Monumentalidade x cotidiano: a função pública da arquitetura

  • Joaquim Manoel Guedes Sobrinho União Internacional de Arquitetos; Departamento de São Paulo
Palavras-chave: Monumentalidade, cotidiano, nação

Resumo

Este artigo foi baseado na conferência realizada em Belo Horizonte, em 18/03/06, na qual o autor teceu considerações sobre arquitetura e nação:" É arquitetura tudo o que concerne à construção." (ARGAN, c1992). O valor cultural e ético do objeto responde ao grau de atendimento à demanda, que se relaciona com o planeta Terra, aos recursos escassos e à sobrevivência das pessoas. A arquitetura, o seu fazer e o seu ensino são analisados a partir do ato, a arte de construir, para atender às exigências sociais, ao público e ao privado, por meio dos processos históricos dos jogos de poder, no lugar e momento. Reduz-se a arquitetura à essência para descobrir, em cada caso, as raízes de sua emergência e compreender a responsabilidade do arquiteto na nova sociedade de massas, ao ingressarmos neste" novo período popular da História" (SANTOS; SOUZA, c1998). Sugere-se a seguinte seqüência de procedimentos como caminho de conhecimento e apoio ao livre desenvolvimento da invenção: 1) O dimensionamento preliminar do problema a resolver para a escolha e o conhecimento completo do lugar, tarefas do arquiteto, do cliente, da sociedade e do governo; 2) a identificação e compreensão do programa de edificações para o lugar; 3) estudo das atividades, fluxos, quantidade, qualidade e articulação de espaços que emanam dos desejos, em conflito, das pessoas, conciliados em necessidades sociais e traduzidos em programas de edificações, privados ou públicos; 4) análise gráfica dos subsistemas setoriais de espaços associados por afinidades, tendo em vista sua disposição e organização, no lugar; 5) trabalho da construção rigorosa da arquitetura, que é, finalmente, matéria e forma; Ressaltando-se: 6) a necessidade de ampliar a oferta de informações sobre os problemas localizados de arquitetura a resolver, de organizar a participação pontual e efetiva das pessoas na discussão nos projetos e obras de seu interesse, contrariamente às reuniões" assembleiais" e participativas; 7) a ampliação de oportunidades para que o maior número de arquitetos possa participar da construção do país, o que implica nova política de sua contratação pelo poder público. Ao final são apresentados três projetos que ilustram a participação do arquiteto no fazer arquitetura no Brasil: 1) Plano Piloto de Brasília, 1957; 2) a cidade de Caraíba (Pilar), Jaguarari, BA, 1978; e 3) Projeto Bicocca, Milão, Itália, 1987.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARGAN, Giulio Carlo. A história da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

BRANDÃO, Carlos Antônio Leite. A formação do homem moderno vista através da arquitetura. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

CHARDIN, Pierre Teilhard de. Le phénomène humain. Paris: Editions du Seuil, 1955.

EISEMAN, Peter. Diagram diaries. Nova York: Universe Publishing, 1999.

GUEDES, Joaquim. Considerações sobre planejamento urbano, a propósito do Plano de Ação Imediata de Porto Velho. 1972. Tese (Doutorado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1972.

GUEDES, Joaquim. Um projeto e seus caminhos. 1981. 293f. Tese (Livre-Docência) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1981.

HERZOG, Thomas. Bausysteme von construction systems by sistemi costruttivi di Angelo Mangiarotti. Darmstadt: Verlag Das Beispiel, 1998.

HOLANDA, Frederico de. Arquitetura & urbanidade. São Paulo: ProEditores, 2003.

MALDONADO, Tomás. Ambiente humano e ideologia. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1972.

MANGIAROTTI, Angelo et al. In nome dell’architettura. Milão: Jaca Book, 1987.

NARDI, Giulio. Angelo Mangiarotti: Studio di una struttura. Dogana: Maggioli Editore, 1997.

REALE, Miguel. A ecologia e seus riscos. O Estado de São Paulo, São Paulo, 23 jun. 2001. Espaço Aberto, p. 2.

REED, Peter. Alvar Aalto: Between humanism and materialism. Nova York: The Museum of Modern Art, 1998.

SANTOS, Milton. Metrópole corporativa fragmentada: O caso de São Paulo. São Paulo: Nobel/Secretaria do Estado da Cultura, 1990.

VALÉRY, Paul. Eupalinos e o arquiteto. São Paulo: Editora 34, 1999.

Publicado
2007-06-01
Como Citar
Guedes Sobrinho, J. (2007). Monumentalidade x cotidiano: a função pública da arquitetura. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, (21), 26-49. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i21p26-49
Seção
Artigos