Informalidade nas sociedades de elite da América Latina

  • Csaba Deák Universidade de São Paulo; Faculdade de Arquitetura e Urbanismo
Palavras-chave: Informalidade, sociedade de elite, Brasil, América Latina, neoliberalismo, ideologia

Resumo

A palavra "informalidade" entrou em uso generalizado a partir dos anos 80, com a reação neoliberal à crise do estado de bem-estar nos países desenvolvidos (ou centrais), que promove, a fenômenos mais ou menos autônomos, certas características intrínsecas do capitalismo ou de sua crise atual. Assim, exploração se torna exclusão, imperialismo se torna globalização, capitalismo tardio pode ser neo ou pós-fordismo, ou ainda pós-modernidade, subproletariado se torna sem-teto ou morador de rua, ilegalidade se torna informalidade. Na aglomeração urbana o termo se refere a assentamentos de baixa renda precários e/ou irregulares: terreno invadido, loteamento clandestino, construção sem projeto aprovado ou em desacordo com o zoneamento. Mas é preciso lembrar que, pela mesma lógica, há informalidade no outro extremo, superior, do espectro social: clubes recreativos, residências de luxo com aproveitamento superior ao permitido, e até shopping centers sobre terreno grilado ou em usucapião são comuns (em São Paulo). Na área da economia, fora do âmbito da organização espacial, também encontramos a informalidade no lugar mais chave do capitalismo: o lugar da produção. Empregos sem carteira assinada são empregos informais, comércio de rua, de mercadoria de contrabando ou sem nota fiscal é comércio informal. Essa comunicação pretende menos detalhar a variedade de formas de informalidade na América Latina do que discutir suas causas e propor que tais causas se situem nas peculiaridades estruturais das sociedades de elite. Para tanto, restringe-se à discussão da sociedade brasileira, na esperança de cada país contribuir, nesse seminário e mesmo depois, para uma melhor compreensão das raízes das fragilidades dos países do continente e para a percepção das potencialidades do movimento de unificação da América Latina para liberar seu desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGLIETTA, Michel. Une théorie de la regulation du capitalisme. Paris: Maspéro, 1976.

BALL, Michael. O desenvolvimento do capitalismo na provisão da habitação. Espaço & Debates, n. 36, p. 11-34, 1992. . The development of capitalism in housing provision. International Journal of Urban and Regional Research, v. 5, n. 2, p. 145-177, 1981.

DEÁK, Csaba. Acumulação entravada no Brasil e a crise dos anos 80. Espaço & Debates, n. 32,p. 32-46, 1991. Disponível em: http://www.usp.br/fau/docentes/depprojeto/c_deak/CD/3publ/91ace/index.html. Acesso em: 20 jun. 2011.

DEÁK, Csaba. Verbetes. Periodização do capitalismo. Disponível em: http://www.usp.br/fau/docentes/depprojeto/c_deak/CD/4verb/period-K/index.html. Acesso em: 20 jun. 2004.

ENGELS, Friedrich. The housing question. Lepzi: [s.n.], 1872.

FERNANDES, Florestan. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. São Paulo: Zahar, 1981.

LUZ, Nícia Vilela. A luta pela industrialização do Brasil. São Paulo: Alfa-Omega, 1975.

MOTTA, Carlos Guilherme da. O Brasil em perspectiva. São Paulo: Difel, 1981.

OLIVEIRA, Francisco. A economia brasileira: Crítica à razão dualista. Cadernos Cebrap, São Paulo, n. 2, p. 5, 1998.

ROCHA, Frederico; KUPFER, David. Structural changes and specialization in brazilian industry: the evolution of leading companies and the M&A process. The Developing Economies, XL-4, Nova Jersey, p. 497-521, 506, Table V, Dec. 2002.

SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. São Paulo: Duas Cidades, 1990.

VIOTTI da Costa, Emília. Introdução ao estudo da emancipação política. In: MOTTA, Carlos Guilherme da (Org.). O Brasil em perspectiva. São Paulo: Difel, 1968.

WERNECK, Nelson W. Sodré. As razões da Independência. São Paulo: Difel, 1986.

Publicado
2011-06-01
Como Citar
Deák, C. (2011). Informalidade nas sociedades de elite da América Latina. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 18(29), 98-113. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v18i29p98-113
Seção
Artigos