Exemplo de reconversão arquitetônica: da estação sorocabana ao museu do imaginário do povo brasileiro - 1914 a 2002

  • Ivanise Lo Turco Universidade Nove de Julho
  • Roberto Righi Universidade de São Paulo; Faculdade de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de Projeto
Palavras-chave: Museu, patrimônio, conservação, reconversão, monumento, entorno, reciclagem

Resumo

Este trabalho se constitui de estudo analítico e crítico acerca da construção, uso e desenvolvimento da reconversão da Estação Sorocabana - desde sua criação, em 1914, até hoje. O edifício, inicialmente, foi a sede da rede ferroviária Sorocabana, voltada ao transporte de café e passageiros vindos do interior para a capital, passando, posteriormente, por uma adaptação à sua função, abrigando a então Delegacia de Ordem Pública e Social a partir da década de 30 até 1976, quando foi iniciado o processo de tombamento do imóvel. O edifício não possuía registros até o início do restauro e reforma inacabada para abrigar a Escola Superior de Música e teve sua função, finalmente, alterada para Museu do Imaginário do Povo Brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERTI, Leon Batiste. On the art of buildings. Ten books. Capítulo X. Londres: The MIT Press, 1999.

ANDRADE, Rodrigo Melo Franco de. Brasil: Monumentos históricos e arqueológicos. México: Instituto Panamericano de Geografia e História. Instituto Nacional de Antropologia e História de México, 1952.

ARGAN, Julio Carlo. História da arte como história da cidade. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BEM, Sueli Ferreira de. Contribuição para estudos das estações ferroviárias paulistas. 1998. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

BENEVOLO, Leonardo. Introdução à arquitetura. São Paulo: Mestre Jou, 1972.

BLAY, Beatriz. Estação de Ferro Sorocabana. 1981. TGI – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 1981.

BRANDI, Cesare. Teoria de la restauración. Tradução em espanhol de Maria Angelis Toajas Roger. Madri: Alianza Forma, 1995.

CAMPOS NETO, Cândido Malta. Iluminando uma trajetória: Reservação, história e urbanismo. In: CAMPOS NETO, Cândido Malta; GALLO, Haroldo; CARRILHO, Marcos José et al. Um século de luz. São Paulo: Scipione, 2001. Coleção Mosaico: (Ensaios & documentos).

CARVALHO, Maria Cristina Wolff de. Ramos de Azevedo. São Paulo: Edusp, 1999.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. Tradução de Vieira Machado. São Paulo: Estação Liberdade/Editora Unesp, 2001.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL. Promulgada em 5 de outubro de 1988, 29. ed. São Paulo: Saraiva, 2002.

DE FUSCO, Renato. La idea de arquitectura – História de la crítica desde Villet-le-Duc a Persico. Barcelona: Editorial Gustavo Gilli S.A., 1976.

DI MARCO, Ana Regina; ZEIN, Ruth Verde. Sala São Paulo de Concertos – Revitalização da Estação Júlio Prestes: O projeto arquitetônico. São Paulo: Alter Market , 2001.

FAGGIN, Carlos. Arquitetura de reconversão. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SÃO PAULO CENTRO XXI – ENTRE HISTÓRIA E PROJETO, 1994, São Paulo. Anais... São Paulo: FAUUSP/FUPAM/BANK BOSTN, p. 57, 1994.

FITCH, James Marston. Preservação do patrimônio arquitetônico – Curso de preservação do patrimônio ambiental urbano. São Paulo: FAUUSP, 1981.

GALLO, H.; CARRILHO, M. J.; MAGALHÃES, F. O trabalho do restauro em arquitetura. In: CAMPOS NETO, C.; GALLO, H.; CARRILHO, M. J. et al. Um século de luz. São Paulo: Scipione, 2001. Coleção Mosaico: (Ensaios & documentos).

IPHAN, Cartas Patrimoniais. Caderno de Documentos, n. 3. Brasília: IPHAN, 1995.

