Oficinas e depósitos ferroviários: identificação e análise de algumas companhias férreas paulistas (1867-1930)

Palavras-chave: Edifícios industriais, Oficinas ferroviárias, Inventário

Resumo

Este trabalho teve como principal objetivo identificar e analisar características materiais das oficinas ferroviárias construídas no estado de São Paulo no período entre 1860 e 1930. A pesquisa se justifica pela importância desse tipo de edificação e pela grande lacuna de estudos nacionais em relação à arquitetura industrial, principalmente relacionados às oficinas ferroviárias. Para o levantamento, foram priorizadas as companhias de maior relevância econômica e as que dispunham de maior número de documentação. Foram consultados relatórios administrativos de algumas companhias férreas paulistas a fim de identificar a localização de suas oficinas e tratados ferroviários do século XIX para compreender alguns aspectos da espacialização das oficinas e bibliografia nacional especializada em arquitetura industrial e ferroviária. Este trabalho resultou em um mapa de localização das oficinas encontradas, através do qual foi possível identificar questões referentes à implantação, composição arquitetônica, materiais e alguns fornecedores estrangeiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Casa Civil. Fundo Secretaria dos Transportes – Departamento Ferroviário (1869-1971). Oficinas da Companhia Mogiana. c1910. São Paulo, 2014.

BEM, Sueli Ferreira. Contribuição para estudos das estações ferroviárias paulistas. 1998. 419f. Dissertação (Mestrado em Estruturas Ambientais Urbanas) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

BIOT, Ed. Manuel du constructeur de chemins de fer, ou essai sur les principes generaux de l’art de construire les chemins de fer. Paris: Libr. Encyclopedie de Robert, 1834.

BOLETIM INSTITUTO DE ENGENHARIA, São Paulo, v. 9, n. 40, p. 151-164, 1928.

BRICKA, Charles. Cours de chemins de fer. Paris: Gauthier-Villars et Fils, 1894.

COMPANHIA MOGYANA. Relatório da diretoria da Companhia Mogyana para sessão da Assembléa Geral. Campinas: Typ. Leroy King Bookwalter & Comp., 1877.

COMPANHIA MOGYANA. Relatório da diretoria da Companhia Mogyana para sessão da Assembléa Geral. São Paulo: Typ. do Diário, 1878.

COMPANHIA MOGYANA. Relatório da diretoria da Companhia Mogyana para sessão da Assembléa Geral. Campinas: Typ. Leroy King Bookwalter & Comp., 1882.

COMPANHIA MOGYANA. Relatório da diretoria da Companhia Mogyana para sessão da Assembléa Geral. Campinas: Typ. Leroy King Bookwalter & Comp., 1884.

COMPANHIA MOGYANA. Relatório da diretoria da Companhia Mogyana para sessão da Assembléa Geral. São Paulo: Typ. Jorge Seckler, 1889.

COMPANHIA MOGYANA. Relatório da diretoria da Companhia Mogyana para sessão da Assembléa Geral. Campinas: Typ. Leroy King Bookwalter & Comp., 1893.

COMPANHIA MOGYANA. Relatório da diretoria da Companhia Mogyana para sessão da Assembléa Geral. São Paulo: Typ. Companhia Industrial, 1901.

COMPANHIA MOGIANA. Relatórios da Companhia Mogiana. São Paulo: Typographia Livro Azul, 1902.

COMPANHIA MOGIANA. Relatórios da Companhia Mogiana. São Paulo: Typographia Livro Azul, 1904.

COMPANHIA PAULISTA. Relatório da diretoria da Companhia Paulista de Vias Ferreas e Fluviaes para a sessão da Assembléa Geral. São Paulo: Jorge Seckler & Comp., 1871.

COMPANHIA PAULISTA. Relatório da diretoria da Companhia Paulista de Vias Ferreas e Fluviaes para a sessão da Assembléa Geral. São Paulo: Jorge Seckler & Comp., 1877.

COMPANHIA PAULISTA. Relatório da diretoria da Companhia Paulista de Vias Ferreas e Fluviaes para a sessão da Assembléa Geral. São Paulo: Jorge Seckler & Comp., 1885.

COMPANHIA PAULISTA. Relatório da diretoria da Companhia Paulista de Vias Ferreas e Fluviaes para a sessão da Assembléa Geral. São Paulo: Jorge Seckler & Comp., 1886.

COMPANHIA PAULISTA. Relatório da diretoria da Companhia Paulista de Vias Ferreas e Fluviaes para a sessão da Assembléa Geral. São Paulo: Jorge Seckler & Comp., 1888.

COMPANHIA PAULISTA. Relatório da diretoria da Companhia Paulista de Vias Ferreas e Fluviaes para a sessão da Assembléa Geral. São Paulo: Jorge Companhia Industrial de São Paulo, 1896.

