São Francisco e os caminhos da pedra

  • Antonio José Faria Góis Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo FAU/USP
Palavras-chave: Cruzeiro. Calcário. Marchetaria. Conjunto conventual. Lavabo. Pavimento.

Resumo

A utilização da pedra, no período colonial, limitou-se bastante, em termos locais, à alvenaria e à cantaria, mas também ocorreu seu emprego como material, delimitado, em geral, às obras escultóricas complementares da arquitetura. Uma valorização e ampliação desse limite verificou-se com o lioz, assim como, mais especificamente, em Salvador, com o acréscimo de outros tipos de pedra, igualmente lusitanos e participantes da decoração ambiental. Essa contribuição tem, no conjunto conventual de São Francisco, uma interessante variedade de exemplos, por nós abordada no presente artigo, sendo nosso objetivo indicar dados mais específicos para o exame de um percurso histórico. Partindo do ambiente europeu – não circunscrito à metrópole portuguesa, mas a essa interligado –, tal percurso se reveste do caráter universal que honrosamente nos inclui, dando-nos a oportunidade de avaliar a dimensão cultural e a tradição técnica de obras que enriquecem nosso acervo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio José Faria Góis, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo FAU/USP
Graduado em Artes Plásticas pela Escola de Belas Artes da UFBA; mestrado em Crítica da Arte pela Universidade Internacional da Arte, Florença, Itália (reconhecido em nível de mestrado pela Universidade Federal da Bahia); especialização pelo “Opifício della Pietre Dure”, Florença, Itália; bolsista DER – CNPq. Bolsa de Fomento à Pesquisa. Ref. Processo: 3000529/96-1; doutorado em Estruturas Urbanas Ambientais, FAU/USP

Referências

ALBERTI, Leon Battista. De Re Aedificatoria. Firenze, 1485.

ALVES, Marieta. História da Venerável Ordem Terceira da Penitência do Seráfico Pe. São Francisco da congregação da Bahia. Salvador: Mesa Administrativa, 1948.

ALVES, Marieta. Pequeno Guia das Igrejas da Bahia. Convento de São Francisco. Publicação da Prefeitura do Salvador, 1964.

ARMENINI, Giovanni Battista. De Veri Precetti della Pittura. Ravenna, 1587.

BAZIN, Germain. A arquitetura religiosa barroca no Brasil. Tradução de Glória Lúcia Nunes. Rio de Janeiro: Editora Record, 1983.

BORGHINI, Gabriele (a cura di). Marmi Antichi. Roma: De Luca Edizioni d’Arte, 1989.

BURCKHARDT, Jacob. L’ Arte Italiana del Rinascimento. Venezia: Marsilio Editori, 1992.

CALENZANI, Lucio; CORBELLA, Enrico; ZINI, Renato. Manuale dei Marmi, Pietre, Graniti. Milano: Fratelli Vallardi Editori, 1988.

FLEXOR, Maria Helena Ochi; FRAGOSO, Frei Hugo; OFM (Orgs.). Igreja e convento de São Francisco da Bahia. Rio de Janeiro: Versal Editores, 2009.

GIUSTI, Annamaria (a cura di). Splendori di Pietre Dure. L’Arte de corte nella Firenze dei Granduchi (catalogo della Mostra). Firenze: Giunti Editori, 1988.

GÓIS, Antonio José de Faria. Fatores determinantes do retábulo e sua morfologia na Cidade do Salvador. 2005. 351p. Tese de doutorado – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

OTT, Carlos. Pisos de presbitérios e naves. In: Curso monográfico sobre a origem étnica da arte baiana. Salvador: UFBA, 1971. p. 34-52.

ROSSI, Ferdinando. La Pittura di Pietra. Firenze: Ed. Banca Toscana, 1967.

ROSSI, Ferdinando. I Mosaici: Milano: Alfieri e La Croix Editori, 1989.

SILVA, Zenaide Carvalho. O lioz português. De lastro de navio a arte na Bahia. Rio de Janeiro, Brasil: Versal Editores; Porto, Portugal: Edições Afrontamento, 2008.

Publicado
2012-06-20
Como Citar
Góis, A. J. (2012). São Francisco e os caminhos da pedra. Pós. Revista Do Programa De Pós-Graduação Em Arquitetura E Urbanismo Da FAUUSP, 19(31), 116-131. https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v19i31p116-131
Seção
Artigos