JORGE, Clóvis de Athayde. Luz: Notícias e reflexões. São Paulo: Prefeitura Municipal de São Paulo, Secretaria da Educação e Cultura, 1971 (Série História dos Bairros de São Paulo).

KÜHL, Beatriz Mugayar. Arquitetura do ferro em São Paulo e arquitetura ferroviária em São Paulo – Reflexões sobre a sua preservação. São Paulo: Ateliê Editorial, 1998.

KUTTER, Vivian Polack. Modelo de abordagem para edificações em situação de reciclagem. 1999. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetuta e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

LARKHAM, Peter J. Conservation and the city. Londres and Nova York: Routledge, 1996.

LEAL, Fernando Machado. Restauração e conservação de monumentos brasileiros. Pernambuco: UFPE, 1977.

LEMOS, Carlos A. C. Alvenaria burguesa. 2. ed. Revista e ampliada. São Paulo: Nobel. 1989.

LEMOS, Carlos A. C. Ramos de Azevedo e seu escritório. São Paulo: Pini, 1993.

LEMOS, Carlos A. C. O que é patrimônio. São Paulo: Brasiliense, 1981.

MEYER, Regina; IZZO JR., Alcino. Polo Luz: Sala São Paulo, cultura e urbanismo. São Paulo: Terceiro Nome, 1999.

REVISTA DA POLÍCIA DE SÃO PAULO. São Paulo. n. 44, ano VI, dez. 1973.

REVISTA DA POLÍCIA DE SÃO PAULO. n. 18, ano X, dez. 1989.

REVISTA DO ARQUIVO MUNICIPAL. São Paulo: DPH, n. 199, 1991. ISSN 00349216.

RIGHI, Roberto. O bairro da Luz: Das origens aos tempos atuais. In: CAMPOS NETO, C. M.; GALLO, H.; CARRILHO, M. J. et al. Um século de luz. São Paulo: Scipione, 2001. Coleção Mosaico: (Ensaios & documentos).

ROSSI, Aldo. Arquitetura da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

RUSKIN, John. Las siete lamparas de l’arquitetura. Barcelona: 1944.

RUSKIN, John. As pedras de Veneza. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

SECRETARIA DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO (Coordenadoria de Ação Regional). Programa de preservacão e revitalização do patrimônio ambiental urbano – versão preliminar. São Paulo: Secretaria de Economia e Planejamento, jan. 1977.

SECRETARIA DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA. Relatório do Departamento de Ordem Política e Social – Resumo Histórico do D.O.P.S. – Tiragem do Departamento de Investigações de São Paulo em 1953. São Paulo: Arquivo do Estado, s/d.

SOUKEF JR., Antônio. Cem anos luz. São Paulo: Dialeto, 2000.

SOUKEF JR. Estrada de Ferro Sorocabana: Uma saga ferroviária. Texto cedido pelo autor, 2001.

TAZZER, Alejandro Marino. La restauración arquitectónica – Retrospectiva histórica em México. 2. ed. México: Editorial Trillas, 1991.

TURCO, Ivanise Lo. Exemplo de reconversão arquitetônica: Da Estação Sorocabana ao Museu do Imaginário do Povo Brasileiro – 1914 a 2002. 2002. Dissertação (Mestrado) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2002.

VARRINE-BOHAN, Hugues. Patrimônio cultural – A experiência internacional. Notas de aula de 12.08.1974. São Paulo: Edição em Convênio: FAUUSP e IPHAN, 1975.

VIOLLET-LE-DUC, E. Emmanuel. Restauração. Tradução Beatriz Kühl. São Paulo: Ateliê Editorial, 2000.

VIOLLET-LE-DUC, E. Entretiens Sur L’Architecture. Paris: Pierre Mardaga, éditeur, 1986.

VIOLLET-LE-DUC, E. L’Architecture Raisonnée. Paris: Hermann, 1964.

Publicado
2004-12-01
Como Citar
Turco, I., & Righi, R. (2004). Exemplo de reconversão arquitetônica: da estação sorocabana ao museu do imaginário do povo brasileiro - 1914 a 2002. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, (16), 114-130. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i16p114-130
Seção
Artigos