Por uma nova cultura de design: diversidade cultural e encontro com sentidos socioambientais

  • Marília Riul
  • Maria Cecília Loschiavo dos Santos
Palavras-chave: Design vernacular. Design. Diversidade cultural. Meio ambiente.

Resumo

Este artigo aborda relações entre a produção do mundo artificial e questões socioculturais e ambientais, e faz uma reflexão que busca valorizar o diálogo entre os contextos do design profissional/ acadêmico e do design vernacular. Para tanto, utilizamos dados de uma pesquisa de doutorado em andamento, que, com o auxílio de técnicas da pesquisa etnográfica, documentou práticas e expressões materiais pertencentes a comunidades de pequenos agricultores e pescadores artesanais, situadas na região da Barra do Rio Mamanguape, no estado da Paraíba, Nordeste brasileiro. Ancorada na teoria correlata, a análise se concentrou na leitura dos sentidos embutidos no repertório de práticas e nos próprios artefatos identificados, em busca de elementos pertinentes à reflexão sobre a responsabilidade do design em relação a questões socioculturais e ambientais. Constatou-se que há uma série de práticas e sentidos a elas relacionada, que podem servir de base para projetos que visem dar ênfase às variáveis socioculturais e ambientais atinentes à produção do mundo artificial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília Riul

Graduação em Tecnologia e Design de Interiores no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB); mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente na Universidade Federal da Paraíba (UFPB); aluna de doutorado no Programa de Pós-graduação em Ciência Ambiental na Universidade de São Paulo (USP) e bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). 

Maria Cecília Loschiavo dos Santos

Professora Titular de Design da Universidade de São Paulo e bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Graduação, licenciatura mestrado e doutorado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da  Universidade de São Paulo. Obteve o título de livre-docente pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. É orientadora em dois programas de pós-graduação da Universidade de São Paulo: na FAUUSP e no Programa de Ciência Ambiental (Procam). Universidade de São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.

Referências

BONSIEPE, G. Design e crise. Agitprop: Revista Brasileira de Design, São Paulo, ano IV, n. 44. 2012. Disponível em: http://www.agitprop.com.br/?pag=repertorio_det&id=75&titulo=repertorio.

CAPRA. F. O ponto de mutação: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. São Paulo: Cultrix, 1982. 447 p.

BURKE, P. Hibridismo cultural. Rio Grande do Sul: Unisinos, 2003. 116 p.

COSTA, A. M. R. F. M.; COSTA, J. E. F. M. Potiguara: cultura material. FUNAI – Serviço de Ação Cultural – 3ª SUER, 1989. 119 p.

CUNHA, L. H. O et al. Reserva extrativista para regiões de mangue: uma proposta preliminar para o Estuário de Mamanguape (Paraíba). São Paulo: Programa de Pesquisa e Conservação de Áreas Úmidas no Brasil – Pró-reitoria/USP; International Development Research Centre (IDRC)/ Fundação Ford, 1992. 83 p.

DENIS, R. C. Design, cultura material e o fetichismo dos objetos. Arcos, Rio de Janeiro, v. 1, p. 15-39, out. 1998. Disponível em: http://www.esdi.uerj.br/arcos/arcos-01/01- 02.artigo_rafael(14a39).pdf.

DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: NUPAUB/USP/Hucitec, 1994. 163 p.

DURHAM, E. R. A dinâmica cultural na sociedade moderna. In: DURHAM. Eunice Ribeiro. A dinâmica da cultura: ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2004. 480 p.

FRIEDMAN, K. Theory construction in design research: criteria, approaches, and methods. In: SHACKLETON, J.; DURLING, D. (Eds.) CONFERENCE COMMON GROUND DESIGN RESEARCH SOCIETY INTERNATIONAL., 2002, Londres. Proceedings…Londres: DRS, 2002. p. 388-414.

FRY, T. Design futuring: sustainability, ethics, and new practice. Oxford: Berg, 2009. 256 p.

FUNTOWICZ, S. O.; RAVETZ, J. R. La ciencia posnormal: ciencia con la gente. Barcelona: Icaria, 2000. 110 p.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras. 1990. 288 p.

GONÇALVES, C. W. P. Os (des)caminhos do meio ambiente. 7 ed. São Paulo: Contexto, 2000. 152 p.

HARLAND, R.; SANTOS, M. C. L. From greed to need: notes on human-centred design. In: Interrogations: Creative Interdisciplinarity in Art and Design Research: Proceedings of AHRC Postgraduate Conference, 2009. p. 141-158. Disponível em: https://dspace.lboro.ac.uk/2134/5378.

HISSA, C. E. V. Transdisciplinaridade: breves notas acerca de limites e fronteiras da ciência moderna. Terceiro Incluído, Goiânia, NUPEAT - IESA – UFG, v. 1, n. 1, p. 88-105, 2011. DOI https://doi.org/10.5216/TERI.V1I1.14391.

KAZAZIAN, T. Haverá a idade das coisas leves: design e desenvolvimento sustentável. Thierry Kazazian (Org.), tradução de Eric Roland René Heneault. São Paulo: Senac São Paulo, 2005. 196 p.

