Notas sobre a ocupação das encostas no maciço da Tijuca, no Rio de Janeiro

  • Monica Bahia Schlee Prefeitura do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Urbanismo.
Palavras-chave: Paisagem. Morfologia da paisagem. Ocupação de encostas urbanas. Legislação. Padrões morfológicos. Espaços livres.

Resumo

As montanhas estruturam a paisagem da cidade do Rio de Janeiro e servem de suporte para a floresta Atlântica e para a mancha urbana ao seu redor, que avança gradativamente sobre ela. O presente artigo analisa o processo de ocupação urbana nas encostas da cidade do Rio de Janeiro, a partir de uma leitura comparativa da morfologia da paisagem, com foco no Maciço da Tijuca, cujas encostas vivenciam uma constante pressão urbana decorrente da valorização imobiliária e das disputas territoriais nas bordas da floresta Atlântica. Este artigo tem como objetivo caracterizar os padrões de ocupação encontrados nas encostas da cidade, e do Maciço da Tijuca, em particular e apontar os efeitos da legislação urbanística local sobre a paisagem, relacionando-os aos processos de apropriação territorial. A zona de fronteira entre a floresta Atlântica e a malha urbana nas encostas do Rio de Janeiro caracteriza-se como uma zona de transição, heterogênea, instável e dinâmica, onde é possível discernir diferentes faixas de ocupação, cujas lógicas internas de estruturação afetam a configuração das demais. Essas faixas conformam um gradiente de ocupação, onde as faixas internas (faixas de mescla) são as que sofrem transformações mais dinâmicas, afetando e impactando as externas. Nestas faixas de mescla se localiza uma constelação de núcleos de ocupação habitados por diferentes extratos sociais, com características formais e informais, isto é, regulares e irregulares do ponto de vista urbanístico e fundiário, que estabelecem entre si uma relação imbricada de contiguidade e complementaridade. Este quadro demonstra que o planejamento urbano, a gestão e a lógica da ocupação urbana nas encostas cariocas necessitam passar por um processo de ajuste, em direção a um urbanismo regenerador, no qual os espaços livres exerçam um papel estruturador na conexão, articulação e na resiliência da paisagem frente aos riscos geológicos e na mitigação da antítese entre a floresta, os territórios formalmente ocupados e as favelas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monica Bahia Schlee, Prefeitura do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Urbanismo.

Arquiteta-paisagista e urbanista da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro – CMP/SMU/PCRJ. Doutora em Arquitetura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mestre em Arquitetura da Paisagem – Pennsylvania State University/USA e mestre em Estruturas Ambientais Urbanas pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP).

Referências

ABREU, Maurício de Almeida. A evolução urbana do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IPLANRIO/ Zahar, 1987.

ABREU, Maurício de Almeida. Reconstruindo uma história esquecida: origem e expansão inicial das favelas do Rio de Janeiro. São Paulo, Espaço e Debates, v. 14, n. 37, 1994. p. 34-46.

ABREU, Maurício de Almeida. Cidade brasileira: 1870-1930. In: Sposito, M.E.B. (Org). Urbanização e cidades: perspectivas geográficas. Presidente Prudente: UNESP/GASPPERR, 2001.

ABREU, Maurício de Almeida (Org). Rio de Janeiro: formas, movimentos, representações. Estudos de geografia histórica carioca. Rio de Janeiro: Da Fonseca Comunicação, 2005. 254 p.

AFONSO, Sonia. Urbanização de encostas: crises e possibilidades. O Morro da Cruz como um referencial de projeto de arquitetura da paisagem. 1999. 645p. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global. Caderno de Ciências da Terra. São Paulo: Instituto de Geografia/USP, n. 13. 1971.

BONDUKI, Nabil. Origens da habitação social no Brasil: arquitetura moderna, lei do inquilinato e difusão da casa própria. 4a. ed. São Paulo: Estação Liberdade, 2004, 344p. Publicado originalmente em 1998.

BORGES, Marília Vicente. O zoneamento na cidade do Rio de Janeiro: gênese, evolução e aplicação. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) - Instituto de Planejamento Urbano e Regional. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade dos muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. 2a. ed. São Paulo: EDUSP, 2000, 400 p.

CAVALCANTI, Nireu de Oliveira. A cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro: as muralhas, sua gente, os construtores (1710-1810). Rio de Janeiro: IFCS/ UFRJ. 1997.

CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny (Orgs). Paisagem, textos e identidade. Coleção Geografia Cultural. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2004. 180 p.

DRUMMOND, D. Architectes des favelas. Paris: Bordas, 1981.

FERNANDES, Edésio; RUGANI, Jurema M. (Orgs). Cidade, memória e legislação: a preservação do patrimônio na perspectiva do direito urbanístico. Belo Horizonte: IAB-MG, 2002. p. 51 -67.

FORMAN, Richard T.; GODRON, Michel. Landscape Ecology. New York: John Wiley & Sons. 1986. FORMAN, Richard T. Land mosaics: the ecology of landscapes and regions. Cambridge: Cambridge University Press. 1995.

GEOHECO-UFRJ/SMAC-PCRJ. Estudos de qualidade ambiental do geoecossistema do maciço da Tijuca: subsídios à regulamentação da APARU do Alto da Boa Vista. Rio de Janeiro: PCRJ/SMAC, 2000.

