAU/PUCRS. 2010.

CUSTODIO, V. et al. (2010b), Da questão ambiental ao par ideológico desenvolvimento sustentável e sustentabilidade: contribuições para um paisagismo crítico. In: 10° Encontro Nacional de Ensino de Paisagismo em Escolas de Arquitetura e Urbanismo no Brasil, Porto Alegre, RS, 15-17 de setembro, Anais do 10° ENEPEA, FAU/PUCRS. 2010.

PELLEGRINO, P. R. M. Pode-se planejar a paisagem? Paisagem e Ambiente: Ensaios, São Paulo, n. 13, 2000, p. 159-179.

PELLEGRINO, P. R. M. et al. Paisagem da borda: uma estratégia para a condução das águas, da biodiversidade e das pessoas. In: COSTA, L. M. S. (Org.). Rios e paisagem urbana em cidades brasileiras. Rio de Janeiro, RJ: Viana & Mosley/PROURB, 2006, p. 57-76.

QUEIROZ, A. N. Parque agroambiental em quadrilátero do interior paulista: uma estratégia de planejamento paisagístico ambiental. 343 fl. Tese (Doutorado) - Arquitetura e Urbanismo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP. 2012.

REYES, P. E. B. Processo de projeto em design: uma proposição crítica. In: MENEZES, M. S.;

PASCHOARELLI, L. C.; MOURA, M. (Org.). Metodologias em design: inter-relações. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2011, p. 375-391.

SERPA, A. O espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto, 2007. 208 p.

SOUZA, M. A. Meio ambiente e desenvolvimento sustentável: as metáforas do capitalismo. 2006. Disponível em: www.territorial.org.br/material/meioambiente.pdf. Acesso em: 20 jun. 2011.

SOUZA, M. L. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010. 556 p.

Publicado

2015-06-02

Como Citar

Queiroz, A. N., Queiroga, E. F., & Merlin, J. R. (2015). O parque agroambiental como nova categoria de sistema de espaços livres. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 22(37), 116-132. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v22i37p116-132

Edição

Seção

Artigos