Sobre o vazio: as esquinas Cerdà, os bulevares parisienses e as squares londrinenses

  • Vanessa Maas Universitat Politècnica de Catalunya
Palavras-chave: Vazios urbanos, repetição, projeto, Barcelona, Paris, Londres

Resumo

Este artigo faz parte de uma investigação em fase inicial sobre o vazio urbano dentro do âmbito do projeto arquitetônico. Tem como objetivo explorar reflexões sobre aspectos formais de diversos espaços vazios, resultados de uma intenção projetiva e não daqueles entendidos como conseqüência inevitável ou automática do cheio. Considera-se o vazio um elemento chave dentro da concepção formal da arquitetura, não somente pelo potencial descritivo que pode ter a massa por meio de seu negativo, mas também porque se acredita que, em diversas situações, esses lugares urbanos aparecem com tal força projetiva, que acabam por evidenciar o espaço construído de forma significativamente coerente - pela repetição, densidade, percepção de escalas e proporções. São relações talvez indissociáveis; entretanto, normalmente pouco evidenciadas. Em três exemplos distintos, pertencentes às três cidades mais densas da Europa: Paris, Barcelona e Londres, essas relações se tornam perceptíveis e plausíveis de serem comparadas. Porque, ainda que formem parte de contextos diferentes, há de relevante e comum entre eles, o fato de, nos três casos, o vazio surgir de uma intenção projetiva e repete-se sistematicamente no tecido urbano dentro de importantes períodos do desenvolvimento intelectual e prático do projeto urbano. O argumento central parte da idéia de, na malha urbana projetada por Ildefons Cerdà em Barcelona, cada intersecção de ruas, formada por quatro esquinas chanfradas em quarenta e cinco graus, compor-se um espaço vazio - obtido pelo ato de "cortar" a típica esquina em noventa graus. Com um exemplo genérico de encontro de ruas do projeto de expansão barcelonês, verifica-se a maneira de esses vazios configurarem a malha urbana, bem como as relações que estabelecem com outros dois casos: os bulevares parisienses e as squares londrinenses. Primeiramente, os exemplos são contextualizados e, posteriormente, comparados, com o propósito de explorar algumas conclusões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARTHES, Roland. El imperio de los signos. Madri: Mondadori, 1991.

BENJAMIN, Walter. Libro de los pasajes. Madri: Akal, 2005.

BERMAN, Marshall. Todo lo sólido se desvanece en el aire: la experiencia de la modernidad. Madri: Siglo Veintiuno, 1991.

BRU, Eduard. Comming from the south. Barcelona: Actar, 2001.

CERDÀ, Ildefons. Las cinco bases de la teoría general de la urbanización. Compilación, estructuración y comentario de Arturo Soria y Puig. Prólogo de Albert Serratosa. Madri: Electa España, 1996.

CULLEN, Gordon. El paisaje urbano: Tratado de estética urbanística. Barcelona: Blume, 1974.

GIEDION, Siegfried. Espacio, tiempo y arquitectura: El futuro de una nueva tradición. Madri: Dossat, 1978.

JACOBS, Allan B. The boulevard book: History, evolution, design of multiway boulevards. Cambridge: The MIT Press, 2002.

KRIER, León. Homenaje a Barcelona. Arquitecturas bis: información gráfica de actualidad, Barcelona, n. 20, p. 2-6, 1978.

MONCAN, P. de; HEURTEUX, C. Le Paris d’Haussmann. Paris: Les Éditions du Mécène, 2002.

MONTANER, Josep Maria. Repensar Barcelona. Barcelona: Edicions UPC, 2003.

MORRIS A. E. J. Historia de la forma urbana: Desde sus orígenes hasta la revolución industrial. Barcelona: Gustavo Gilli; 1984.

MUNTAÑOLA, J. La arquitectura como lugar. Barcelona: Ediciones UPC, 2001.

RASMUSSEN, Steen Eiler. London, the unique city. Cambridge: MIT Press, 1982.

SERGISON. J.; Bates, Stephen. Sameness. Barcelona: Gustavo Gilli, 2007. Papers 2: Sergison Bates Architects.

SOLÀ-MORALES, Manuel de. ¿Querido León, por que 22 x 22? Arquitecturas Bis: Información Gráfica de Actualidad, Barcelona, n. 20, p. 7-12, 1978.

SUMMERSON, JOHN. Georgian London. England: Penguin Books, 1978.

WENDERS, Wim. El acto de ver: Textos y conversaciones. Barcelona: Paidós Ibérica, 2005.

ZUCKER, Paul. Town and square: From the Agora to the village green. Nova York: Columbia University Press, 1959.

Publicado
2011-06-01
Como Citar
Maas, V. (2011). Sobre o vazio: as esquinas Cerdà, os bulevares parisienses e as squares londrinenses. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 18(29), 80-94. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v18i29p80-94
Seção
Artigos