Indeléveis rastros

  • Igor Guatelli
Palavras-chave: Diferir, suplemento, ser-com, ser-para-si-mesmo, articulação, interferência, programa

Resumo

A partir de um projeto de Zaha Hadid em Viena, pretende-se discutir as possibilidades de deslimitação do objeto arquitetônico e os possíveis processos de mediação e amálgama com a cidade, e de qual maneira a arquitetura poderia incorporar essa questão no fazer projetual. Parte da premissa da importância de micropolíticas urbanas que se formam e desfazem-se a partir de rastros, o "quase" ausente capaz de produzir diferenças pela mistura, pelo contágio e pelo movimento, parecendo-nos mostrar que tão importante quanto a proxemia, relações de proximidade e fusão é a diastemia, relações baseadas em contaminações pela irradiação, que podem se dar em diferentes graus de intensidade. Aqui, o rastro como uma condição frágil necessária para o surgimento da alteridade. O "além-do-ser" a surgir proveniente daquilo que parece sempre não mais estar lá, seja como uma presença quase ausente (desativada), "invisível", ou como movimento de contaminação suplementar - e conseqüente superação daquilo que parece ser da "natureza" ou próprio de algo - do objeto e/ou territorial, a hibridização.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2010-12-01
Como Citar
Guatelli, I. (2010). Indeléveis rastros. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, (28), 144-156. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i28p144-156
Seção
Artigos