Corpografia arquitetônica: o método do observador e das linhas

  • Douglas Vieira de Aguiar Programa de Pós-Graduação em Arquitetura Faculdade de Arquitetura. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, RS.
Palavras-chave: Corpografia. Caminhada. Espaço. Corpo. Movimento.

Resumo

Entende-se como corpografia arquitetônica, no contexto teórico e metodológico que norteia este artigo, o registro do deslocamento de um observador em movimento através do meio edificado, buscando desse modo descrever – através de texto, notações gráficas e sequências de imagens – os efeitos da arquitetura sobre a relação que se estabelece entre usuários e espaços. Entende-se aqui como efeitos da arquitetura as inerentes tensões – de fricção (negativas) ou de empatia (positivas) – que permeiam a relação entre as nossas ações e a configuração dos espaços onde elas ocorrem. Estaremos portanto lidando com a representação gráfica do movimento do corpo no espaço como método de estudo em arquitetura nas suas diferentes escalas, do edifício à cidade. O procedimento ora delineado está fundado na observação e registro – planimétrico e fotográfico – por um observador que se desloca a pé, sensível aos efeitos espaciais produzidos pelas situações por onde passa e com a intenção de descrevê-las. O método assim se propõe a descrever graficamente aquilo que é captado pelos sentidos do observador em seu percurso através de uma determinada situação espacial objeto de estudo, trabalhando de modo associado com procedimentos e categorias vindas dos estudos da percepção espacial, incluída aí a fenomenologia e, por outro lado, dos estudos da configuração espacial, incluída aí a sintaxe espacial. Duas questões servem como guia ao andamento do texto. A primeira delas explora o modo como as pessoas se relacionam com os espaços através dos diferentes sentidos. Já a segunda se refere ao que exatamente nos espaços viria a afetar esses mesmos sentidos. O modo descritivo assim delineado reúne tanto as percepções desse observador que se desloca no espaço, registrada em imagens e texto, quanto a informação privilegiada de natureza configuracional, mapas e plantas, o material cartográfico e diagramático que instruirá os deslocamentos desse observador. A utilização da caminhada como modo de produção de conhecimento em arquitetura implica a explicitação de um conjunto de procedimentos que denominaremos o método do observador e, ademais, uma breve revisão da literatura que, pretende-se, venha a subsidiar o procedimento desde um ponto de vista teórico. O artigo apresenta um detalhamento desse procedimento e ao final um estudo de caso que consta da realização de uma caminhada através de um objeto de estudo e seu entorno imediato, um percurso que propiciará análises da qualidade da fruição espacial em diferentes escalas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDO, T. Shintai and Space. In S.Marble et al (Eds.), Architecture and Body. New York: Rizzoli, 1988.

CULLEN, G. Townscape. London : Architectural Press 1961.

ETLIN, R. Aesthetics and the spatial sense of self, in the Journal of Aesthetics and Art Criticism, volume 6, number 1 winter 1998, pp. 1-19.

HERTZBERGER, H. Lessons for Students of Architecture, Uitgeverij 010 Publishers, Rotterdam, 1974.

HILLIER et al (1983), Space Syntax: A different urban perspective, em Architecture Journal 4 / London.

HILLIER, B. and Hanson, J. The Social Logic of Space, Cambridge University Press, Cambridge 1984.

KOHLER, B. Architecture History as the History of Spatial Experience, in: Daidalos, No. 67, 1998, pp. 36-43.

LE CORBUSIER, Towards a New Architecture, London: J. Rodker, 1931.

LYNCH, K. (1960) A imagem da cidade, Martins Fontes, São Paulo.

SCHMARSOW A. The essence of architectural creation, em Empathy, Form, and Space, Problems in German Aesthetics, 1873-1893, The Getty Center Publication Programme, Santa Monica 1994.

ZEVI, B. Saber Ver a Arquitetura, Martins Fontes, São Paulo, 1996 (orig.1948).

Publicado
2017-04-28
Como Citar
Aguiar, D. (2017). Corpografia arquitetônica: o método do observador e das linhas. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 24(42), 12-31. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v24i42p12-31
Seção
Artigos