Praia de Iracema e a revitalização de seu patrimônio histórico

Autores

  • Sabrina Studart Fontenele Costa

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i18p48-59

Palavras-chave:

Requalificação, áreas históricas, intervenção urbana

Resumo

A praia de Iracema se desenvolveu a partir da instalação do porto exportador de produtos cearenses e, apesar de pouco integrado à vida social do centro da cidade, foi fundamental para o crescimento econômico de Fortaleza. Depois da transferência desse equipamento para uma outra área da cidade, seus edifícios - armazéns e casas comerciais ligados às atividades portuárias - ficaram abandonados. Somente em meados da década de 90 a região começou a receber fortes investimentos governamentais - obras de grande porte que transformaram a realidade espacial da área. Em 1998, o governo do estado, buscando consolidar seu desempenho na área, estimulou a intervenção do Programa Cores da Cidade em diversos edifícios históricos da área. Assim, parte do patrimônio arquitetônico da área teve suas fachadas restauradas e seus interiores adaptados para usos novos, principalmente de lazer e turismo. A restauração dos antigos edifícios gerou uma forte especulação imobiliária que afastou parte da antiga classe artística e estimulou o aparecimento de bares, restaurantes e boates. Essas novas atividades contribuíram para consolidar a praia de Iracema como o maior pólo de turismo de Fortaleza. Este artigo busca realizar um breve panorama do tratamento dado ao patrimônio arquitetônico localizado na antiga área portuária de Fortaleza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOITO, Camillo. Os restauradores. Cotia: Ateliê Editorial, 2002.

BRANDI, Cesari. Teoria de la restauración. Madri: Alianza Editorial, 1995.

CARTAXO, Joaquim. As cores e o Dragão. In: A cidade factual. Fortaleza: Editora Universidade Federal do Ceará, 2000.

CASTRO, José Liberal de. Aspectos da arquitetura no nordeste do país. In: História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles/Fundação Djalma Guimarães, 1983.

CASTRO, José Liberal de. Cartografia urbana fortalezense na colônia e no império e outros comentários. In: Prefeitura Municipal de Fortaleza. A administração Lucio Alcântara: março 1979/maio 1982. Fortaleza: Prefeitura Municipal de Fortaleza, 1983.

CASTRO, José Liberal de. Fatores de localização e de expansão da cidade de Fortaleza. Fortaleza: Imprensa Universitária da UFC, 1977.

CENTRO DE CONSERVAÇÃO INTEGRADA URBANA E TERRITORIAL. Gestão do patrimônio cultural integrado. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2002.

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Editora Estação Liberdade, 2001.

CONSERVAÇÃO URBANA. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2005.

DIÁRIO DO NORDESTE. Fortaleza tem patrimônio histórico destruído. 25 ago. 2002.

ESTADO DE S. PAULO. Dragão do Mar inova traçado urbano e revitaliza Iracema. 19 jan. 1999.

FEILDEN, Bernard M. Conservation of historic buildings. Greated Britain: Butterworth & Co, 1982.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN). Cartas Patrimoniais. Brasília: Ministério da Cultura/ IPHAN, 1995.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN). Disponível em: www.iphan.gov.br. Acesso em: 20 nov. 2005.

JOKILEHTO, Jukka. Conceitos e idéias sobre conservação. In: Gestão do patrimônio cultural integrado. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2002.

JUCÁ, Gisafran Nazareno Mota. Verso e reverso do perfil urbano de Fortaleza (1945-1960). Fortaleza: Secretaria de Cultura e Desporto do Estado do Ceará, 2000.

KUHL, Beatriz Mugayar. Preservação da arquitetura do ferro em São Paulo. 1996. Tese (Doutorado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo. São Paulo, 1996.

PEREIRA, Liana Maria Viana. Transformações urbanísticas no entorno do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura – O Projeto Cores da Cidade. Relatório final de iniciação científica do PIBIC. Fortaleza, 2002, mimeo.

OFICINA DE PROJETOS. Disponível em: www.ofipro.com.br. Acesso em: 10 nov. 2005

O POVO. Polêmica da cultura. 5 ago. 1998.

O POVO. Freqüentadores do Dragão querem preservar o local. 28 mar. 2000.

O POVO. De olho no entorno do Dragão. 23 jan. 2001.

O POVO. Em torno do Dragão. 24 jan. 2001.

O POVO. Para pensar a cidade. 10 fev. 2001.

PROJETO E DESIGN. Edifícios culturais unidos por passarelas metálicas convivem com o casario antigo na zona portuária. São Paulo: Arco Editorial Ltda., n. 233, p. 60-67, 1999.

RIEGL, Alois. Le culte moderne des monuments. Son essence et sa genèse. Paris: Editions du Seuil, 1984.

ROCHA JR., Antônio Martins. O turismo globalizado e as transformações urbanas do litoral de Fortaleza. Arquitetura e estetização da praia de Iracema. 2000. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, 2000.

RUSKIN, John. Siete lámparas de la arquitectura. Buenos Aires: Editora Ateneo, 1956.

SCHRAMM, Solange Maria de Oliveira. Território livre de Iracema: só o nome ficou? Memórias coletivas e a produção do espaço na Praia de Iracema. 2001. Dissertação (Mestrado em sociologia) – Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, 2001.

SECRETARIA DE CULTURA DO ESTADO DO CEARÁ. Disponível em: www.secult.ce.gov.br. Acesso em: 20 nov. 2005.

TINTAS YPIRANGA. Disponível em: www.ypiranga.com.br/cores.htm. Acesso em: 20 nov. 2005.

Downloads

Publicado

2005-12-01

Como Citar

Costa, S. S. F. (2005). Praia de Iracema e a revitalização de seu patrimônio histórico. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, (18), 48-59. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i18p48-59

Edição

Seção

Artigos