Estilo desornamentado, arquitetura-chã: alguns aspectos do renascimento na Península Ibérica

  • Andrea Buchidid Loewen Universidade de São Paulo; Faculdade de Arquitetura e Urbanismo; Departamento de História da Arquitetura e Estética
Palavras-chave: Estilo-chão, Estilo desornamentado, Doutrinas arquitetônicas, Tratadística, Renascimento em Portugal

Resumo

No século 16, na Península Ibérica, a assimilação do romano impulsiona uma corrente arquitetônica na qual um progressivo classicismo e o despojamento decorativo anunciam a chegada do chamado Renascimento. Ainda que possuam suas peculiaridades, tanto o estilo-chão português quanto o desornamentado espanhol se apóiam em doutrinas arquitetônicas de origem itálica. Trazidas quer pelos artífices que estiveram em tais terras - ou pelos arquitetos de lá oriundos chamados a trabalhar na Península, quer pelos tratados de arquitetura importados e, posteriormente, traduzidos para o castelhano e o português, tais doutrinas alimentaram, ainda, a publicação de outras significativas obras de sistematização teórica, como a sagrediana Medidas del romano. Este artigo discute tais aspectos do Renascimento na Península Ibérica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARENAS, José Fernández (Org.) Renacimiento y Barroco en España. Barcelona: Gustavo Gilli, 1982.

BROTHERS, Cammy. The Renaissance reception of the Alhambra. Muqarnas, v. 11, p. 79-102, 1994.

BURY, John. Medidas del Romano. By Diego de Sagredo. In: The Burlington Magazine, v. 131, n. 1, jan. 1989.

CHECA, Fernando. El estilo clásico. In: NIETO, V.; MORALES, A. J.; CHECA, F. Arquitectura del Renacimiento en España. Madri: Manuales Arte Cátedra, 1989.

CONCEIÇÃO, Margarida Tavares da. Learning architecture: early modern apprenticeships in Portugal. In: INTERNATIONAL MEETING EAHN-EUROPEAN ARCHITECTURAL HISTORY NETWORK, 1., Guimarães, Portugal, 17-20 jun. 2010. Disponível em: http://www.ces.uc.pt/myces/UserFiles/encontros/725_Conceicao_EAHN_LearningArchitecture.pdf. Acesso em: Out. 2011.

CORREIA, José Eduardo Horta. Arquitetura portuguesa: Renascimento, Maneirismo, Estilo Chão. Lisboa: Editorial Presença, 1991.

DAMONTE, Mario. La fortuna di Leon Battista Alberti in Spagna nel secolo XVI. Atti della Accademia Ligure di Scienze e Lettere, v. XXIX, p. 354-372, 1972.

GOMES, Paulo Varela. Aspectos do classicismo na arquitectura portuguesa dos séculos XVI e XVII. In: OLIVEIRA, Myriam Andrade de; PEREIRA, Sonia Gomes (Org.). Rio de Janeiro: UERJ, 2004. v. 2, p. 607-633. Apresentado no COLÓQUIO LUSO-BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE, 6., Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: CBHA/PUC/UFRJ, 2004.

JESTAZ, Bertrand. Il Nuovo Linguaggio. In: IL RINASCIMENTO dell’architettura da Brunelleschi a Palladio. Torino: Universale Electa; Galimard, 1995. p. 39-64.

KUBLER, George. Arquitectura portuguesa chã. Entre as especiarias e os diamantes, 1521-1706. Lisboa: Vega, 1972.

MARÍAS, F. El siglo XVI: gótico y renacimiento. Madri: Sílex, 1992.

MORALES, Alfredo J. Tradición y modernidad, 1526-1563. In: NIETO, V.; MORALES, A. J.; CHECA, F. Arquitectura del Renacimiento en España. Madri: Manuales Arte Cátedra, 1989.

MOREIRA, Rafael. Arquitectura: Renascimento e Classicismo. In: PEREIRA, P. (Org.). História da arte portuguesa. Lisboa: Temas e Debates, 1995. v. 2.

MOREIRA, Rafael. A Escola de Arquitetura do Paço da Ribeira e a Academia de Matemáticas de Madrid. In: SIMPÓSIO LUSO-ESPANHOL DE HISTÓRIA DA ARTE, 2., Coimbra, 1987. Anais... Coimbra: Livraria Minerva, 1987.

NIETO, Víctor. Renovación e indefinición estilística, 1488-1526. In: NIETO, V.; MORALES, A. J.; CHECA, F. Arquitectura del Renacimiento en España. Madri: Manuales Arte Cátedra, 1989. p. 337-347.

SERLIO, Sebastiano. The five books of architecture. Toronto: Dover, 1982.

SOROMENHO, Miguel. Classicismo, italianismo e estilo chão. O ciclo filipino. História da arte portuguesa. Lisboa: Temas e Debates, 1995. v. 2.

TAFURI, Manfredo. Ricerca del Rinasciment. Principi, città, architetti. Torino: Einaudi, 1992.

TERZI, Filippo. Architetto e ingegnere militare in Portogallo. Lisboa: [s.n.], 1578.

TOLEDO, Benedito Lima de. Do século XVI ao início do século XIX: maneirismo, barroco e rococó. In: ZANINI, W. (Org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles, 1983.

WILKINSON-ZERNER, Catherine. Juan de Herrera. Architect to Philip II of Spain. New Haven and London: Yale University Press, 1993.

WILKINSON, Catherine. Proportion in practice: Juan de Herrera’s design for the façade of the Basilica of the Escorial. The Art Bulletin, Nova York, v. 67, n. 2, p. 229-242, 1985.

WUNDRAM, M.; PAPE, T.; MARTON, P. Andrea Palladio. Um arquitecto entre o Renascimento e o Barroco. Köln: Taschen, 1994.

Publicado
2011-12-01
Como Citar
Loewen, A. (2011). Estilo desornamentado, arquitetura-chã: alguns aspectos do renascimento na Península Ibérica. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 18(30), 56-69. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v18i30p56-69
Seção
Artigos