Palcos e bastidores (ainda sobre córregos ocultos)

  • Vladimir Bartalini Universidade de São Paulo; Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
Palavras-chave: Córregos ocultos, espaços públicos, paisagem urbana

Resumo

Ao prestígio dos lagos situados nos principais parques urbanos da cidade de São Paulo, contrapõe-se o desconhecimento ou o descaso em relação aos córregos responsáveis pela formação daqueles valores paisagísticos. À medida que se processou a urbanização dos bairros cortados por esses cursos d'água, eles foram tubulados e enterrados a ponto de desaparecerem por completo. Hoje, apenas pelos lagos suas águas participam da paisagem. No entanto, restam, no caminho, resíduos das operações de ocultação que denunciam a presença dos córregos. Os estudos realizados para os casos dos parques do Ibirapuera e da Aclimação revelam as possibilidades de unir esses dois importantes espaços de lazer dos paulistanos por meio dos percursos dos córregos que alimentam os respectivos lagos. Desse modo, abrem-se não só alternativas para pedestres e ciclistas, mas também oportunidades para vivificar a memória dos sítios.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2010-12-01
Como Citar
Bartalini, V. (2010). Palcos e bastidores (ainda sobre córregos ocultos). Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, (28), 72-102. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i28p72-102
Seção
Artigos