COMPANHIA PAULISTA. Relatório da diretoria da Companhia Paulista de Vias Ferreas e Fluviaes para a sessão da Assembléa Geral. São Paulo: Vanorden & Cia., 1903.

COMPANHIA PAULISTA. Relatório da diretoria da Companhia Paulista de Vias Ferreas e Fluviaes para a sessão da Assembléa Geral. São Paulo: Jorge Seckler & Comp., 1907.

COMPANHIA SOROCABANA. Relatório da Companhia Sorocabana para a sessão da Assembléa Geral. São Paulo: Typ. Correio Paulistano, 1874.

COMPANHIA SOROCABANA. Relatório da Companhia Estrada de Ferro Sorocabana para a sessão da Assembléa Geral. Rio de Janeiro: Typ. Soares & Niemeyer, 1882.

COUCHE, Charles. Voie, matériel roulant et exploitation technique des chemins de fer: ouvrage suivi d’un appendice sur les travaux d’art. Paris: Dunod, 1867.

CRUZ, Thais Fátima dos Santos. Paranapiacaba: a arquitetura e o urbanismo de uma vila ferroviária. 2007. 195f. Dissertação (Mestrado em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2007.

DEHARME, Ernest; PULLIN, Abel. Chemins de fer: materiel roulant, résistence des trians traction. Paris: Gauthier-Villars, 1895. (Encyclopedie industrielle).

DEMOULIN, Maurice. Chemins de fer: locomotive et matériel Roulant. Paris: Ch. Dunod, 1896.

ESTRADA DE FERRO SOROCABANA. Relatório da Companhia Estrada de Ferro Sorocabana. São Paulo: Casa Vanorden, 1919.

ESTRADA DE FERRO SOROCABANA. Relatório da Companhia Estrada de Ferro Sorocabana e Estrada de Ferro Funilense. São Paulo: Casa Vanorden, 1921.

ESTRADA DE FERRO SOROCABANA. Relatório da Companhia Estrada de Ferro Sorocabana e Estrada de Ferro Funilense. São Paulo: Casa Vanorden, 1924.

ESTRADA DE FERRO SOROCABANA. Relatório da Companhia Estrada de Ferro Sorocabana. São Paulo: Casa Vanorden, 1925.

FINGER, Anna Eliza. Um século de estradas de ferro: arquitetura das ferrovias no Brasil entre 1852 e 1957. 2013. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

FLAMACHE, A.; HUBERTI, Alphonse; STÉVART, A. Traité d’exploitation des chemins de fer. Bruxelles: Mayolez, 1885.

FRANCISCO, Rita de Cássia. As oficinas da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro: arquitetura de um complexo produtivo. 2007. 147f. Dissertação (Mestrado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

GERODETTI, João Emilio; CORNEJO, Carlos. As ferrovias do Brasil nos cartões-postais e álbuns de lembranças. São Paulo: Solaris Edições Culturais, 2005.

GOSCHLER, Charles. Traite pratique de l’entretien et de l’exploitation des chemins de fer. Paris: Noblet et Baudry, 1872.

GRACE’S Guide to British Industrial History. [S. l.], 2018. Disponível em: https://www.gracesguide.co.uk/De_Bergue_and_Co. Acesso em: 25 jan. 2018.

GRAEFF, M. Construction des canaux et des chemins de fer. Paris: Lacroix, 1861.

GUAZZELLI, Barbara Gonçalves. Ferrovia, trabalho e habitação: vilas operárias de Campinas (1883-1919). 2014. 186f. Dissertação (Mestrado em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo) – Universidade de São Paulo, São Carlos, 2014.

HUMBERT, George. Traité complete des chemins de fer. Paris: Baudry, 1891.

INSTITUTO de Electrotechnica. Correio Paulistano. São Paulo, ano LXXXVII, n. 26118, p. 6, 29 abr. 1941.

KÜHL, Beatriz Mugayar. Arquitetura do ferro e arquitetura Ferroviária em São Paulo: reflexões sobre a sua preservação. São Paulo: Ateliê Editorial, 1998.

KÜHL, Beatriz Mugayar. Preservação do patrimônio arquitetônico da industrialização: problemas teóricos de restauro. Cotia: Ateliê Editorial, 2009.

LEYGUE, Léon. Chemins de fer notions generales et economiques. Paris: Libr. Polytechnique Baudry, 1892.

LUCAS, Cristiane Gonçalves. Arquitetura ferroviária: materiais e técnicas construtivas do patrimônio edificado do século XIX no Rio de Janeiro. 2010. 226f. Dissertação (Mestrado em Restauração e Gestão do Patrimônio) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

MATOS, Odilon Oliveira. Café e ferrovias: a evolução ferroviária de São Paulo e o desenvolvimento da cultura cafeeira. Campinas: Pontes, 1990.

