O ajuste urbano: as políticas do Banco Mundial e do BID para as cidades

Autores

  • Pedro Fiori Arantes Universidade de São Paulo; Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i20p60-75

Palavras-chave:

Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento, política urbana e habitacional, financiamento público, gestão pública, reforma do Estado, ajuste estrutural

Resumo

Ao ajuste estrutural que se seguiu à crise da dívida no Terceiro Mundo, no início dos anos 80 - e ainda persiste como um ajuste permanente -, parece ter ocorrido um correspondente" ajuste urbano". Em ambos os casos, o Banco Mundial e, na América Latina, o BID, tiveram ação decisiva, em parceria com as elites e tecnocracias locais. As estratégias de ação dessas duas instituições financeiras, apesar de sua forte interferência nas políticas públicas dos países em desenvolvimento, constituem um tema novo e ainda pouco abordado pela pesquisa acadêmica. Em nosso caso, o objetivo foi desvendar o modelo de cidade que tem sido por elas defendido e qual seu significado. Na dissertação que realizei pela FAUUSP, constatei que os empréstimos do Banco Mundial e do BID - que aparecem aos gestores públicos como" tábuas de salvação" em tempos de crise -, não são" neutros" e carregam consigo uma agenda afirmativa: pretendem modelar um determinado padrão de uso do recurso público e de organização do Estado. As duas instituições difundem políticas públicas que seguem critérios empresariais de rentabilidade e um modelo de gestão estatal terceirizada, à mercê de um corpo técnico privado - formado por gerenciadoras de projeto, fundações privadas, ONGs e inúmeros consultores. Seu objetivo é transformar uma parcela dos governos locais nos países em desenvolvimento, especialmente os que administram os territórios que dão suporte aos negócios transnacionais, em estruturas administrativas treinadas para responder aos grandes interesses privados, ao mesmo tempo em que se desembaraçam de qualquer compromisso com a democracia real.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BANCO MUNDIAL. Urbanization. Washington: Banco Mundial, 1972.

BANCO MUNDIAL. Housing: Report on sectorial policy. Washington: Banco Mundial, 1972.

BANCO MUNDIAL. Housing: Enabling housing markets to work. Washington: Banco Mundial, 1993.

BANCO MUNDIAL. Cities in transition: Urban and local government strategy. Washington, Publication: Banco Mundial, 2000.

BID. El BID y la vivienda. Washington: Banco Mundial, 1963.

BID. El BID y la vivienda. Operational guidelines for housing. Washington: Banco Mundial, 1998.

BURGESS, Rod. Helping some to help themselves: Third world housing policies and development strategies. In: MATHÉY, Kosta. Beyond self-help housing. Londres: Mansell, 1992.

CAMPBELL, Tim. Innovations and risk taking: The engine of reform in local government in Latin America and the Caribbean. Washington: Banco Mundial, 1997.

CHOSSUDOVSKY, Michel. The globalization of poverty: Impacts of International Monetary Fund and Banco Mundial reforms. Penan: Third Word Network, 1997.

CITIES ALLIANCE. Cities alliance for Cities without Slums: Action plan for moving slum upgrading to scale. Washington: Banco Mundial e Habitat/ONU.

DAVIS, Mike. Planet of Slums. New Left Review, Londres, n. 26, p. 5-34, mar./abr. 2004.

FREIRE, Mila; STREN, Richard. The challenge of urban government. Polices and practices. Washington: Banco Mundial, 2001.

FREIRE, Mila; POLÈSE, Mario. Connecting cities with macroeconomic concerns: The missing link. Washington: Banco Mundial, 2003.

HARVEY, David. Do gerenciamento ao empresariamento: A transformação da administração urbana no capitalismo tardio, Espaço & Debates, São Paulo, n. 39, p. 48-64, 1996.

IGLESIAS, Enrique. Reflexiones sobre ele desarollo económico. Washington: BID/1992.

KESSIDES, Cristine. World Bank experience with the provision of infraestructure services for the urban

poor. Washington: Banco Mundial, 1997.

KESSIDES, Christine; BAHAROGLU, Deniz. Urban poverty. Washington: Banco Mundial, 2001.

MCNAMARA, Robert. The McNamara years at the World Bank: 1968-1981. Londres: John Hopkins

University Press, 1981.

MOURA, Alexandrina; MELO, Marcus André. Políticas públicas urbanas no Brasil: uma análise dos

projetos do Banco Mundial. Revista Planejamento e Políticas Públicas, n. 4, p. 99-126, 1990.

OSMONT, Annik. La Banque mondiale et les villes: du développement à l’ajustement. Paris: Karthala, 1995.

PEET, Richard. Unholy Trinity: The IMF, World Bank and WTO. Londres: Zed Books, 2003.

PRICE, Lisette. Governance: Experience in Latin America and the Caribbean. Washington: Banco Mundial, 1991.

RENAUD, Bertrand; BUCKLEY, Robert. Urban finance in post depression Latin America: The solvency status of urban borrowers. Washington: World Bank working paper, 1988.

ROJAS, Eduardo. The BID in low-cost housing: The first three decades. Washington: BID, 1995.

ROSSETTO, Rossela. Organismos internacionais e a autoconstrução: Análise e reflexões sobre as políticas de habitação para população de baixa renda. 1993. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

TAVARES, Laura. Ajuste neoliberal e desajuste social na América Latina. Petrópolis: Vozes/ CLACSO/ LPP, 2000.

WERNA, Edmundo. As políticas urbanas das agências multilaterais de cooperação internacional para países em desenvolvimento. Espaço & Debates, São Paulo: Neru, n. 39, 1996.

Downloads

Publicado

2006-12-01

Como Citar

Arantes, P. F. (2006). O ajuste urbano: as políticas do Banco Mundial e do BID para as cidades. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, (20), 60-75. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i20p60-75

Edição

Seção

Artigos