Os córregos ocultos e a rede de espaços públicos urbanos

  • Vladimir Bartalini Universidade de São Paulo; Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
Palavras-chave: Rede hidrográfica, cursos d´água ocultos, paisagem urbana

Resumo

Salvo poucos casos, a hidrografia de nossas cidades não está vinculada a parques ou, genericamente falando, às áreas verdes. A regra, até hoje, é a sobreposição pura e simples, sem a intermediação de áreas verdes, do sistema viário ao sistema hidrográfico. O plano diretor estratégico de 2002, para o município de São Paulo, propõe a correção do modelo usual para os vales que ainda não foram impermeabilizados por avenidas. Sobre esses vales, que compõem a chamada "Rede Hídrica Estrutural", estariam apoiados parques lineares. Cumpre, no entanto, estender esse conceito à "rede hidrográfica capilar". Trata-se de pequenos cursos d'água, a maioria ocultos, cujos únicos vestígios são becos e vielas resultantes de sua canalização e enterramento. Fazer aflorar, se não os córregos propriamente ditos, ao menos sua memória, é um trabalho necessário e possível. Além dos efeitos pedagógicos de trazer à consciência dos habitantes da cidade sua base natural recalcada, pequenas intervenções nessas áreas poderiam recuperar vielas, ruas e becos, hoje escuros, sujos e desertos, integrando-os à paisagem urbana.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2004-12-01
Como Citar
Bartalini, V. (2004). Os córregos ocultos e a rede de espaços públicos urbanos. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, (16), 82-96. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i16p82-96
Seção
Artigos