GUERRA, Márcia F. Conflitos ambientais em fronteira urbana: o caso do Parque Natural Municipal de Grumari – RJ. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Planejamento Urbano e Regional. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

HEYNEMANN, C. Floresta da Tijuca: natureza e civilização. Rio de Janeiro, Coleção Biblioteca Carioca, 1995.

KOSTOF, Spiro. The city shaped. Urban patterns and meanings through history. Londres: Thames and Hudson, 1991.

LAMAS, José M. Morfologia urbana e o desenho da cidade. Lisboa: Fundação Caluste Gulbekian, 1992. 590 p.

LEITÃO, Gerônimo. Dos barracos de madeira aos prédios de quitinetes: uma análise do processo de produção da moradia na favela da Rocinha, ao longo de cinqüenta anos. Niterói: EdUFF, 2009, 207 p.

MARX, Murillo. Cidade no Brasil – terra de quem? Coleção Cidade Aberta. São Paulo: Nobel/ EDUSP, 1991.

ODUM, Eugene P. Fundamentals of ecology. 2 ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1976. 595 p.

McHARG, Ian L. Design with nature. Garden City: The Natural History Press, 1969.

PANERAI, Philippe; DEPAULE, Jean-Charles; DEMORGON, Marcelle. Analyse urbaine. Marseille: Éditions Parenthèses. 1999.

REIS, Nestor Goulart. Notas sobre urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano. São Paulo: Via das Artes, 2006. 201 p.

RIO DE JANEIRO. SMAC/PCRJ. Florestas do Rio. Disponível em Acesso em: 20 fev. 2014.

RIO DE JANEIRO, Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos - IPP/Armazém de Dados. Dinâmica Populacional. Tabelas 2972 e 2917, 2010. Disponível em: http://www.armazemdedados.rio.rj.gov.br/. Acesso em: 11 dez. 2014.

RIO DE JANEIRO, Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos - IPP/Armazém de Dados. Uso do Solo. Disponível em: Acesso em: 11 dez. 2014.

SAUER, Carl O. The Morphology of Landscape, University of California Publications in Geography, v. 2, n. 2, p. 19-54. 1925.

SCHLEE, Monica Bahia. Ocupação de encostas urbanas: Algumas considerações sobre resiliência e sustentabilidade. Revista Cadernos Metrópole, ISSN:1517-2422, v. 15, n. 29, Sustentabilidade, Justiça Socioambiental e as Metrópoles. 2013.

SCHLEE, Monica Bahia. Padrões e processos de ocupação das encostas em cinco cidades brasileiras – estudo comparativo da morfologia da paisagem. Paisagem e Ambiente: Ensaios, São Paulo, FAUUSP, n. 32, 2013, p. 33-66.

SCHLEE, Monica Bahia. Ambiguidades entrelaçadas: a influência da legislação na transformação e na resiliência da paisagem das encostas brasileiras. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PLANEJAMENTO URBANO, 15, 2013, Recife. Anais..., Recife: ANPUR, 2013

SCHLEE, M.B.; TAMMINGA, K. R.; TANGARI, V.R. A method for gauging landscape change as a prelude to urban watershed regeneration: the case of the Carioca River. Rio de Janeiro. Sustainability, v. 4, n. 12, p. 2054-2098, 2012. DOI: https//doi.org/10.3390/su4092054.

SCHLEE, Monica Bahia. A ocupação das encostas do Rio de Janeiro: morfologia, legislação e processos sócio-ambientais. 2011. 398 p. Tese (Doutorado em Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011,

SCHLEE, M. B.; ALBERNAZ, M. P. Proteção das encostas pela legislação municipal: uma avaliação da situação atual na cidade do Rio de Janeiro. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR, 13., 2009, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ANPUR, 2009.

SCHLEE, Mônica Bahia. Landscape change along the Carioca River, Rio de Janeiro, Brazil. Landscape Architecture Thesis. University Park: The Pensylvania State University. 2002, 212 p.

SILVA, Maria Lais Pereira. Favelas Cariocas - 1930-1964. Rio de Janeiro: Contraponto. 2005, 255p.

SOARES, Maria Luiza Gomes. Floresta carioca: a interface urbano-florestal do Parque Nacional da Tijuca. 2006. 226p. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

SILVA, Jonathas Magalhães Pereira da; TÂNGARI, Vera Regina. Ensinar Cegos A “Ver”: A Crise Urbana Do Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ARQUITETOS, 17., 2003, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: IAB/RJ, 2003.

TROLL, Carl. Die geographische Landschaft und ihre Erforschung. Heidelberg: Studium Generale, n. 3, p. 163-181, 1950.

VALLADARES, Lícia do Prado. A invenção da favela: do mito de origem à favela.com. Rio de Janeiro, Editora FGV. 2005, 204p.

VAZ, Lilian Fessler. Modernidade e moradia: habitação coletiva no Rio de Janeiro, séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: 7 letras / FAPERJ, 2002. v. 1. 196 p.

VILLAÇA, Flávio. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel, Fapesp, Lincoln Institute, 1998. 373 p.

Publicado
2015-12-18
Como Citar
Schlee, M. (2015). Notas sobre a ocupação das encostas no maciço da Tijuca, no Rio de Janeiro. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 22(38), 94-122. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v22i38p94-122
Seção
Artigos