MORAIS, Sergio Santos. A arquitetura das estações ferroviárias da Estrada de Ferro Central do Brasil no século XIX: 1858-1900. 2002. 178f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

MORANDIERE, M. Romain. Traite de la construction des ponts et viaducts pour routes et chemins de fer. Paris: Dunod, 1874. Disponível em: http://www.pergamum.ufop.br/pergamum/biblioteca/index.php?codAcervo=63063. Acesso em: 16 fev. 2018.

MOREAU, Auguste. Traite des chemins de fer. Paris: Fanchon et Artus, 1898.

MOREIRA, Danielle Couto. Arquitetura ferroviária e industrial: o caso das cidades de São João Del-Rei e Juiz de Fora (1875-1930). 2007. 313f. Dissertação (Mestrado em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 2007.

NEAVERSON, Peter; PALMER, Marilyn. Industrial archaeology: Principles and practice. Nova York: Routledge, 1998.

NOTAS e Commentarios. Correio Paulistano. São Paulo, ano LXXXVI, n. 25663, p. 5, 1 nov. 1939.

OLIVEIRA, Eduardo Romero de. Eletrificação em empresas ferroviárias paulistas: aspectos da tecnologia e da industrialização em São Paulo (1902-1937). In: CAPEL, H.; CASALS, V.; CUÉLLAR, D. (ed.). La electricidad em las redes ferroviarias y la vida urbana: Europa y América (siglos XIX y XX). Madrid: Fundación de los Ferrocarriles Españoles, 2012. p. 195-209.

OLIVEIRA, Eduardo Romero de. Memória ferroviária: esforço de revisão crítica da memória histórica sobre a ferrovia e seu valor patrimonial. In: FERRARI, M.; BRUNA, L. A.; VILLAVICENCIO, M. VI Congreso Internacional de Historia Ferroviaria: ferrocarriles, historia y patrimonio industrial. Yerba Buena: Mónica Rossana Ferrari, 2017. p. 15-23.

PÉREZ, Filemón (org.). Álbum illustrado da Companhia Paulista de Estradas de Ferro 1868-1918. São Paulo: Companhia Paulista de Estradas de Ferro, 1918.

PERDONNET, Auguste. Traité élémentaire des chemins de fer. Paris: Garnier Frères, 1865. Tome Deuxième v. Disponível em: https://archive.org/details/traitlmentaired08perdgoog. Acesso em: 28 maio 2017.

SALIN, Henri. Manuel pratique des poseurs de voies de chemins de fer. 3. ed. Paris: Dunod, 1875.

SANCHIZ, Juan Manuel Cano. The morphology of a working place linked to the world: the railway workshops of Jundiaí (Brazil, 1892-1998). Industrial Archaeology Review, Abingdon, v. 40, n. 2, p. 103-116, 2018.

SÉVÈNE, M. Notes prise au cours de chemins de fer. Paris: [s. n.], 1876.

SILVA, Geraldo Gomes. Arquitetura de ferro do Brasil. São Paulo: Nobel, 1988.

SILVA, Ana Lúcia Arantes da. A arquitetura da Companhia Paulista de Estradas de Ferro: tipologia de remanescentes do seu tronco oeste. 2014. 240f. Dissertação (Mestrado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

SILVA, Rafaela Rogato Rondon. Bens ferroviários de Mairinque: análise da articulação do conjunto industrial urbano e sua preservação. 2017. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2017.

SOUKEF JÚNIOR, Antonio. Workshops of the Paulista Company in Jundiaí, São Paulo: a threatened railway heritage. Journal of Civil Engineering and Architecture, Rockland, v. 10, p. 714-725, 2016.

SOUZA, João Márcio Dias de. Tipologias arquitetônicas nas estações da Estrada de Ferro Sorocabana. 2015. 192f. Dissertação (Mestrado em História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

THE PHOENIX BRIDGE & CO. Revised Plan of Shop Roofs for Companhia Central Paulista Brazil. 1892. Acervo do Museu da Companhia Paulista, Jundiaí, caixa azul de poliondas número 358.

TORREJAIS, Ana. Patrimônio ferroviário como tecnocultura: as oficinas de manutenção da Companhia Paulista em Jundiaí. Cidade, Patrimônio & Memória, Jundiaí, n. 1, p. 12-22, 2016.

VICAIRE, E.; MAISON, F. Cours de chemins de fer. Paris: Gauthier, 1899.

WINPENNY, Thomas R. Without fitting, filling, or chipping: an illustrated history of the Phoenix Bridge Company. USA: Canal History and Technology Press, 1996.

WOOD, Nicholas. A practical treatise on rail-roads, and interior communication in general: with original experiments, and tables of the comparative value of canals and rail-roads. London: Knight and Lacey, 1825.

Publicado
2019-07-13
Como Citar
Silva, T. M., & Oliveira, E. (2019). Oficinas e depósitos ferroviários: identificação e análise de algumas companhias férreas paulistas (1867-1930). Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 26(48), e145345. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.posfau.2019.145345
Seção
Artigos