LEFF, E. Ecologia, capital e cultura: a territorialização da racionalidade ambiental. Petrópolis: Vozes, 2009. 440 p.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2002. 240 p.

LÉVI-STRAUSS, C. O pensamento selvagem. Campinas, SP: Papirus, 1989. 324 p.

MAGALHAES, A. E Triunfo? A questão dos bens culturais no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; Fundação Roberto Marinho, 1997. 256 p.

MANZINI, E. Design (and design schools) for social innovation: in the age of networks and sustainability. Politecnico di Milano. Desis Network. [Online] 2013. Disponível em: http://pt.slideshare.net/desis_uk/131113-desis-uk-design-and-design-schools-for-social-innovation. Acesso em: 5 nov. 2014.

MANZINI, E.; VEZZOLI, C. O desenvolvimento de produtos sustentáveis. São Paulo: Edusp, 2008. 368 p.

MARLET, J. V. Diseño ecológico. Barcelona: Blume, 2005. 400 p. MARGOLIN, V. The politics of the artificial: essays on design and design studies. Chicago: The University of Chicago Press, 2002. 273 p.

MARTINS, S. Contribuição ao estudo científico do artesanato. Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1973. 100 p.

McCOY, K. Good citizenship: design as a social and political force. In: HELLER, S.; VIENNE, V. (Eds). Citizen Designer: perspectives on design responsibility. Nova Iorque: Allworth, 2003. 259 p.

MASCÊNE, D. C. Termo de referência: atuação do Sistema SEBRAE no artesanato. Brasília: SEBRAE, 2010. 64 p.

MDIC. Base conceitual do artesanato brasileiro. Programa do Artesanato Brasileiro. Brasília: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, 2012.

MORALES, F. S. Diseño e artesanía. In: FERNÁNDEZ, S.; BONSIEPE, G. (Coords) Historia del diseño en América Latina y el Caribe: Industrialización y comunicación visual para la autonomia. São Paulo: Blücher, 2008. p. 308-322.

MOURÃO, J. S.; NORDI, N. Comparações entre as taxonomias folk e científica para peixes do estuário do Rio Mamanguape, Paraíba – Brasil. Interciência, Venezuela, v. 27, n. 12, p. 1-7, 2002.

NISHIDA, A. K. Catadores de moluscos do litoral Paraibano: estratégias de subsistência e formas e percepção da natureza. 143 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2000.

OLIVEIRA, J. C. C. Zoneamento ambiental da APA da Barra do Rio Mamanguape e de seu entorno, Estado da Paraíba, Brasil. 119 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio ambiente, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2003.

PACEY, P. ‘Anyone designing anything?’ Non-professional designers and the history of design. Journal of Design History. v. 5, n. 3, p. 217 – 225, 1992. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/1315839.

PAPANEK, V. Arquitectura e design: ecologia e ética. Lisboa: Edições 70, 1995. 288 p.

PAPANEK, V. Design for the real world: human ecology and social change. Chicago: Academy Chicago Publishers, 2009. 416 p.

PROWN, J. D. Mind in matter: an introduction to material culture theory and method. Winterthur Portfolio, v. 17, n. 1, p. 1-19, 1982.

RIBEIRO, W et al. Dilemas da gestão e produção do conhecimento interdisciplinar: uma contribuição do Programa de Pós-graduação em Ciência Ambiental da USP. In: PHILIPPI JR., A.;

SILVA NETO, A. J. (Eds.) Interdisciplinaridade em ciência, tecnologia e inovação. Barueri: Manole, 2011. 108 p.

RIBEIRO, B. G. A linguagem simbólica da cultura material. In: RIBEIRO, B. G. Suma etnológica brasileira: arte índia. v. 3. Petrópolis: Vozes, 1987. 300 p.

RIBEIRO, B. G. Suma etnológica brasileira: tecnologia indígena. v. 2. Petrópolis: Vozes/FINEP, 1986. 448 p.

RODRIGUES, G. S. et al. Gestão ambiental territorial na área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape (PB). Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente, 2008. 89 p.

SANTOS, B. S. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Edições Afrontamento, 2000. 374 p.

SANTOS, B. S. Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. 501 p.

SANTOS, M. C. L. 2003. As cidades de plástico e papelão. 145 f. Tese (Livre-docência) –Faculdade de Arquitetura e Urbanismo USP, São Paulo, 2003.

VIDAL, L. B.; SILVA, A. L. O sistema dos objetos nas sociedades indígenas: arte e cultura. In: LOPES DA SILVA, A.; GRUPIONI, L. D. B. (Eds.) A temática indígena na escola. Brasília; MEC/MARI/UNESCO, 1995. 570 p.

WALKER, S. The spirit of design: objects, environment and meaning. New York: Earthscan, 2011. 272 p.

WALKER, S. A journey in design: an exploration of perspectives for sustainability. The Journal of Sustainable Product Design, Netherlands, Kluwer Academic Publishers, v. 2, n. 1-2, p. 3-10, 2002.

Publicado
2015-06-02
Como Citar
Riul, M., & Santos, M. C. (2015). Por uma nova cultura de design: diversidade cultural e encontro com sentidos socioambientais. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 22(37), 146-164. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v22i37p146-164
Seção
Artigos