Mito da cidade-global: o papel da ideologia na produção do espaço terciário em São Paulo

  • João Sette Whitaker Ferreira Universidade de São Paulo; Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
Palavras-chave: Cidade-global, globalização, produção do espaço urbano, urbanização periférica, mercado imobiliário

Resumo

A "cidade-global" vem sendo difundida como o único modelo urbano capaz de garantir a sobrevida das cidades no "novo" contexto da "globalização da economia". A cidade de São Paulo não foge desse rótulo. Entretanto, os dados empíricos mostram que ela não apresenta nenhum dos atributos típicos da "cidade-global". Isso não impede que o discurso dominante do pensamento único neoliberal, que tem como paralelos urbanos as teorias da "cidade-global", do "planejamento estratégico" e do "marketing de cidades", imponha uma visão - mais ideológica do que real - segundo a qual esses modelos seriam as únicas opções de urbanização aceitáveis. Apoiando-se nessa falsa realidade, os empreendedores urbanos da cidade conseguem canalizar os recursos públicos, de forma a sustentar a construção de supostas "centralidades globais terciárias", desviando, assim, as políticas públicas das prioridades prementes ligadas a uma demanda social cada vez mais dramática. Uma análise mais pormenorizada mostra que a dinâmica de produção do espaço em São Paulo é baseada em coalizões entre as elites urbanas locais e o poder público, nada tendo, de "moderna", e muito menos de "global", sendo, na verdade, a expressão urbana das tradicionais e arcaicas relações sociais típicas do "patrimonialismo" brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2004-12-01
Como Citar
Ferreira, J. (2004). Mito da cidade-global: o papel da ideologia na produção do espaço terciário em São Paulo. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, (16), 26-48. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i16p26-48
Seção
Artigos