Trajetória do pensamento preservacionista em Belém a partir dos tombamentos individuais e em conjunto

Palavras-chave: Patrimônio arquitetônico, Preservação de bens culturais, Centro histórico de Belém, Políticas de proteção ao patrimônio

Resumo

O século XX representa o período de surgimento e consolidação da temática preservacionista no Brasil. Dentro desse quadro, a cidade de Belém passa por inúmeras transformações, resultantes das mudanças no modo encarar o seu patrimônio construído. O objetivo principal deste artigo é entender o processo de preservação e transformação do Centro Histórico de Belém, partindo da análise da trajetória do pensamento preservacionista no país e consequentemente na capital. O tema foi subdividido em três momentos: O primeiro momento, compreendido entre as décadas de 1930 e 1960, época dos primeiros tombamentos individuais em Belém; o segundo momento, que abrange as décadas de 1960 a 1980, e caracteriza-se pelos tombamentos dos conjuntos paisagísticos e inclusão dos entornos à leitura dos monumentos; e o terceiro momento, que tem início na década de 1990, com o tombamento do Centro Histórico de Belém, ampliando a abrangência de proteção a conjuntos urbanos. O avanço proveniente do processo de transformação do pensamento preservacionista permitiu a observação do patrimônio de forma mais abrangente, garantindo a preservação da ambiência de conjuntos urbanos da cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Teixeira Filgueira Forte, Universidade Federal do Pará. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Arquiteta e urbanista. Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Pará (UFPA)

Thais Alessandra Bastos Caminha Sanjad, Universidade Federal do Pará. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Arquiteta e urbanista. Doutora em Ciências pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e professora do Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Pará (PPGAU/UFPA)

Referências

A PROVÍNCIA DO PARÁ. Belém, 11 abr. 1947.

BRASIL. Decreto-Lei nº 25/1937 de 30 de novembro de 1937. Organiza a proteção do patrimônio histórico e artístico nacional. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, DF, ano 49, p. 24056, 6 dez. 1937.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Departamento do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Divisão de Conservação e Restauração. Ofício do Ministério da Educação e Cultura [sem número]. Do parecer escrito à mão no tocante ao tombamento da Igreja de Sant’Ana, escrito por Paulo Barreto. DPHAN: Belém, 29 nov. 1961.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria do Patrimônio Artístico e Histórico Nacional. Ofício do Ministério da Cultura e Educação: informação nº 64. Proposta para o tombamento do Antigo Palácio do Governo – largo do palácio, Belém-PA, escrito por Augusto da Silva Telles. SPHAN: Belém, 22 abr. 1974.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria do Patrimônio Artístico e Histórico Nacional. Ofício do Ministério da Cultura e Educação nº 2648. Do parecer no tocante ao tombamento da Ver-o-Peso e áreas adjacentes, escrito por Lygia Martins Costa. SPHAN: Belém, 9 nov. 1977.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Ofício do Ministério da Educação e Cultura nº 3270. Do parecer no tocante ao tombamento do Palacete Pinho, escrito por Euler Santos Arruda. SPHAN: Belém, 15 jul. 1980a.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria do Patrimônio Artístico e Histórico Nacional. Processo nº 1024-T-80 da 1ª DR/SPHAN. Do parecer no tocante ao tombamento do Palacete Pinho, escrito por Jorge Derenji. SPHAN: Belém, 1980b.

BRASIL. Ministério do Turismo. Instituto do Patrimônio Artístico e Histórico Nacional. Bens tombados. Portal do Iphan, Brasília, DF, 15 fev. 2016. Disponível em: http://bit.ly/39XVdbl. Acesso em: 17 mar. 2020.

CABREIRA, Cristiane Vieira; RIBEIRO, Rosina Trevisan; KRAUSE, Cláudia Barroso. Critérios, métodos e parâmetros de atuação no entorno e de bens tombados isolados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional: a visibilidade em questão. PARC: pesquisa em arquitetura e construção, Campinas, v. 4, n. 1, p. 38-49, 2013.

CAVALCANTI, Lauro (org.). Modernistas na repartição. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2000.

DERENJI, Jussara da Silveira. As faces da cidade. Belém: [s. n.], 2001.

FONSECA, Maria Cecília Londres. O patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005.

LANÇAMENTO do edifício Manuel Pinto Silva. O Liberal, Belém, 1960.

LIMA, José Júlio; TEIXEIRA, Luciana. Janelas para o rio: projetos de intervenção na orla urbana de Belém do Pará. In: VARGAS, Heliana Comin; CASTILHO, Ana Luisa Howard (org.). Intervenções em centros

MILET, Vera. Estratégias de intervenções em áreas históricas: revalorização de áreas urbanas centrais.. In: ZANCHETTI, Sílvio; MARINHO, Geraldo; MILET, Vera. Estratégias de intervenções em áreas históricas: revalorização de áreas urbanas centrais. 1995. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Urbano) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 1995. p. 66-72.

MOTTA, Lia; THOMPSON, Analucia. Entorno de bens tombados. Rio de Janeiro: IPHAN/DAF/Copedoc, 2010.

NORAT, Roseane da Conceição Costa. Moradia como meio para reabilitação de áreas e prédios históricos. 2007. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

SOEIRO, Renato. Restauração e revilização de núcleos históricos: análise face à experiência francesa. Publicações da Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Brasília, DF, n. 30, p. 49, 1980.

Publicado
2020-06-11
Como Citar
Forte, M., & Sanjad, T. (2020). Trajetória do pensamento preservacionista em Belém a partir dos tombamentos individuais e em conjunto. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 27(50), e128966. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.posfau.2020.128966
Seção
Artigos