Processo de produção arquitetônica na zona rural do município de Rio Brilhante, Mato Grosso do Sul: 1938 A 1950. Parte II

Palavras-chave: Arquitetura, Patrimônio arquitetônico, Erva-mate, Pecuária

Resumo

A região onde se situa a cidade de Rio Brilhante, inicialmente, foi colonizada pela família dos “Barbosas”, oriunda de Minas Gerais, que a denominou Campos de Vacaria. A base econômica era a exploração de madeira e a coleta da erva-mate, posteriormente, a pecuária. Estas atividades propiciaram o acúmulo de capital, resultando na construção de edificações, com determinados materiais construtivos e ornamentos, tornando-as expressivas. Objetivou-se com este estudo mostrar a produção arquitetônica na zona rural do município de Rio Brilhante, Mato Grosso do Sul, no período de 1838 a 1950, dentro do seu contexto histórico, através de visitas in loco, registro fotográfico, documentos, livros e relatos de pioneiros. Foram identificadas sete fazendas, com suas residências em madeira e alvenaria, cemitérios, instalações rurais e igrejas. Sua análise ocorreu através de sua volumetria, imagem, materiais construtivos, história e períodos, que reproduzem um ou mais conteúdos simbólicos em suas composições tipológicas, demonstrando suas inspirações estilísticas. Algumas dessas instalações ainda resistem ao tempo, retratando a história e a memória local da população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ademir Kleber Morbeck Oliveira, Universidade Anhanguera-Uniderp

Prof. Dr. Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional - Universidade Anhanguera-Uniderp

Fábio Fernando Martins Oliveira, Universidade Anhanguera-Uniderp.

Discente, Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional - Universidade Anhanguera-Uniderp

Referências

ARRUDA, Ângelo Marcos Vieira (Org.). Arquitetura em Campo Grande. Campo Grande: Uniderp, 1999. 261p.

BARBOSA, Emílio Garcia. Os Barbosas em Mato Grosso. 2.ed. Campo Grande: Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul, 2011. 255p.

CAMPESTRINI, Hildebrando. Mato Grosso do Sul: conflitos étnicos e fundiários. Campo Grande: [s.e.], 2009. 127p.

CPRM. Serviço Geológico do Brasil. Documentos Cartográficos - Multimeios. Rio de Janeiro: CPRM, 2005. 213p.

FACHOLLI, Clenice Batista; DOERZBACHER, Sirley. Rio Brilhante: sua terra, sua gente. Cascavel: ASSOESTE, 1991. 150p.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Brasília, 2015. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm. Acesso em: 07 mar. 2016.

LIMA, Maria Margareth Escobar Ribas. Ciclos econômicos e a produção arquitetônica em Porto Murtinho. Campo Grande: Governo do Estado de Mato Grosso do Sul/FIC, 2013. 192p.

MAGALHÃES, Luiz Alfredo Marques. Mato Grosso do Sul - Fazendas Uma Memória Fotográfica. Edição especial. Campo Grande: Gráfica e Editora Alvorada, 2012. 272p.

MAMIGONIAN, Armen. Inserção de Mato Grosso ao mercado nacional e a gênese de Corumbá. Revista GEOSUL, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 39-47, 1986. DOI: http://dx.doi.org/10.5007/12537.

MARQUES, Rubens Moraes da Costa. Trilogia do Patrimônio Histórico e Cultural Sul-Mato-Grossense. 2.ed. Vol. III. Campo Grande: Editora UFMS, 2007. 472p.

OLIVEIRA, Fábio Fernando Martins; OLIVEIRA, Ademir Kleber Morbeck de. Produção arquitetônica na zona rural do município de Rio Brilhante, Mato Grosso do Sul: 1844 a 1930 – parte I. Arquitextos, São Paulo, ano 18, n. 209.00, Vitruvius, 2017.

ROCHA-PEIXOTO, G. A estratégia da aranha. Rio de Janeiro: RioBooks, 2013. 172 p.

SODRÉ, Nelson Werneck. Oeste: ensaio sobre a grande propriedade pastoril. Rio de Janeiro: José Olympio, 1941. 208p.

SOUZA, Antônio Barbosa. Laucídio Coelho um homem à frente de seu tempo. Campo Grande: Vector Editores e Consultores Associados, 2007. 268p.

Publicado
2018-12-03
Como Citar
Oliveira, A. K., & Oliveira, F. F. (2018). Processo de produção arquitetônica na zona rural do município de Rio Brilhante, Mato Grosso do Sul: 1938 A 1950. Parte II. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 25(47), 74-91. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v25i47p74-91
Seção
Artigos